Ifo Vuvu, han?

24/11/2008 at 10:14 147 comentários

Tinha mil motivos para torcer contra o São Paulo neste domingo. O primeiro – o mais importante – é que os três pontos eram cruciais para não ver o Vasco rebaixado. A teoria da relatividade* diz que todos nós, terráqueos, vivenciamos a mesma relação espaço-tempo, mas vascaínos no momento estão numa dobra temporal. Por um lado, a diretoria anuncia patrocínios milionários, que vão gerar boas contratações a partir de janeiro. Mas até lá é preciso desesperademente se manter na primeira divisão, o que está cada vez mais difícil. Resta ao Vasco vencer as duas partidas – Coritiba, no Paraná, e Vitória em São Januário – e esperar que os concorrentes não passem dos 43 pontos.

Ah, sim, o assunto é o São Paulo. O São Paulo hoje em dia é o riquinho da turma no Campeonato Brasileiro. É como o garoto que ganhava um Genius quando quase todos levavam uma mesa de botão de presente de Natal. Que estudava em um colégio com ônibus próprio. Quando adolescente, o dono daquela casa bonita com um amplo terraço onde ocorriam as melhores festas.

Nas pornochanchadas, o São Paulo seria aquele personagem geralmente chamado Dudu. Aparecia de repente na praia sem camisa e de calça branca, dirigindo um Puma conversível. A loura de biquíni que conversava com outros personagens – tipo o Paulo José e o Flávio Migliaccio – dava tchau, entrava no carro de Dudu e iam os dois embora. Paulo José – ou Flávio Migliaccio tanto faz – ficavam sozinhos por um instante refletindo a respeito da situação, então um cutucava o outro e dizia algo do tipo:

– Ifo Vuvu, han?**

Enfim o São Paulo não é simpático. Tem o hábito desagradável de dominar metade de cada década, ganhar muitos títulos e, como se não bastasse, ser o clube brasileiro que negocia seus jogadores pelo que eles valem – prática também adotada na Argentina, mas completamente ignorada pelo restante da Série A. Isso faz o São Paulo ser agora o – quase – maior campeão dos brasileiros e ao mesmo tempo não ser reverenciado à altura. Fora são-paulinos, ninguém admira o São Paulo. É mais fácil simpatizar com a mística do Flamengo e Corinthians, o fatalismo de botafoguenses e atleticanos (de minas) diante da eterna certeza da derrota, a força dos gaúchos ou a imagem de “times da colônia” de Vasco, Palmeiras e Cruzeiro, do que não torcer o nariz para o São Paulo. Como é o clube mais rico, suas conquistas parecem obrigação.

Nos últimos dois anos o São Paulo deu a impressão de ter disputado o Brasileiro só por uma questão de protocolo mesmo. Foram conquistas chatas. Tão previsíveis que poderiam ter sido precedidas de um diálogo assim:

Muricy:

“Sinto muito, pessoal. Falei com a CBF. Não querem nos dar logo o título. Disseram que vamos ter que jogar 38 partidas”.

Dagoberto:

“Droga! Eu já tinha viagem marcada para setembro”.

Este ano, porém, começou com a impressão de que a nova era de ouro chegara ao fim. Primeiro ocorreu a segunda eliminação consecutiva da Libertadores – contra adversários que não só jogaram como lutaram muito mais. Depois, o início pífio no Campeonato Brasileiro, ainda que seguido de alguma melhora lá pela metade do primeiro turno. Por último a recaída no início do segundo, deixando o Grêmio abrir doze pontos de vantagem.

Então as circunstâncias – e a tranquilidade de jogar sem ter nada a perder – levaram o São Paulo a – quase – levar mais um campeonato. Vamos convir, acabou. Usar “quase” é uma formalidade reservada aos 0,0000000000000000000000001% de probabilidade de o São Paulo não ganhar pelo menos um jogo até o fim e o Grêmio ganhar seus dois. Se o São Paulo não sentiu o peso da decisão até agora por que iria sentir nas próximas rodadas? E se o Grêmio vem sentindo o peso da decisão há mais ou menos 15 rodadas vai se acalmar agora? Mas, enfim, há a probabilidade.

Então se der a lógica o São Paulo vai ser o maior campeão brasileiro de todos os tempos por tudo que os outros detestam nele. O São Paulo é eficiente. Na maneira de ser administrado e na maneira de jogar. Neste jogo de hoje o Vasco foi esforçado. Jogou razoavelmente bem, teve muitas chances e podia ter ficado com o empate. Contra outro adversário provavelmente teria até vencido. Mas o São Paulo joga como um time de videogame. Os passes em 90% das vezes chegam aos pés certos.Os jogadores estão sempre onde deveriam estar. O reflexo da presença da torcida adversária no time – como se fosse aquele rugido eletrônico no Winning Eleven – é nenhum. Não bastasse, quando tem de segurar o jogo Muricy Ramalho olha para o banco de reservas e vê jogadores como o Richarlyson.

Só há uma fraqueza nesta supremacia: o São Paulo é o campeão das eras medíocres. Todas as suas conquistas – 77, 86, 91, 2006 e 2007 e esta agora – se deram contra adversários meio lamentáveis. É justamente o contrário do São Paulo na Libertadores e nos Mundiais, quando se superou diante de adversários melhores. Mas aqui dentro a regra é que sempre que surge outro bom time o São Paulo volta a ser coadjuvante. Até o próximo despertar.

Não dá para terminar sem falar do Grêmio… Bem… o Grêmio. Admiro a maneira como os torcedores do Grêmio o apóiam o tempo todo nos jogos, mesmo quando o time joga muito mal, e as partidas, históricas, em que superou adversários bem melhores. Em onze anos de Porto Alegre aprendi a gostar de verdade do Grêmio. Mas neste Campeonato Brasileiro o Grêmio no fim das contas foi pusilânime. Não é só por ser o primeiro “campeão do primeiro turno” a perder o título no final. Coisas da vida, aconteceria uma hora. Pior foi perder o título depois de passar o campeonato inteiro com medo do São Paulo.

Depois de vencer o Vasco, ainda nas primeiras rodadas, o Grêmio havia aberto uma vantagem considerável e mesmo com Cruzeiro e Palmeiras na disputa o técnico Celso Roth só falava do São Paulo, que vinha bem atrás. O técnico gremista só considerava um adversário: o São Paulo. Disputou o campeonato inteiro esperando pelo São Paulo. Mas teve uma hora, sem o São Paulo por perto, em que de repente não havia mais o Golias, só um bando de Davis a enfrentar. Golias não foi brigar com Davi. Em vez de ficar ao alcance de uma pedrada, deu a volta e apareceu de surpresa no seu caminho no final. Davi já não sabia o que fazer. De repente todas as fragilidades gremistas – elenco ruim, jogadores mal pagos, contratações mal feitas, bons jogadores vendidos barato – estavam ali para roubar o título.

Alexandre Rodrigues

* Quando eu coloco questões assim, Heitor, meu amigo físico, me responde com frases como “Desse jeito não tá errado. Mas na verdade tempo e espaço estão relacionados, o que é a teoria da relatividade…mas isso só é importante em grandes velocidades ou mudanças de referências”.

** Tradução: “Esse Dudu, hein?” O som era realmente horrível naqueles filmes.

*** É claro, é preciso ignorar que as duas únicas grandes conquistas desde o Brasileiro de 96 – as Copas do Brasil de 97 e 2001 – foram com bons times, cheios de jogadores conhecidos.

Entry filed under: Brasileiro, Colunas, Contribuições.

Grêmio tomba e São Paulo engatilha o hexa O Xavante morreu. Viva o Xavante!

147 Comentários Add your own

  • 1. JC  |  24/11/2008 às 10:26

    “É mais fácil simpatizar com a mística do Flamengo e Corinthians, o fatalismo de botafoguenses e atleticanos (de minas) diante da eterna certeza da derrota, a força dos gaúchos ou a imagem de “times da colônia” de Vasco, Palmeiras e Cruzeiro, do que não torcer o nariz para o São Paulo.”

    DISCORDO TOTALMENTE!!! NUNCA simpatizei com Flamengo e Corinthians…NUNCA!!!

  • 2. Gustavo  |  24/11/2008 às 10:38

    Alexandre, lamento, mas acho que o Vasco já eras. Quantas vezes venceu duas partidas seguidas?

