Posts filed under ‘Literatura’

Cinco pesos y una medida

O pai encostou a porta de casa com leveza. Geralmente parecia ter ganas de enterrá-la nas suas próprias travas, batendo com força como que para deixar as preocupações do lado de fora. Eram atribulados aqueles dias em que a abuela, sua mãe, estava num leito de hospital e os doutores apenas olhavam as planilhas com desânimo. Desta vez, estava mais quieto. Pisou no tapete bordô da sala, recostou a pasta de trabalho na poltrona e sentou. Eu nunca me atrevia a perguntar como estava a vó. Tinha medo de tocar em algo doído e esperava que ele desse as atualizações do dia. Mas agora apenas me provocou carinhosamente pela magreza, do modo que sempre fazia, e pediu: “flaquito, prende la radio que el partido del Rojo ya va a comenzar”. (mais…)

17/03/2011 at 15:38 29 comentários

Só isso me basta

Era um short mais curto que a vida.

Um pequeno pedaço de jeans capaz de acabar com toda a descrença. (mais…)

05/03/2011 at 11:00 12 comentários

O renascimento do Cruzeiro

Ser membro da Academia Brasileira de Letras é, naturalmente, uma distinção, mas tem os seus inconvenientes, como descobri na semana passada: tendo ido ao Rio para a reunião da ABL, perdi um acontecimento histórico: ao derrotar o Brasil de Farroupilha, o Esporte Clube Cruzeiro de Porto Alegre garantiu seu retorno à primeira divisão do futebol gaúcho, após 32 anos de ausência. (mais…)

28/02/2011 at 07:00 3 comentários

Tributo al gran fumador

Em meio à discussão do casal para decidir entre o bife de chorizo e o filé de peixe à romana, o garçom, um pouco gordacho e de feições indígenas, bonachão e alegre, interrompe: “No es ‘PIGÍ, nada de ‘PIGÍ’. El correcto es ‘vamos a pedir’ “, acentuando o “e” espaçado e interminável e aquele “i” tísico e elegante que escapa a nós brasileiros. E emenda a descompostura linguística com um sorriso que é assinado pela sentença: “Demoraram tanto pra escolher que se acabaram os bifes”. (mais…)

20/01/2011 at 12:37 20 comentários

Um bando de gurias jogando

A frase do Marcola ainda ecoava na minha cabeça quando encontrei Bruna e Brenda rumo ao estacionamento. “Nós parecemos um bando de gurias jogando”dissera ele, entre risos e bulícios de vestiário pós-jogo. A graça da sentença, porém, logo evaporou-se e a fria realidade despencou sobre o time feito nuvem petrificada. (mais…)

23/12/2010 at 05:00 20 comentários

O Cu da borboleta pisca

Acho que era uma quarta-feira de manhã. Daquelas que tu fica procurando motivo para não trabalhar. Faltavam uns 15 dias para o Thalles ir para o Haiti e estávamos jogando conversa fora pelo skype, quando apareceu a frase “o cu da borboleta pisca”. Acho que estávamos falando de cinema-pretensamente-cabeça ou de alguma música do Humberto Gessinger. A busca pela vadiagem continuou e aí tivemos a nada-original idéia de escrever um conto por skype. Um parágrafo para cada um, o outro respondia. Deu nisso aí abaixo até a hora do almoço. Sei lá se tem validade estética-psicológica-social, mas ficou meio esquecido nos HDs até a volta do Thalles, quando no meio de alguma bebedeira, resolvemos desenterrar.
(mais…)

22/12/2010 at 05:02 34 comentários

O gremismo em verbetes

O que leva alguém a comprar um livro sobre seu time, digo, além da paixão? Esses livros sempre parecem tão redundantes, cheios de coisas que todo mundo sabe ou opiniões pessoais sem qualquer relevância histórica. O que faz alguém ler, entender e gostar de um livro sobre as glórias do maior rival? Falta de dignidade, transtorno mental, recalque extremo, diria Freud. Pois: estou lendo, entendendo e gostando do Dicionário Gremista, de Paulo Seben, que será lançado às 19h de hoje na Saraiva MegaStore do Shopping Praia de Belas, em Porto Alegre. (mais…)

03/12/2010 at 06:00 51 comentários

Cabelo no sovaco

[Aqui a primeira parte e aqui a segunda parte]

VIII

Três roxas lâmpadas iluminavam o interior do antigo casarão. Não bastasse ser o único estrangeiro sentado naquele inferninho, sua camisa branca ganhava um brilho especial na falsa escuridão daquelas luzes. Sou o Ziggy Stardust concluiu nosso escritor, repórter investigativo e primeiro brasileiro a desbravar o futebol haitiano enquanto imaginava o que o velho Bowie faria perdido num bar nos confins do caribe. (mais…)