    E o mais lamentável de tudo: o Grêmio perderá o título para o SPFC, tendo VENCIDO os dois jogos contra eles…

  • 3. Álisson  |  24/11/2008 às 10:39

    É Fra e Timão, NÉÉÉVER!”

    Mas, no mais, muito bom texto. Qualquer referência às porno-chanchadas me faz rir muito.

    O SPFW é uma MERDA. Mas o pior de tudo é ter que torcer pra eles. Boa sorte na segunda, a tarefa do vashco é muuuito dificil.

  • 4. Milton Ribeiro  |  24/11/2008 às 10:51

    Eu detesto o SP, mas abraço o diabo para não ver o Grêmio campeão. Digo isso sem o menor problema, pois sei que os meus amigos gremistas são capazes de torcer pelo Flamengo ou Corínthians contra nós, ou melhor, torcem por qquer um contra nós. Chegaram a concordar com o Zveiter!

    Gostei muito do texto do Alexandre, só acho que ele se equivoca em nossos ódios: odiamos SP, Flamengo, Corínthians, Parmalat-Palmeiras e Vasco-do-Euricão isonomicamente e só os amamos quando um deles enfrenta Grêmio ou Inter.

    Acho uma sacanagem o Vasco cair logo quando Eurico-free, mas a vida é dura e o Coritiba adora golear em casa.

  • 5. Paulo  |  24/11/2008 às 10:55

    Eu adoro o fato de que todo mundo odeia meu time. É passando por cima do ódio de todo mundo que mais uma vez vejo meu TRICOLOR se sagrar campeão. Grande texto.

  • 6. Álisson  |  24/11/2008 às 10:55

    Faço minhas as palavras do Milton.

  • 7. Paulo Sanchotene, RS  |  24/11/2008 às 10:57

    Milton,

    Sou exceção entre os gremistas:

    Flamengo x Inter – Inter;
    Campeonato de 2005 – Inter;
    Rebaixamento em 1999 – não quis.

    Em 2002, eu sequei, mas não achava que vocês fossem cair…

  • 8. Álisson  |  24/11/2008 às 10:58

    Mó legal ver os torcedores do SPFW saindo da toca e se deliciando com a luz solar.

    Depois de 30 rodadas se escabelando no armário, finalmente eles podem ter a liberdade e mostrar todo o seu ORGULHO de torcer para o time mais FÓFIS do braziu.

    Sim, mesmo com o gremio sem o título, estou amargo.

  • 9. Guilherme  |  24/11/2008 às 11:02

    Mas eu acho que o sentimento contra o São Paulo é mais um ranço do ódio mesmo. É irritante que eles ganhem tudo, mas não é a mesma coisa das relações de amor e ódio latentes que acontecem com Corinthians, Flamengo e Grêmio.

    Eu lembro, antes dessa nova fase vencedora, que o São Paulo era o melhor time para se patrocinar porque era o clube com menos rejeição do Brasil.

  • 10. Guilherme  |  24/11/2008 às 11:03

    *é mais um ranço do QUE ódio mesmo.

  • 11. Renato K.  |  24/11/2008 às 11:19

    O texto é excelente, e concordo com boa parte – mesmo quando diz que “Enfim o São Paulo não é simpático”, já que NENHUM time que exerça uma certa supremacia em determinado momento é simpático, e esse é o caso do SP atualmente.
    Discordo da tese de que TODAS as conquistas foram contra times medíocres: em 77 o Atlético-MG tinha um TIMAÇO e foi vice-campeão INVICTO – medíocre era o time do SP, que só levou por causa do Minelli. Em 86, o Guarani tinha um grande time também – esqueçam do Guarani de hoje, que suou sangue pra subir pra SEGUNDA divisão. Eles tinha Evair, Marco Antonio Boiadeiro, João Paulo … Era um belo time.
    Em 91 era o Bragantino – aí sim, era uma droga de time, mas o SP já estava começando a definir aquela máquina que foi bi mundial em 92/93, portanto acredito que mesmo que o adversário fosse um time melhor, o SP levaria do mesmo jeito (pena que o “se” nunca joga, logo minha teoria jamais será comprovada).
    Finalmente, nos dois últimos anos – mais notadamente em 2006 -, foi a regularidade do time que fez a diferença, já que continuo achando que está tudo meio nivelado por baixo; eu pessoalmente não consigo me encantar com as escalações do time tricampeão, desde muito tempo.
    O SP ganha pelo que é FORA do campo, mais do que pelo que faz dentro da cancha.
    Ah – Álisson, felizmente seu comentário não se aplica a mim … 🙂

  • 12. Renato K.  |  24/11/2008 às 11:19

    Em tempo: o Guilherme aí no #9 matou a pau.

  • 13. Diogo  |  24/11/2008 às 11:55

    “Pior foi perder o título depois de passar o campeonato inteiro com medo do São Paulo.”

    Diagnóstico errado.

    O Grêmio perderá (conjugação correta) o título depois de passar o campeonato inteiro com medo dele próprio.

    O SPFW desse ano não metia medo em ninguém, até bem poucas rodadas.

  • 14. Guilherme  |  24/11/2008 às 12:06

    Valeu Renato!

    Mas entendi que o texto do Alexandre quis dizer isso mesmo. Falei pra argumentar cotra o Paulo ali que falou que amava ser odiado. O São Paulo é o time mais sem sal que tem. O que a gente odeia é essa situação de perder sempre pro mesmo time.

  • 15. Gabriel R  |  24/11/2008 às 12:14

    A questão do SPFC é que o Muricy já tem todos os password pra ser campeão.
    Desde 2005 ele só fica em primeiro ou segundo np brasileirao, pegou a manha dos pontos corridos.

  • 16. Diogo  |  24/11/2008 às 12:26

    “O que a gente odeia é essa situação de perder sempre pro mesmo time.”

    Na verdade o que a gente odeia é a sensação de ser um Senna, guiando um Force India, tendo que competir com um Rubinho na Ferrari.

    Sem chances.

    Até porque, quando os carros se equivalem (mata-mata de Libertadores, p.ex.), o “braço ” sempre prevalece : Fluminense, inter e Grêmio estão aí para provar.

  • 17. Luís Felipe  |  24/11/2008 às 12:39

    muito bom esse texto, muito bom de ler.

    e eu simpatizo sim, com Flamengo e Corinthians. Desde pequeno. Torci para o Flamengo quando tinha sete e me emocionei com o Júnior correndo o campo inteiro para comemorar um gol.

  • 18. Álisson  |  24/11/2008 às 12:48

    Renato K

    Meu post quinta série foi em resposta ao Paulo #5.
    Tu sempre esteve por aqui.

    Mas a minha irônia nada fina, não se aplica APENAS a esse nobre espaço. Se aplica ao estádio e às médias de público do primeiro turno.

    No final do primeiro turno o Inter estava nessa mesma merda que está agora no brazucão e tinha a terceira média de público a frente do bi-campeão SP, que ainda postulava a título e vaga na Liber.

  • 19. Everton  |  24/11/2008 às 12:48

    Nada a ver essa história de falar de medo de alguém. O Grêmio perdeu o título porque é RUIM. Roth é mau técnico, o Grêmio não tem alas, só um zagueiro bom em todo o grupo (Rever), meia-cancha formada por meninos e um capitão histérico e perdedor e, bem, o melhor ficou para o final: André Luis e Marcel no ataque. Isso se chama medo, companheiro?

  • 20. Álisson  |  24/11/2008 às 12:53

    LF, nunca gostei de Fla e Cor. Quando piá, poderia simpatizar com QUALQUER** time, menos com esses.

    Acho que tu é uma excessão entre colorados.

    **Menos com o Bragantino. Esse eu odeio desde os 10 anos.

  • 21. Arbo  |  24/11/2008 às 13:00

    reproduzo aqui o Everton, tenham em mente isto:
    “Nada a ver essa história de falar de medo de alguém. O Grêmio perdeu o título porque é RUIM. Roth é mau técnico, o Grêmio não tem alas, só um zagueiro bom em todo o grupo (Rever), meia-cancha formada por meninos e um capitão histérico e perdedor e, bem, o melhor ficou para o final: André Luis e Marcel no ataque. Isso se chama medo, companheiro?”

  • 22. Arbo  |  24/11/2008 às 13:03

    o título do post é sensacional, o post é é bom. o grêmio é ruim.

    mas

    torceremos

  • 23. Luís Felipe  |  24/11/2008 às 13:04

    eu nunca tive essa rejeição por times do “eixo”. Só não gosto mesmo do Fluminense, mas até torci para que eles voltassem quando foram para a Série C com o Parreira.

    aqueles times do São Paulo, por exemplo, eu admirava muito. Tanto que comprei uma Placar com as melhores reportagens da história do SPFC, só para lembrar daquela época. Até hoje acho que nunca vi um time brasileiro tão bom quanto aquele que ganhou do Milan.

  • 24. Arbo  |  24/11/2008 às 13:07

    eu tbm simpatizava pelo sp, mas já era. corinthians e palmeiras quase sempre foram secados, assim como o vasco. flamengo um pouco menos.

  • 25. Francisco Luz  |  24/11/2008 às 13:09

    Eu só gosto do Inter. Estou literalmente cagando para todo mundo, com exceção do Novo Hamburgo e do Esportivo, time que meu avô sempre simpatizou.

    No mais, baita texto, mesmo.

  • 26. Everton  |  24/11/2008 às 13:12

    Mais uma coisa, a todas as coloridas que alimentaram recalque durante 20 anos e agora estão desfilando a sunga solta por aí: ano que vem nosso presente do centenário terá cinco palavras,

    LI
    BER
    TA
    DO
    RES

    O que soltou hoje apertará mais em 2009. Pelo menos vocês poderão continuar demonstrando a tremedeira nos blogs de futebol por aí.

  • 27. Rudi  |  24/11/2008 às 13:13

    aqui no brasil é só o inter mesmo, não consigo ter mais de um time por pais… na argentina sou Tigre, no chile gosto da Manoela Figueroa (existe, acreditem) e no uruguai, é lógico, do EL TANQUE SISLEY…

  • 28. dante  |  24/11/2008 às 13:17

    everton, estou louco pra ver o grêmio na libertadores 2009.

    espero que seja como a de 2007, incluindo aí a tremedeira na final e o número 5 que tu mencionou no teu comentário.

    boa sorte!

  • 29. Luís Felipe  |  24/11/2008 às 13:33

    Everton,

    O interessante é que tu continua alimentando o teu recalque.

    Siga participando.

  • 30. Everton  |  24/11/2008 às 13:34

    O Inter com os times que o Grêmio montou em 2007 e 2008 jamais chegaria perto dos resultados que o Grêmio obteve. É uma questão de identidade de clube.

    Boa sorte pra ti também com o time mais caro da história do teu clube. Quem sabe dá ano que vem pra mais uma Sulamericana e mais um Gauchão!

    Mas meu palpite é que vocês deveriam aproveitar a grana pra criar uma torcida de verdade, porque uma Geral do Inter é ridículo.

  • 31. Francisco Luz  |  24/11/2008 às 13:35

    Everton,

    Cobrarei. Mas se for BOTAFOGO DO SUL outra vez, se prepara.

  • 32. Everton  |  24/11/2008 às 13:37

    Tenho 38 anos e a única coisa que me irrita hoje em termos de futebol é o fato de os colorados estarem usando com frequência a palavra recalque em comentários sobretudo na internet. Já ganhei tudo e já vi meus rivais ganharem tudo, mas de dois anos para cá os caras inventaram uma modalidade inédita: secam até morrer times bem mais fracos que os deles e dizem que os recalcados são os outros… Dicionário já!

  • 33. Francisco Luz  |  24/11/2008 às 13:39

    Everton, já que escrevi meu comentário antes de ler tua segunda pérola, gostaria de saber porque rola uma música estranha no ar. É assim:

    Pipoca na panela
    Começa a arrebentar
    Pipoca com sal
    Que sede que dá
    Pipoca e guaraná que programa legal
    Só eu e você
    Sem piruá
    Eu quero ver pipoca pular
    Pipoca com guaraná
    Eu quero ver pipoca pular
    Pipoca com guaraná
    Eu quero ver pipoca pular, pular
    Sou louca por pipoca e guaraná, haaa guaraná!

    Aos gremistas DE BEM (c), favor ignorar. Só que, como colorida exclusiva, sou obrigado a tripudiar sobre quem não sabe perder.

  • 34. LAK  |  24/11/2008 às 13:42

    IGNOREI!

  • 35. Rudi  |  24/11/2008 às 13:47

    aos colegas gremstas (falo pra alguns, desculpe generalizar)
    aprendam a conviver com derrotas, podem nos ouvir, infelizmente tivemos 20 anos nos especializando nisso..
    mas vcs não vão ser os copeiroypeleador sempre… vão perder, fraquejar, ter medo e tudo mais… como está acontecendo agora
    vcs tem limitações
    estão ainda melhor do que a gente na tabela, mas uma história se faz com títulos, e esse ano vcs passam em branco…
    perder dói, mas ajuda a crescer… olhem pra gente
    respeitosamente

  • 36. dante  |  24/11/2008 às 13:51

    até agora não tinha me manifestado nos dois posts pós-fim de semana justamente por respeito à grande campanha do grêmio, mesmo agora tendo perdido chances mais SUBSTANCIAIS do título, e pelos comentaristas torcedores do grêmio que conservam alguma noção por aqui, apesar dos freqüentes e ACALORADOS debates. aliás, assisti o jogo ontem com uma imensa maioria gremista e fiquei quieto na flauta, pois senti o peso no ar.

    mas já que tudo mudou, depois da corneta reversa do everton, fica aqui o meu palpite [estritamente pra ele]:

    te preocupa menos com o inter e mais com o teu time, rapaz. da mesma forma que o grêmio não perdeu todas as chances de título, ainda não perdeu todas as chances de perder a vaga na liber.

    fora isso, pronto, pronto, 2006 acabou, pode ficar sossegado. já estamos quase em 2009. d boa rlx.

  • 37. Luís Felipe  |  24/11/2008 às 13:54

    Eu quero ver pipoca pular

    aksjdhaksjdhaksjdhkajshaksjdhaksjdhaksdjhaksjdhakjsdhkajsd

    BREAKIN’ NEWS:

    Fifa aceitou o pedido de adiamento da solução no Peru. Será postergada a decisão para o dia 17 de dezembro. Até lá, é muito pouco provável que o problema não se solucione.

  • 38. Rudi  |  24/11/2008 às 13:57

    e como a definição pra liber dos grupos sai amanha (se não me engano) peruanos jogam

  • 39. Gralha  |  24/11/2008 às 14:02

    Chico LIGHT, tua comparação com o Botafogo – até se for flauta – é ridícula.

    Rudi, o Inter passou 20 anos com derrotas e – salvo entre 87 e 89 – sequer chegava perto de conquistar alguma coisa.

  • 40. Francisco Luz  |  24/11/2008 às 14:08

    Claro que é flauta, Gralha. E é ridícula, mas é válida, pensando naquele jogo dos cariocas contra o River no ano passado. É esse o CONTEXTO da piada.

    E faltou lembrar 92 como ressalva entre os terríveis 20 anos iniciais da minha vida.

  • 41. Gralha  |  24/11/2008 às 14:09

    óbvio, fora a Copa BR 92, mas aí veio a Liber 93, aquele fiasco e enfim……

  • 42. gilson  |  24/11/2008 às 14:11

    #23, mas com tanta coisa importante pra se preocupar no MUNDO, vc vem com essa de Fluiminense? Pra que queimar pestana com um trem desses sô?

  • 43. Rudi  |  24/11/2008 às 14:11

    eu sei gralha, foi o que quis dizer… pq então, nós, colorados, aprendemos a perder e olhar a felicidade de SOSLAIO (Cecconelo, 2008)
    infelizmente alguns gremistas ainda não admitem perder… e contratacam numa quinta série com intenções de ser levados a sério, e não apenas uma sadia brincadeira, foi o que quis chamar a atenção

  • 44. Prestes  |  24/11/2008 às 14:12

    “Nas pornochanchadas, o São Paulo seria aquele personagem geralmente chamado Dudu. Aparecia de repente na praia sem camisa e de calça branca, dirigindo um Puma conversível. A loura de biquíni que conversava com outros personagens – tipo o Paulo José e o Flávio Migliaccio – dava tchau, entrava no carro de Dudu e iam os dois embora. Paulo José – ou Flávio Migliaccio tanto faz – ficavam sozinhos por um instante refletindo a respeito da situação, então um cutucava o outro e dizia algo do tipo:”

    “Mas o São Paulo joga como um time de videogame. Os passes em 90% das vezes chegam aos pés certos.Os jogadores estão sempre onde deveriam estar. O reflexo da presença da torcida adversária no time – como se fosse aquele rugido eletrônico no Winning Eleven – é nenhum. Não bastasse, quando tem de segurar o jogo Muricy Ramalho olha para o banco de reservas e vê jogadores como o Richarlyson.”