26/10/2010 at 06:00 13 comentários

A arte do auto-boicote

V

O que estou fazendo aqui? era o tipo de pergunta que nosso herói não fazia a si mesmo. Com uma leve dor no estômago a acusar a falta de almoço e espremido entre dois passageiros num banco de ônibus pelas estradas de barro e buraco do Haiti, Jorge Otávio não encontrava forças suficientes para digressões dessa natureza. Cantarolando Redemption Song em dueto com o motorista do ônibus e um jovem sentado duas fileiras à frente, alheio a crises existenciais, nosso escritor, repórter investigativo e primeiro brasileiro a desbravar o futebol haitiano chegava a mais uma de suas máximas apócrifas: Bob Marley é meu Che Guevara black. E maconheiro. (mais…)

12/10/2010 at 10:52 12 comentários

Praia, sombra e água fresca

I

Ela dormia com a mão no meu pau. Passeou preguiçosa os dedos por entre os pelos de meu peito e sem maiores receios meteu-se por debaixo do meu calção. Acolheu com carinho meu pau. De início aquilo me intimidou, cheguei a franzir a testa no esforço para deixá-lo ereto, obrigando-me a dar uma resposta viril àquele ato. Não conseguindo, desencanei e aproveitei o calor umedecido que aqueles dedos finos transmitiam. A manhã já se antevia pelas frestas da janela e pensei que aquela seria uma boa forma de começar meu primeiro romance. Ela dormia com a mão no meu pau. Não era das mais belas frases que a literatura mundial inventara, mas serviria para gerar certa curiosidade mórbida no leitor. A putaria é o último alento para a falta de talento. (mais…)

24/09/2010 at 17:29 19 comentários

A dimensão espiritual do futebol

Conta  a lenda que Deus, entediado dos seus afazeres cósmicos e pressionado pelo departamento de marketing – que exigia a criação de algo novo a cada 15 bilhões de anos – saiu para dar uma banda no Jardim do Éden. Buscava inspiração para novos projetos e precisava mesmo se distrair. (mais…)

28/08/2010 at 14:00 11 comentários

Bate na minha bunda e me chama de Hunter Thompson

Foi-se o tempo em que eu tinha paciência para ler as crônicas do Armando Nogueira, do Nelson Rodrigues, do Fernando Calazans e do Renato Maurício Prado sobre futebol, esses engomadinhos que nunca sentaram a bunda num campinho de terra não sabem nada de samba nem de futebol, aposto que eles passam o dia todo tomando conhaque e lendo livros do Dan Brown e do Aurélio Buarque de Holanda, com cara de intelectual, odeio esse tipinho que usa óclinhos e fala frases de efeito, “Deus castiga quem o craque fustiga” é o baralho, nunca viram uma bola de capotão e um zagueiro espadaúdo na frente e ficam falando bobagem, futebol não é bonito, futebol é jogo e jogo é competição, e o que vale é bola na rede. (mais…)

17/07/2010 at 08:00 64 comentários

Subsídio para ludibriar Mandela

Amanhã, todas as avenidas vicinais, principais e paralelas de Porto Alegre levam ao lançamento de A Copa que interessa, de Eduardo Menezes, projeto desenvolvido mentalmente durante um punhado de anos e escrito em cerca de 40 dias, o que sem dúvida é um bom indício. (mais…)

25/05/2010 at 09:55 53 comentários

Palhacinhos da Vila

Não há momento mais adequado para compartilhar com os amigos este relato do que hoje, quando o Grêmio tem ali na frente um mata-mata contra o Santos depois de uma classificação com as calças na mão. Trata-se de um texto do Febre de Bola (Ed. Rocco, 2000), de Nick Hornby, talvez o único sujeito fora do Impedimento capaz de reproduzir com qualidade e competência os sentimentos desse ser maldito que é o torcedor de futebol. Nessas nem tão breves, mas brilhantes linhas está o porquê de eu (embora também um pouco aterrorizado com a possibilidade de um vexame, confesso) desejar esse confronto tão somente para ver uns gambitos habilidosos sucumbindo às caneladas, embora eu saiba perfeitamente o quanto isso faz de mim uma pessoa mesquinha e irracional. (mais…)

06/05/2010 at 12:20 200 comentários

Sem muita coisa pra levar

Abril, 19

Europeu é muito depravado. Anda tudo pelado. No vestiário, nos quartos do alojamento e até nos corredores. Que merda! Aqueles bagos balançando de um lado pro outro realmente me incomodam. Dá vontade de chutar. Sorte deles é que é difícil acertar. Europeu tem tudo pau pequeno. (mais…)

02/04/2010 at 06:00 37 comentários

Posts antigos


Especial – Libertadores 2011

A bola da ImpedCopa

Toco e me voy

Feeds

web tracker