    DOIS BAITA PARÁGRAFOS!

  • 45. Gralha  |  24/11/2008 às 14:13

    tem colorados com flautas quinta série aqui tbm….

  • 46. Luís Felipe  |  24/11/2008 às 14:14

    Gilson,

    Eu nunca me esqueço do David Fischel dizendo “não vamos jogar a terceira divisão, coisa nenhuma. Não é o lugar do Fluminense. A gente vai dar um jeito”. Isso depois de ter sido beneficiado por uma virada de mesa dois anos antes. Aquilo me enoja até hoje.

  • 47. Guilherme  |  24/11/2008 às 14:15

    Bah, a comparação do Grêmio** com o Botafogo é esdrúxula, ainda mais para um torcerdor do Inter que fora 2006*, sempre foi meio Botafogo.

    *2006 foi um dos piores anos para o futebol porque sempre que se fala algo do Inter tem escrever sobre essa esdrúxula exceção.

    **E o Grêmio monta um time inteiro a cada ano e chegou em terceiro em 2006, final da Libertadores 2007 e segundo em 2008. Nao era nem pra chegar a tanto. Era só manter uns 3 ou 4 bons jogadores de um ano pra outro que acabava essa história de quase.

  • 48. Luís Felipe  |  24/11/2008 às 14:15

    Gralha,

    patrulha na flauta dos outros é colírio.

    (ns)

  • 49. Prestes  |  24/11/2008 às 14:16

    “como se não bastasse, ser o clube brasileiro que negocia seus jogadores pelo que eles valem”

    A venda do Kaká foi uma das piores da história.

    “Nos últimos dois anos o São Paulo deu a impressão de ter disputado o Brasileiro só por uma questão de protocolo mesmo.”

    Mentira. Em 2006, o que aconteceu foi que o Inter e o SP dispararam mesmo usando reservas, aí aconteceu o seguinte: quem ganhasse a Liber priorizaria o Mundial. Foi o que aconteceu (na minha opinião um erro da diretoria colorada).

  • 50. Prestes  |  24/11/2008 às 14:17

    Guilherme, tu não entende nada de futebol.

  • 51. Rudi  |  24/11/2008 às 14:17

    Gralha, tem sim
    não sou contra a flauta, mas sou contra a flauta com ódio… aquela flauta que não é escancaradamente uma gozação…
    Todo mundo pode flautear, mas com espírito para ser flauteado também… e bom humor…
    quase todo mundo aqui respeita isso, e é ótimo
    fiz um parágrafo pros que não respeitam… e existem no lado vermelho também…
    e meu parágrafo (aprendam a perder) também tem um pouco de flauta

  • 52. Gralha  |  24/11/2008 às 14:18

    LF

    pra toda flauta existe uma contra-flauta

  • 53. Guilherme  |  24/11/2008 às 14:22

    Prestes, não te entendi. Não é verdade que o Grêmio faz um time inteiro por ano?

    Quem fica de um ano pro outro são Patrícios e Pereiras. Os bons se vão.

  • 54. dante  |  24/11/2008 às 14:24

    o mais incrível é o everton ter 38 anos e afirmar que “a única coisa que me irrita hoje em termos de futebol é o fato de os colorados estarem usando com frequência a palavra recalque em comentários sobretudo na internet”.

    SOBRETUDO

    NA

    INTERNET.

    jesus, FALTOU MOTIVO, hein?

  • 55. dante  |  24/11/2008 às 14:26

    e essa aí do “2006 foi um dos piores anos para o futebol” foi a melhor piada que eu já ouvi.

    agora conta aquela do papagaio manco, guilherme.

  • 56. Rudi  |  24/11/2008 às 14:27

    mudando de assunto

    Procuro olheiro para time da terceira divisão da suécia, pago 2200 por mês

  • 57. Prestes  |  24/11/2008 às 14:27

    Esse teu papo de 2006 é bizarro. Mostra por que caiu o queixo de alguns quando metemos o Barcelona.

    Time é grande é time grande. O Inter foi o maior club brasileiro dos anos setenta. Ganhou três brasileiros, oito gaúchos, e chegou entre os cinco primeiros em sete ou oito brasileiros naquela década. O Grêmio não tinha conquistado nada. O próprio SP só tinha um brasileiro. O Flamengo não tinha nada. O Corinthians então nem se fala.

    Aí o Inter passou maus bocados após 92. Nos oitenta sempre chegou, teve conquistas importantes e bons times. Ficou uma década mal como todos os clubes. Esse papinho de só 2006 é um desconhecimento de futebol absoluto.

  • 58. Gralha  |  24/11/2008 às 14:29

    dante

    pra mim foi

    klfjaksaçdkasçdkas

  • 59. Diogo  |  24/11/2008 às 14:36

    É.

    Eu sempre digo a alguns amigos colorados que, antes de tudo, eles devem aprender a GANHAR – o que é mais difícil do que aprender a perder.

    Mas não adianta, sempre rola um papinho de o meu pai é mais forte que o teu, a minha mãe é mais bonita que a tua, você não tem um canário belga chamado FIFA e biririri, barárá…

  • 60. Guilherme  |  24/11/2008 às 14:38

    Ah, achei que tu falava do outro ponto.

    Olha, desde que eu sou vivo (e tenho 26) o Inter tem sido como o Grêmio hoje. Bons times, “agora vai”, “esse é o nosso ano” e se acabava com uma derrota contra o Bragantino, com um penalti perdido no final. É desse tipo de coisa que eu associo muito mais o Inter do que o Grêmio com o Botafogo, que por sinal teve um time muito bom nos anos 50 e 60.

  • 61. Rudi  |  24/11/2008 às 14:42

    Diogo, ainda não sabemos ganhar não… mas estamos aprendendo… e acho que aprendendo direitinho, quem sabe daqui a pouco não seja algo comum? ushuaia

  • 62. Prestes  |  24/11/2008 às 14:44

    Entre o Inter ser mais Botafogo que o Grêmio, ou não, comparação que não faz nenhum sentido, a não ser por mera flauta, e dizer que 2006 foi “uma esdrúxula exceção” tem muito chão.

  • 63. Gralha  |  24/11/2008 às 14:47

    Botafogo não tem igual.

    Tenho ditohoch

  • 64. Guilherme  |  24/11/2008 às 14:48

    Mas comparar o Grêmio com o Botafogo, a não ser por pura flauta, não faz nenhum sentido.

    O fato de o time do Grêmio ter um time pior que o pelo menos uns 8 times no campeonato e estar em segundo é a maior prova disso.

  • 65. alexprimo  |  24/11/2008 às 14:48

    Meu nome é Alex Primo e sou professor do programa de pós-graduação em Comunicação e Informação da UFRGS. Estou realizando uma pesquisa sobre blogs de Porto Alegre. Gostaria muito de poder contar com sua presença em uma entrevista em grupo que realizarei na Faculdade de Comunicação da UFRGS na próxima quinta-feira, 4 de dezembro, às 19h. Posso contar com sua participação? Por favor responda para limc arroba ufrgs.br

    Abraços,

    Alex Primo
    Professor PPGCOM/UFRGS
    – Blog: http://alexprimo.com
    – Livro: http://www.ufrgs.br/limc/livroimc/
    – Laboratório de Interação Mediada por Computador: http://www.ufrgs.br/limc

  • 66. Battaglin  |  24/11/2008 às 14:52

    “Ficou uma década mal como todos os clubes. Esse papinho de só 2006 é um desconhecimento de futebol absoluto.”

    Verdade.

    É uma questão de Piso e Teto.
    O Teto do Internacional é o Mundial, igual aos maiores clubes do mundo. Como dizem alguns: “nada pode ser maior”.

    Entretanto, o Piso vermelho é 1999/2002.
    O Piso azul é 1992/2005.

    Há uma CLARA diferença.
    É tanta a diferença que poderíamos utilizar duas letras diferentes para esses pisos: A e B.

    Quando o Internacional luta para não cair (e NÃO cai), o colorado diz: “nada pode ser menor, que vergonha…”

    Aí aparece um gremista e diz:
    “TU JÁ FOI GOLEADO PELA ANAPOLINA?”

    Bons e maus momentos ambos passaram.
    Mas há um Piso e um Teto.
    Compartilhamos um Teto, mas não um Piso.
    Mais ou menos assim.

  • 67. Gustavo  |  24/11/2008 às 14:56

    Não sabia que o Inter tinha DUAS Libertadores…

  • 68. Gralha  |  24/11/2008 às 14:56

    OK Battaglin

    Inter > Grêmio

    NO SEGUNDA

    blá blá blá

    Bom Gauchão pra ti ano que vem.

  • 69. Guilherme  |  24/11/2008 às 14:58

    O Battaglin avacalhou.

    Larguei tudo.

  • 70. Álisson  |  24/11/2008 às 15:04

    64. Guilherme | 24/11/2008 at 14:48
    Mas comparar o Grêmio com o Botafogo, a não ser por pura flauta, não faz nenhum sentido.

    O fato de o time do Grêmio ter um time pior que o pelo menos uns 8 times no campeonato e estar em segundo é a maior prova disso.

    Guilherme, a expressão CAVALO PARAGUAIO é melhor? Posso usá-la sem problema.

    Flautinha de boua, de alívio!

  • 71. Prestes  |  24/11/2008 às 15:05

    uhauhurhuhfalhfludhfuldhfld

  • 72. Francisco Luz  |  24/11/2008 às 15:07

    Pô, eu já admiti que foi flauta. Vou começar a ser METÓDICO em tudo que escrevo.

    Mentira.

  • 73. Gralha  |  24/11/2008 às 15:08

    Álisson

    o pior de tudo é que, mesmo com 11 pontos na frente a gente “meio que” sabia que isso aconteceria

    quem tem Roth tem medo. desde sempre.

  • 74. Junior  |  24/11/2008 às 15:12

    A Folha publicou uma reportagem algumas semanas atrás, demonstrando que a campanha do SP no Brasileiro desse ano é obra do Muricy, não da diretoria. Das contratações, apenas o Rodrigo é titular absoluto. Na lateral-direita, ele precisou improvisar o Zé Luís. Para arrumar o meio-campo, foi buscar o Jean, que estava afastado do grupo principal. No ataque, recuperou o Dagoberto.

  • 75. gilson  |  24/11/2008 às 15:16

    LF, excelentes motivos, não te censuro….. rsrsrsrs

  • 76. Alexsander  |  24/11/2008 às 15:16

    Eu simpatizo com o SP porque acho que a organização e a competência devem sempre ser premiadas. Há outros times bem organizados — como o Cruzeiro, por exemplo — que também deixariam o título em boas mãos se vencessem.

  • 77. Prestes  |  24/11/2008 às 15:18

    Duas coisas me impressionam nesse São Paulo/Muricy:

    – Como sempre que o time tá mal tem um guri pra posição. Ano passado o SP saiu da Liber pq jogava sem nenhum volante, era JW e Richarlysson por ali. No segundo semestre entra o HERNANES, que simplesmente joga pra caralho, e ainda de quebra entrou o BRENO. Esse ano entrou esse Jean de volante que não é um Hernanes mas é um ótimo volante.

    – Outra que me impressiono com o Muricy é que sempre bota um meio-campista na lateral e ajeita a bagaça. No Inter, com JW e Granja. Depois no SP, Richarlysson, e esse ano, o Zé Luis na direita.

  • 78. douglasceconello  |  24/11/2008 às 15:19

    Cara, eu não queria ser torcedor do Botafogo e estar lendo isto, uma discussão para saber quem é mais parecido com o alvinegro carioca. A que ponto chegamos. uhsahashusa

  • 79. Calazans  |  24/11/2008 às 15:20

    Heleno de Freitas > Dupla Grenal

  • 80. douglasceconello  |  24/11/2008 às 15:34

    Irmãos Pontes > TAÇA GUANABARA + PENTA DO FLAMENGO

    A
    D
    E
    O
    S

  • 81. Diogo  |  24/11/2008 às 15:35

    Sinceramente, até tentei entender o Battaglin, mas essas datas que ele mencionou não fizeram o menor sentido para mim.

    Teto para mim é chegar ao fundo do poço (abaixo do piso, portanto), ser humilhado, e ainda ser respeitado.

    É ter um elenco da Portuguesa, e fazer campanha de G4. É ter Patrício e Tuta no time e chegar à final da Libertadores.

    Isso ultrapassa as mortais questões semânticas de altitude e longitude.

    Sublimes, é o que somos.

    Haushauhsauh.

  • 82. Junior  |  24/11/2008 às 15:36

    # 78, já defendi aqui a idéia do Botafogo ser patrocinado pelo Museu de Artes do RJ (MARJ?, Ingrid e Lila, qual é o nome certo?), abandonar as competições oficiais e fazer excursões pela Europa, usando o “marketing” de ser o clube de Didi, N. Santos e Garrincha. Ao menos, preservaria sua bela história e pararia de reclamar da arbitragem e de protagonizar derrotas vergonhosas, hghghg.

  • 83. Prestes  |  24/11/2008 às 15:36

    http://ego.globo.com/Gente/Noticias/0,,MUL873974-9798,00-LUANA+PIOVANI+COMEMORA+O+TITULO+IMINENTE+DO+SAO+PAULO+EM+SEU+BLOG.html

    Por isso é que eu gosto desse time!

  • 84. dante  |  24/11/2008 às 15:38

    PASSADO O SUSTO [zpdlkfds], venho levantar um assunto que me incomoda desde antes da ONDA reservas x titulares [não, não é desculpa nenhuma pela situação de o inter ter empatado com os reservas do grêmio, até porque ganharam dos titulares]. esqueçam o CLUBISMO por 5 minutos. vai, vocês conseguem! lksfjsdfkl:

    se todos os times “compõem grupo” pra disputar o brasileiro, que é uma competição por pontos corridos e que, necessariamente, faz os times dependerem dos reservas, por que continuamos [perceba o SUJEITO] insistindo nessa do “ah, mas nós [VÓS, eles, whatever] jogamos com os reservas”. porra, o SOUZA, ou o TAISON, só pra usar exemplos daqui, são RESERVAS? acho que, mesmo mantendo um DISTANCIAMENTO do time titular que deve ser o ideal [e também daqueles que não enxergam nenhum jogador de qualidade neste brasileirão], fica difícil classificar como “secundários” jogadores do naipe desses reservas.

    na minha opinião, a diferença é pequena.

  • 85. Prestes  |  24/11/2008 às 15:40

    Aliás, aquele “timaço” do Botafogo deu o azar de jogar na mesma época que o Santos, uashdaushdasudasudasuh

    Só ganhou uma Taça Brasil – mais cariocas e RJ-SP. Depois ganhou outra Taça Brasil, mas já era outro time, sem Garrincha, Didi, etc.

    Com PC Caju, Britto, Jairzinho, baita time tb.

  • 86. Carlos  |  24/11/2008 às 15:50

    Bah, Prestes…Essa Luana Piovani é uma mala….e tá até meio baranga já…pelamordedeus…

    Sensacional esse post…mas tem uns comentários lamentáveis…

  • 87. Diogo  |  24/11/2008 às 15:51

    Dante.

    Um conselho.

    Quando quiseres expressar algo sobre o inter, ainda que, E, mesmo que, deixando de lado questões clubísticas, por favor, não use o(a) TAISON como exemplo.

    Poupe-nos do constrangimentos de termos que agir, involuntariamente até, como portadores de lancheira com Kisuco na entrada da 2A.

    Grato.

  • 88. Prestes  |  24/11/2008 às 15:52

    Eu levaria essa mala comigo.

    Ela é mesmo, eu assistia o Saia Justa às vezes e não dava pra agüentar ela falando. PORÉM meio baranga é o %&*$#@#@

  • 89. Francisco Luz  |  24/11/2008 às 15:53

    Entrevista com o Hierro, da Popular. Tem muita merda, mas tem umas coisas interessantes, também:

    http://www.finalsports.com.br/03/comando/headline.php?n_id=90083&u=0

  • 90. Prestes  |  24/11/2008 às 15:53

    “Poupe-nos do constrangimentos de termos que agir, involuntariamente até, como portadores de lancheira com Kisuco na entrada da 2A.”

    Tem tradução isso??

  • 91. Rudi  |  24/11/2008 às 15:55

    apesar de tudo eu ia…

  • 92. Alexsander  |  24/11/2008 às 15:56

    “Teto para mim é (…) ter um elenco da Portuguesa, e fazer campanha de G4. É ter Patrício e Tuta no time e chegar à final da Libertadores.”

    Falando em Portuguesa, outro dia estava conversando com um amigo sobre aquela fatídica final de 1996. Se o zagueiro César, da Lusa, tivesse tido um TRECO à la Serginho (descanse em paz) na hora do segundo gol gremista, aquela bola que ele cabeceou para entrada da área (gol do Aílton) teria saído em tiro de meta e ele seria postumamente elevado à condição de HERÓI, com direito a estátua no Canindé.

  • 93. Rudi  |  24/11/2008 às 15:57

    ia e ainda dava umas porradas pra ela deixar de ser mala (Dolabella, D. 2008)
    ushuaiapuntaballena

  • 94. Arbo  |  24/11/2008 às 15:57

    Prestes, creio q é agir como 2ª série, aquela coisa… mas eu estou bem contrário a este comentário, acho q o Taison esse joga tri bem, tem um bom futuro, vai comer umas orelhas por aí.

  • 95. Prestes  |  24/11/2008 às 15:59

    Ahhh, entendi agora.

  • 96. dante  |  24/11/2008 às 16:02

    diogo,

    o taison é melhor do que metade dos jogadores do teu time, mais ou menos.

    do TITULAR, diga-se, pra usar uma expressão que eu mesmo levantei ali no meu comentário.

  • 97. Lourenço  |  24/11/2008 às 16:02

    #49
    “A venda do Kaká foi uma das piores da história. ” Discordo. À época, foi uma venda inédita nos padrões brasileiros, acho até que foi a maior até então, num contexto em que poucos clubes estavam habituados com a nova forma de negociar e valorizar jogadores. Aliás, mais de uma vez, apontou-se aquele negócio como um exemplo de boa gestão do SPFC.

  • 98. Álisson  |  24/11/2008 às 16:06

    “vai comer umas orelhas por aí.”

    Bah arbo, tu és um poeta!

  • 99. Prestes  |  24/11/2008 às 16:18

    Bah, esse Hierro é vida loka total. São uns doente esses caras.

  • 100. Diogo  |  24/11/2008 às 16:19

    96. dante

    O que é uma pena, dante.

    Pois eu só vim tomar conhecimento da “existência” dele através do Paulo “Olha Só” Brito.

    E isto não é uma flauta.

  • 101. Junior  |  24/11/2008 às 16:21

    A demência deles é íncrível, de ambos os lados. Por que o adversário tem que ser um inimigo mortal?

  • 102. douglasceconello  |  24/11/2008 às 16:24

    Mas ô Diogo. Digamos que tu esteja certo e o TAISON seja ruim.

    Mas então o Grêmio ter jogador ruim (Patrício, Tuta) é BONITO, enquanto no Inter é vergonha?

    Daí me cai os butiá do bolso.

  • 103. dante  |  24/11/2008 às 16:26

    “eu só vim tomar conhecimento da “existência” dele através do Paulo “Olha Só” Brito”.

    sintomático, diogo.

    sintomático.

  • 104. Junior  |  24/11/2008 às 16:31

    Prestes, concordo contigo que a entrevista foi interessante. Ao menos deu para saber o que um dos líderes da Popular pensa.

  • 105. Diogo  |  24/11/2008 às 16:33

    Eu não estou dizendo que ele é ruim, só estou dizendo que a fama dele, aqui pros lados da Azenha não tem haver com futebol:

    http://br.youtube.com/watch?v=RHxEMoUAXD0

    Mas mudemos de assunto.

  • 106. Prestes  |  24/11/2008 às 16:33

    Quem disse isso foi o Light, mas foi sim interessante. Exatamente pelo q tu disseste Junior.

  • 107. Arbo  |  24/11/2008 às 16:34

    olha, sempre ouço falar mal do simon, mas em geral acho ele um bom árbitro (q já cometeu grandes erros, mas dentro do tolerável). Já o Wright não tem critério nenhum, e diversas vezes deu uma opinião absurda e não revisou mesmo a imagem mostrando nitidamente o contrário do q opinava. o caso aqui não é tão extremo, mas quem é q não consegue ver a simulação de pênalti do tardelli aqui?
    http://globoesporte.globo.com/Esportes/Noticias/Times/Flamengo/0,,MUL873973-9865,00-DE+ACORDO+COM+O+FLA+SIMON+SERA+PUNIDO+PELA+COMISSAO+DE+ARBITRAGEM.html

    acho importante dizer isso pq, dado o contexto da coisa toda, isso pode ter conseqüências desproporcionais

  • 108. Arbo  |  24/11/2008 às 16:34

    notar q meu commment é off total

  • 109. Arbo  |  24/11/2008 às 16:36

    aquele lance do taison no avião apareceu até no CQC

  • 110. Prestes  |  24/11/2008 às 16:37

    Criticar arbitragem é prejudicial ao próprio time. Tira o foco do treinamento, parece que as derrotas foram causadas pela arbitragem. Time que toma três gols tem que treinar pra não tomar. Só.

  • 111. Francisco Luz  |  24/11/2008 às 16:40

    Simon é péssimo. Porra, em 2006 ele deu um IMPEDIMENTO em lateral contra o River em pleno Nuñez pela Libertadores. Depois dessa, tinha que ser obrigado a se alimentar com os próprios joelhos e nunca mais passar perto de um campo.

    Detalhe: ele tentou se justificar dizendo que estava certo.

  • 112. Diogo  |  24/11/2008 às 16:43

    E-mail para a Fifa?

    CHORÔRÔ digital.

    A que ponto…

  • 113. Arbo  |  24/11/2008 às 16:46

    Sim, Chico, e não marcou aquela atrasada pro Clemer, q pegou com as mãos. Ainda assim não acho péssimo. Ou, até bom, dentro da média brasileira.

  • 114. Junior  |  24/11/2008 às 16:48

    Arbo, foi pênalti claríssmo. Repare que o cara do Cruzeiro nem toca na bola.

  • 115. Prestes  |  24/11/2008 às 16:50

    E acabou Inter e Quinze antes do tempo, dizendo que na prorrogação se somava os dois tempos. Surreal. Como foi aquele jogo.

  • 116. Junior  |  24/11/2008 às 16:51

    Outra coisa, o líder da popular esqueceu de dizer que apóia a Chapa 1 porque integrantes da Popular fazem parte da Chapa. Votarei na Chapa 1, mas acho isso extremamente perigoso.

  • 117. Prestes  |  24/11/2008 às 16:55

    Na questão da violência na torcida do Inter é bem certo que a coisa tá “controlada”. Nesse ponto ok. Mas mentiu sobre os tapas, que não são em ladrão como ele diz. Tem gente que não canta e leva tapa.

  • 118. Prestes  |  24/11/2008 às 16:56

    Pq não canta leva tapa.

  • 119. Francisco Luz  |  24/11/2008 às 16:56

    Eu não voto na chapa 1. O Fernando Carvalho me mandou tomar no cu enquanto bebia uma ceva comigo quinta à noite.

    Invejem, ushuaiaguaranydebagé

    Mentira (que não vou votar na 1): ele me convenceu com algumas infos interessantes. A coroa, por exemplo, vai sair.

  • 120. Arbo  |  24/11/2008 às 16:57

    o fato de ele não tocar na bola não significa q foi pênalti. tardelli pisa na bola e se joga. pior q já o vi fazer isso diversas vezes.

  • 121. Junior  |  24/11/2008 às 17:03

    Arbo, para mim, não apenas pênalti. Foi “bi-pênalti”, rsrsss. Ele empurra com os braços o Tardelli e depois joga o corpo em cima do Tardelli.

  • 122. Arbo  |  24/11/2008 às 17:07

    indiscutível, entonces. (ou, totalmente discutível hehhheeehe)

  • 123. Junior  |  24/11/2008 às 17:12

    Arbo, eu defendo a seguinte teoria: juiz está sempre errado. Ainda mais um juiz que usa “cabelo lambido”. A não ser que seja em favor do Inter, rsrsrs.

  • 124. Prestes  |  24/11/2008 às 17:16

    Vcs são a prova de que é discutível.

  • 125. Flávio  |  24/11/2008 às 18:09

    Bah, pior que nem dá para usar a desculpa do poderio econômico para justificar o provável tri do São Paulo – Inter e Palmeiras têm folha de pagamento maior.
    O elenco são-paulino é bom para o padrão atual do futebol brasileiro, mas nada excepcional. Não há, por exemplo, nenhum meia ou atacante com a capacidade de decisão dos três jogadores de frente do Inter. Dagoberto e Borges nunca dariam certo aqui.
    Os maiores méritos são do Muricy, o melhor técnico do País. O resto a gente credita ao espírito vencedor que o time adquiriu durante a Era Telê.

  • 126. FLUMINENSE - EM NOME DE UMA VERDADE  |  24/11/2008 às 19:53

    Luis Felipe. Eu sou tricolor de coração, e vi TODOS os jogos do Fluminense pela Segunda Divisão em 1998. Preste a atenção no que vou escrever: o Fluminense não merecia ter caído para a Terceirona. Foi por detalhe (um ou dois pontos), e houve ROUBO da arbitragem em pelo menos 4 partidas do Fluminense. Houve gol mal anulado, pênalti dado ao adversário, até gol dado aos oponentes sem que a bola cruzasse a linha!!! O time era uma droga, mesmo, mas não pra cair pra Série C.

    Agora… se foi politicamente incorreta a frase do Fischel, ou a própria virada de mesa de 1997, lembre-se da virada de mesa do Grêmio, das circunstâncias que rondaram o título do Inter na Copa do Brasil de 92, o não-rebaixamento colorado em 2002, lembre-se do Corinthians de 2005, lembre-se do Flamengo de 81 (roubaram afu o Galo na Libertadores) ou o de 82 (roubaram o bi-brasileiro do Grêmio, saiba), enfim… se eu for por aí, vou a noite inteira escrevendo. Erros ocorrem. Nem todos são “sem querer”, culpa de seres humanos que são falíveis. Muitos erros são propositais, são ROUBO.

    O FLUMINENSE FOI ROUBADO EM 1992, FOI ROUBADO EM 1998, E FOI ROUBADO ESTE ANO, NA LIBERTADORES (Hector Baldassi).

    Aí você diz: ah, mas o Fluminense é do Rio, e ninguém rouba dos times do Rio. Mentira. O Fluminense tem uma torcida equivalente a 1/5 da torcida do Flamengo. Qualidade, não quantidade. Porém, vivemos na era da “massa”. Do Flamengo ninguém rouba! O Simon vai ser suspenso, pois ontem “ousou” brincar com o Eixo do Mal. Taí o Corinthians, que não me deixa mentir, campeão de babação de ovo na mesma Segunda Divisão onde Grêmio, Fluminense, Atlético-MG, Palmeiras e Botafogo ficaram soterrados na discrição malévola da mídia massificada.

    Por isso, quem tem que reunir asco em torno de suas existências são esses clubes com diretorias tão ou mais incompetentes quanto a do meu eternamente amado Fluminense, como o Corinthians e Flamengo, mas que contam com a mão invisível do mercado a defendê-los de tudo o que times “normais” estão sujeitos.

    A propósito, domingo estive no Beira-Rio, e rolava no centro de eventos do clube a apresentação da Imperadores do Samba. Eu e mais dois tricolores fardados entramos no local, e fomos muito bem recebidos por todos os colorados ali presentes. Várias senhoras vieram nos dizer que, no Rio, a torcida do Flu é a mais educada. Os caras do bar nos deram cerveja de graça. As passistas… bom, deixa pra lá. Enfim… mudei um pouco o meu conceito da turma vermelha, até porque, junto ao Flu, já tomei uma ruim numa saída do Olímpico, certa vez (Fui assaltado por um cara que se dizia de uma extinta T.O. gremista, mas me safei e não passou deum susto).

  • 127. Prestes  |  24/11/2008 às 19:58

    Bah, o Flávio tava sumidaço. E voltou com a sabedoria de sempre.

    (Geralmente só discordamos em política, uahahuuah)

  • 128. Rudi  |  24/11/2008 às 20:24

    muda tudo

    http://esporte.uol.com.br/futebol/ultimas/2008/11/24/ult59u178942.jhtm

  • 129. Guilherme 2  |  24/11/2008 às 20:28

    É… São Paulo… aquela coisinha esterilizada, aquela combinção insossa de cores… parabéns ao clube mais competente deste Brasil cada vez mais sertanejo. Brasil paulista, sim. Voltou o Santo André, depois de anos, e sobe o Barueri, e sobe o Corinthians… a Portuguesa talvez caia, mas não demora volta, como voltará também o São Caetano, e depois a Ponte Preta, o Bragantino, o Botafogo de Ribeirão Preto, e mais um milhão de clubes com uniformes alvinegros.

    Isso… festejem a competência. Festejem o Século 21. Festejem o neo-liberalismo! Festejem a vitória da economia mais forte do Brasil! A vitória dos capitalistas! A vitória dos consultores! A vitória fria e cinzenta que sepulta o Brasil ingênuo e inocente nascido num Rio de Janeiro falido e feliz. Choremos os nordestinos. Choram os gaúchos, condenados ao quase, ou às copas.

    Viva São Paulo! Viva a poluição! Viva os times alvinegros e ricos deste país! Urra!!!

    E esqueçam esse tal de América-RJ! Aqui é Brasil, e tradição é lixo!

  • 130. mr ficker  |  24/11/2008 às 20:55

    É isso aí Guilherme, nada poder deter o poderia paulista, vai torcer pra outro esporte que você ganha mais. Mas reze para nós paulistas não comecemos a curtir o esporte també, senão você já sabe…

  • 131. gilson  |  24/11/2008 às 21:54

    #126 não fui eu. Coisa que me irrita na torcida do Fluminense é esse papo de “elite”, “qualidade”. Vai cagá pô.

  • 132. Flávio  |  24/11/2008 às 22:39

    Pois é, Prestes. A hegemonia paulista vem desde o início da década passada. No caso específico do São Paulo, a gestão é mais determinante que a grana. O São Paulo vence com times “apenas” bons, ao contrário de Corinthians e Palmeiras, que conquistaram seus últimos títulos de verdade com parcerias milionárias, e do Santos, que ganhou dois Brasileiros com um timaço.

  • 133. mardruck  |  24/11/2008 às 22:43

    O campeonato brasileiro podia ser Grêmio, Inter e 18 paulistas.

    Assim eu poderia ver jogos do Grêmio o ano todo no estádio 🙂

  • 134. Prestes  |  24/11/2008 às 22:54

    O Santos ganhou UM brasileiro com timaço. Em 2004, o meio-campo tinha Bóvio e Preto Casagrande. O goleiro era o Mauro, na zaga tinha Ávalos. Era meia-boca o time, mas o Ricardinho, o Elano, e o Robinho, no período em que a mãe não tava seqüestrada, faziam a diferença.

    “O São Paulo vence com times “apenas” bons”

    Isso é verdade, jogadores de destaque dos últimos anos, como Souza, Aloísio, Danilo, Fabão, Lugano, Borges não passam de bons jogadores. De grandes jogadores teve Cicinho, Hernanes e Mineiro. E o Ceni que tecnicamente não é tão bom, mas o cara é fueda. Mas não foram timaços mesmo.

  • 135. Felipe catarina  |  24/11/2008 às 23:07

    “Mas teve uma hora, sem o São Paulo por perto, em que de repente não havia mais o Golias, só um bando de Davis a enfrentar. Golias não foi brigar com Davi.”

    Cara, não consigo esquecer aqueles “deadbeats”. Eu sabia que ia dar merda depois daquele texto.

    E discordo totalmente daquele fluminense ali. Desculpa aí, velho, mas o Fluminense tava num grupo com Joinville, Juventus (SP), ABC, CRB e Paysandu. Tu achas que alguém iria roubar contra o Fluminense e em favor desses times deliberadamente? Não dá pra acreditar, né? Mas tu tens razão sobre Fla e Corinthians. Mesmo quando o Palmeiras caiu, não teve esse auê todo que teve com o Corithians. Fazer o que, os caras dão audiência.

  • 136. Battaglin  |  25/11/2008 às 05:19

    “É ter um elenco da Portuguesa, e fazer campanha de G4. É ter Patrício e Tuta no time e chegar à final da Libertadores.”

    Se é assim,

    e ser CAMPEÃO DO MUNDO COM GABIRU, Rubens Cardoso e Edinho, Wellington Monteiro?

    Em 83, havia, no mínimo, 3 gênios: Renato Segundona, PC Caju e Mario “boleta” Sérgio. O time do Internacional de 2006 era muito pior que o do Grêmio em 83, e o adversário era muito melhor que o Hamburgo.

    Seguindo o SEU raciocínio (e não o meu), o título do Internacional foi maior que o do Grêmio. Foi você quem disse.

  • 137. FLUZÃO  |  25/11/2008 às 05:43

    Felipe Catarina. Eu me lembro. Nunca vou esquecer. 70 mil pessoas contra o ABC de Natal, no Maracanã, e de cara uma derrota. O time era medíocre, mesmo. Mas o que fizeram nos jogos contra o Paysandu, o Joinville e o Juventus foi assalto.

    Gilson. A torcida do Fluminense era de elite. Como elite hoje é meio por cento do mundo, é torcida de classe média. Qual é o problema? 90 mil no Maracanã, festa bonita, famílias assistindo ao jogo… qual o problema?

    Acho engraçado que, no Brasil, todo mundo quer ficar rico. Poucos ficam, mas todos querem. Mas na hora de ser torcedor de futebol, quanto mais povão for a torcida, mais o cara se orgulha. Se der quebra-pau, tiroteio ou arrastão no estádio, então, o cara orgulhoso bate no peito e diz “a gente é f…”, mesmo estando num Golf ou num Audi A3.

    Ah, pára…

  • 138. Gustavo  |  25/11/2008 às 07:22

    Esse Battaglin curte comer um BARRÃO.

  • 139. Flávio  |  25/11/2008 às 07:29

    “O Santos ganhou UM brasileiro com timaço. Em 2004, o meio-campo tinha Bóvio e Preto Casagrande. O goleiro era o Mauro, na zaga tinha Ávalos. Era meia-boca o time, mas o Ricardinho, o Elano, e o Robinho, no período em que a mãe não tava seqüestrada, faziam a diferença.”

    Sim, tinha esses pernetas todos, mas, além de Robinho, Elano e Ricardinho, também tinha Deivid e Leo em grande forma. E outros bons jogadores, como o lateral Paulo César e o volante Fabinho. Um time inferior ao de 2002, mas tecnicamente superior ao São Paulo atual.

  • 140. gilson  |  25/11/2008 às 07:56

    FLUZÂO (eu escreveria com “s”): Ninguém quer ser povão, ter posição política ou outra coisa por causa de clube de futebol. Acho que é discriminatório achar que se é elite por conta de se ter um Audi ou coisa parecida. Já vi a torcida do Fluminense massacrando covardemente a do Palmeiras nas Laranjeiras, sem falar no episódio do Ricardo Pinto. Quem disse que não tem família na torcida do Flamengo ou de qualquer outro time? Convivo muma cidade que tem pessoas bacanas e outras que detesto que torcem pra quase tudo que é time, indistintamente. O que temos em comum com os caras que torcem pro mesmo time são as alegrias e tristezas com relação à uma coisa muito objetiva: a performance desse time dentro de campo, e só. Nem disse nada ao LF ali atrás, pois ele está correto, o posicionamento do Fischel naquele episódio é de envergonhar. Mas poderia ter argumentado com ele: tem o Fischel, mas tem o Rivellino, o PC Caju, o Nelson Rodrigues, o Samarone, o primeiro (e outros tantos) Fla-Flu, o gol de Barriga, o Assis o Washington e o Romerito, a eliminação do Boca este ano e por aí vai….. Mas nunca diria: pô meu, tenha estima pelo meu time porque ele tem uma torcida que tem pessoas educadas, que são de elite, que sabem se comportar na hora de usar o vaso sanitário. Acho isso, de novo, descriminatório, além de condenável.

  • 141. Luís Felipe  |  25/11/2008 às 08:07

    fico feliz com a iniciativa do torcedor tricolor em tentar comprar a minha simpatia.

    mas e se eu disser que o problema meu com o Fluminense são as cores mesmo?

    akjhakjsdhkasjdh

  • 142. Luís Felipe  |  25/11/2008 às 08:11

    gilson,

    a maior parte dos grandes craques do Fluminense, eu não vi jogar.

    e o craque que eu vi jogar foi o RENATO PORTALUPPI. Aí é sacanagem, né?

    afora isso, eu me lembro de alguns outros bons jogadores. O Super Ézio “superherói é pra isso mesmo”, p.ex.

  • 143. gilson  |  25/11/2008 às 08:35

    LF: não precisa pôr as manguinhas de fora não, disse que “poderia” ter dito, saijfijhgifjgifjgijdfi.

    Quanto às cores, daí vc pegou pesado (brincadeira), acho as cores do Flusão as mais bonitas de todo o mundo do futebol (sério).

  • 144. Gralha  |  25/11/2008 às 08:48

    O tricolor ali me fez cair uma ficha.

    CLUBES >>>> seus dirigentes

    talvez por isso eu não quero a queda do Vasco HOJE

    =======================================

    Catarina, vi os jogos do Flu na B e na C. Se os erros foram propositais, não me atrevo a dizer, mas recordo que houveram vários contra eles. Igual, aquele time era ruim de doer….

  • 145. Diogo  |  25/11/2008 às 10:49

    136. Battaglin

    Mas você não copiou e colou o principal do comentário meu:

    “Haushauhsauh.”

    Não se leve tão a sério também 🙂

    Mas, realmente, ganhar com os jogadores que você citou, é uma baita conquista.

    Poderia incluir aí até mesmo o Pato, o Yarley e o Fernandoca.

    Barbaridade, que timeco. O de hoje dá de goleada.

    (Só não concordo que o time do Hamburgo era pior que o Barcelona.)

  • 146. Felipe catarina  |  25/11/2008 às 10:55

    olha, depois da virada de mesa, seria muito esquisito que do nada começassem a prejudicar o Fluminense, não acham? Ainda mais pra ajudar CRB, Joinville, Juventus da Mooca… Com qual objetivo? Valorizar a Série C? Se houve erros, acho bem possível, pois a arbitragem de Série B até hoje é sofrível.

    Mas não tenho nada contra o Flu não (meu avô diz que é Fluminense, mas acho que ele nem sabe qual são as cores do time), pelo contrário, acho um time simpático e até torci bastante na final da Libertadores. Só que foi beneficiado com DUAS viradas de mesa… Agora, vendo hoje Corinthians, Palmeiras, Grêmio, Galo, Botafogo, VASCO, etc., caírem e jogarem a Série B, penso que avançamos bastante em relação há 10 anos. Não tinha a mínima graça ser torcedor de time pequeno naquela época, pois sempre faziam de tudo pra favorecer os grandes. Hoje ainda fazem, mas bem menos.

  • 147. FLUZÃO  |  26/11/2008 às 11:55

    Também sou contra viradas de mesa. Mas, sei lá… não vou largar o Flu por um negócio que aconteceu há dez anos, sendo que muito mais gente tem telhado de vidro.

    Mas sou a favor do ranking anti-rebaixamento, que já salvou o Racing lá na Argentina tantas vezes. Mas, enfim, o Flu caiu porque tinha que cair. De qualquer forma, melhorou muito. Na época do Gil Carneiro de Mendonça (um presidente ruim de dar dó), a sede do clube era uma república de empresários, e o plantel chegou a ter 61 atletas (é sério!). Pode???

    Quanto à educação da torcida, eu não quis ser preconceituoso. Talvez, “pósconceituoso”. Que tem gente muy educada que nos estádios se orgulha dos feitos violentos. Domingo, no Beira-Rio, umas tias vestidas de vermelho vieram falar com a torcida do Flu, nos elogiando pela educação e civilidade da torcida (elas viajam com o Inter ao RJ sempre que tem jogo e já passaram maus momentos contra vascaínos). É só isso.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Subscribe to the comments via RSS Feed


Especial – Libertadores 2011

A bola da ImpedCopa

Toco e me voy

Feeds

web tracker

%d blogueiros gostam disto: