O peixe e o frango

16/05/2011 at 13:26 56 comentários

Eram 15h49 de ontem quando adentrei a casa dos amigos de time de várzea e vizinhos corinthianos pra assistir a peleja final do Paulistão 2011, aquele campeonato que precisou de quase duzentos jogos pra chegar a uma semifinal com os quatro grandes do Estado. Éramos mais de 10 em frente à TV, todos sabedores de que a parada era mais dura para o lado do alvinegro paulistano – o praiano era, sim, favorito, além de jogar em casa. Mas de ser underdogs a gente entende, então havia fé, como em 1988.

Minha expectativa, dado o cansaço do Santos e a incompetência ofensiva do Corinthians sob Tite, era de mais um 0 a 0 enfadonho seguido de pênaltis enfartantes. Só que a sorte, aquela que acompanha os times campeões, não pensava assim e, logo aos 15 minutos de jogo, quando os dois times ainda nem tinham entendido que estavam jogando uma final de campeonato, Porcelano lançou, a bola desviou e caiu nos pés de Zé Love, que com dois toques deixou Arouca livre pra marcar seu primeiro gol pelo Santos e abrir o placar. Mais uma vez o Corinthians mostrava sua habilidade em tomar gol de jogadores improváveis em decisões.

A partir daquele momento, todos naquela sala sabiam que, a menos que MacGyver tivesse sido relacionado para o banco sem o nosso conhecimento, marcar um gol no Santos de Muricy com Dentinho Samambaia, Liédson Lacraia, Jorge Henrique travestido de meia e Bruno César já-tô-vendido-que-se-foda seria tarefa homérica. O Santos, por sua vez, começava naquele momento a praticar o Muricybol 2.0, a atualização em que se defende com 15 jogadores e se contra-ataca com um Neymar, no lugar dos cruzamentos na área pra algum quilômetro percorrido cabecear da versão 1.0.

A ciência diz que nenhum time dirigido por Tite sabe direito o que é atacar. Se tem uma idéia mais ou menos vaga, “sim, se passarmos da linha central já pode ser considerado um ataque”, mas a atacabilidade dos times de Adenor Leonardo Bacchi é tão eficiente quanto a treinabilidade dos mesmos. Os números do primeiro tempo comprovam: três chutes a gol contra oito do Santos. Pra piorar, nosso banco de reservas era tão lastimável que nem o pensamento mágico do torcedor conseguiria imaginar alguma mudança efetiva. Não havia um centroavante negro, canhoto, da base, ou um caipira baixinho portador de rollinga para dar um carrinho irracional na lógica e fazer prevalecer a dialética da antiga mística do Corinthians copero y peleador.

Os times se realinharam pro segundo tempo da mesma maneira com que terminaram o primeiro. Sim, William entrou no lugar de Dentinho, e foi autor do chute a gol mais perigoso do time em todo o jogo, mas o 4-2-3-1 estático de Tite, sem um meia capaz de criar qualquer coisa e sem saída pelos lados porque Fábio Santos é Fábio Santos e Alessandro estava mais preocupado em marcar Neymar, o Corinthians continuava precisando parir um cavalo pra vencer os 400 jogadores do Santos na meia-cancha e se aproximar da grande área santista. Por sua vez, o Santos, a cada minuto um pouco mais cansado, jogava a bola pra Neymar na esperança de que uma hora o moleque resolvesse ser só mais um menino feliz correndo atrás de sua bola, apagado que estava.

Então Tite, seguindo à risca sua predisposição técnica de trocar 6 por meia dúzia, meteu Morais no lugar de Bruno César. Mais do mesmo, e a cada passe errado do nanico camisa 17 ou a cada ridícula jogada do inexplicável Fábio Santos a sala explodia em xingamentos. O Santos, mostrando que meninos mimados quando dirigidos por um velho rabugento podem fazer as vezes de homens, se utilizava dos tradicionais expedientes sulamericanos de gastar tempo em laterais, tiros de meta e escanteios curtos. E a cada minuto nossa tensão aumentava.

Aí duas coisas aconteceram: primeiro, chuva; depois, Tite colocou Ramirez no lugar de Paulinho. E se mais uma vez a substituição era nula em termos táticos, ao menos em termos espirituais ela significava algo. Ter um peruano em campo é igual à 50% de chance dele fazer um gol antológico e outros 50% de ser expulso com um minuto em campo. Sem contar que as chances dele errar menos passes do que Paulinho eram de uns 359%.

Mas nesse domingo os deuses da bola estavam completamente pragmáticos, surdos ao pensamento mágico, e resolveram dar fim a um campeonato chato da forma mais óbvia: golaço de Neymar num contra-ataque, num chute a la Romário pelo meio das pernas de Chicão, com ajuda da desgraça de Júlio César, que viu a bola molhada ir escapando de suas mãos e ultrapassando devagar a linha fatal numa ótima exemplificação visual do termo “frango” no futebol.

Depois disso, Morais ainda tentou cruzar uma bola, errou como sempre, mas acabou acertando o gol, trazendo a esperança de que talvez tivéssemos aqueles mesmos cinco minutos finais dramáticos de outrora. Só que assim como Ricardinho torceu pro Santos ontem, era pedir demais a qualquer força maligna que Morais acertasse duas coisas no mesmo jogo, então o Corinthians não conseguiu criar mais nada, nem mesmo o tradicional escanteio-aos-48-com-goleiro-na-área, que se houvesse teria sido provavelmente batido por Morais a meia altura no primeiro pau pra zaga afastar tranquilamente.

Fim de jogo e Santos novamente bicampeão, como em 2006/2007. O maior campeão paulista do século. A festa, no entanto, nem foi muita, já que quarta-feira o campeonato é outro e o adversário, dizem, até consegue atacar.

Na sala melancólica, a certeza de que o resultado era o pior possível: nem uma derrota acachapante o suficiente pra tirar Tite do comando, nem uma vitória improvável com gosto de vingança depois de ser eliminado pelo Tolima e aguentar as provocações do resto do Trio de Ferro.

Trio de Ferro que termina o semestre com uma certeza: tá na hora de pegar um bombril e arear esses elencos, porque o peixe tá cada vez mais oxidando na boca do torcedor da capital.

Foto de Léo Pinheiro/Terra

Texto de Kadj Oman, a convite do Impedimento.

Anúncios

Entry filed under: Estaduais.

Pessimismo é o novo budismo – ou O nirvana dos desenganados Corazón Loco

56 Comentários Add your own

  • 1. Felipe  |  16/05/2011 às 13:39

    É, amigos.

    É o Keirrison comemorando um título mesmo.

  • 2. Negrilson  |  16/05/2011 às 13:42

    Viajou, além de chorar o texto inteiro o Santos foi bicampeão paulista em 2006-07. Chupa Gambazada, Santo André foi mais difícil! O choro é livre!

  • 3. Bandeirantes  |  16/05/2011 às 13:43

    Palmeiras caminha para se tornar uam Portuguesa a Italiana.

    – Luxa não se deu bem lá.
    – Muricy o gran copero Tupiniquim, também foi mal no laod verde.
    – Felipão parece um técnico comum, briga com jogadores, se desintende com a “direção”

    Será que o problema está na CASAMATA????

    Curintia

    – Com o “Mala Sanches” conseguiu uma certa notoriedade em seu marketing, começou um projeto estrutural do club, com CT, hotel, Estádio(heheheheh) e liderou um movimento em busca de mais $$$ nos bastidores (TV, club13).
    – mas continua com os velhos problemas de sempre, e talvez o nome SCCPaulista cai-lhe muito bem, pois passaport não é uam coisa muito familiar para os devotos de São Jorge.

    SÂO PAULO
    – o primo rico perdeu-se de tanto olhar para o umbigo. A renda que tirava com jogos e clássicos no Morumbi, se foi com a autodeterminaçã ode curintia e parmera.
    – Uma cupula diretiva conservadora, uma torcida acomodada sem muita força (pro bem e pro mal).
    – Tem uma boa esturtura.
    – Basta achar um técnico que embale e se entenda com Juvenal e cia. e talvez volte a embalar.

  • 4. Geógrafo da Bola  |  16/05/2011 às 13:46

    ANOS 90 (pensei que eles iriam virar a Ponte Preta)

    – Botafogo
    – Santos
    – Inter

    2000 (voltaram das cinzas)

    – Inter
    – Santos

    Estão no caminho do “Botafogosamento”:

    – Palmeiras
    – Grêmio
    – Vasco

  • 5. Mandioca  |  16/05/2011 às 13:50

    Verdade, viajei no lance do bicampeonato.

    Esqueci completamente do título do Santos em 2007.

  • 6. Geógrafo da Bola  |  16/05/2011 às 13:53

    #3

    Até o Mourinho afundaria no Parmera.

  • 7. Ricardo  |  16/05/2011 às 13:55

    Botafogo fazendo escola.

    * INTITUTO BOTAFOGUENSE DE REGATAS E APEQUENAMENTO

  • 8. Cesar Cardoso  |  16/05/2011 às 14:24

    Um time que leva um gol do AROUCA não pode querer mesmo ser campeão de coisa alguma.

    “a atacabilidade dos times de Adenor Leonardo Bacchi é tão eficiente quanto a treinabilidade dos mesmos” = SENSACIONAL

    E o Cléber Machado não usou o termo “frango” no segundo gol do Santos. Por um acaso a RGT proibiu o uso do termo? Ou algum marqueteiro fez uma pesquisa-de-mercado-whatever e descobriu que “aquele que não tem time mas gosta de ver futebol” (pra mim isso não existe) não gosta do termo “frango”?

  • 9. Tiago Marcon  |  16/05/2011 às 14:42

    “Porcelano”
    melhor nickname
    aDHFGKALFGLKASD

  • 10. Gabriel Teixeira  |  16/05/2011 às 14:45

    Pessoal ama o Palmeiras ein? PQP!

    Deixe a gente sofrer aqui com o elenco de Poderoso Chefão que dirige o clube.

  • 11. Álisson  |  16/05/2011 às 15:26

    Na verdade o grande case desse processo de apequenamento é o Atlético Mineiro, que vive essa rotina há décadas. Mas o Botafogo tá seguindo a cartilha com afinco.

  • 12. Alexandre N.  |  16/05/2011 às 15:42

    Pelo visto, hoje parece ser o dia nacional de zoar o Botafogo… rs

  • 13. Fera  |  16/05/2011 às 15:51

    Bom texto, Mandioca.
    Passei o dia lendo blogs sobre futebol e a galera (Corinthianos e antis) é unânime: TITE é um péssimo técnico de futebol!
    É incrível a quantidade de não-corinthianos criticando o Tite.
    Nem os rivais aguentam o “treinabilidade”.

  • 14. Cícero  |  16/05/2011 às 15:58

    não sei o que veem em Tite. É sempre esse futebol lango lango.

  • 15. gabriel brito  |  16/05/2011 às 15:59

    ninguem ta chorando mto, ao contrario do q sugere o pensamento lambari, sempre obcecado em ver mais o nosso choro. lotar a praça q é bom, nao deu, ja q a jovem-lesa ja tava cansada meia hora depois do jogo e nem teve forças pra chegar no tal ponto de comemoraçoes santista. é bom lembrar que os textos aqui nao tem o tal ‘compromisso jornalistico’, ninguem pediu relatos neutros e isentos.
    vai Corinthians! apesar da derrota, q tava previsivel, continuamos com uma supremacia no confronto do tamanho da serra.

  • 16. gabriel brito  |  16/05/2011 às 16:00

    e grande texto Mandico!

  • 17. Claudio RK  |  16/05/2011 às 16:10

    Realmente, o texto está tão bom e engraçado que é de se duvidar que tenha sido escrito por um corintiano…

  • 18. Luís Felipe  |  16/05/2011 às 16:13

    Kadj Oman! Que grande momento do jornalismo impedimentense.

  • 19. Ladislau  |  16/05/2011 às 16:15

    Até 2005 um tio meu gremista me enchia o saco dizendo q o Inter era uma espécie de Portuguesa, q o time tava indo morar na periferia e tal…

    Até 2005, naquele ano o Inter quase ganhou o brasileiro aí ele baixou a bola. Depois da virada contra o Pumas em 2006 ele já viu o q ia acontecer e sumiu do mapa…kkk

  • 20. Ladislau  |  16/05/2011 às 16:19

    Tite põe o Corinthians na briga pelo brasileirao: “é só ver os outros”.

    Bem a cara dele, deve motivar os jogadores com esse papo “ah, tá todo mundo jogando nada mesmo, é só jogarem isso aí”

    O filho do Tite deve passar a conversa no pai pastor quando chega da escola com um zero bem redondo – “a turma toda foi mal pai!”

  • 21. J. Ferreira  |  16/05/2011 às 16:20

    Me recuso a ler um texto em que dizem Corinthians copero y peleador. só lamento. abraços de um campeão paulista.

  • 22. Matias Pinto  |  16/05/2011 às 16:38

    Apesar do corintianismo latente, é muito bom ler um texto do Mandioca!

  • 23. Mandioca  |  16/05/2011 às 17:02

    Valeu galera. Apesar da derrota e do desânimo desse Corinthians, tentei manter algum humor no texto.

    E Matias, corinthianismo latente sempre, claro.

  • 24. Vinicius  |  16/05/2011 às 17:08

    em breve aparecerei na grande midia. O responsável por colocar o mazembe no noticiário.

  • 25. Henrique [GFBPA]  |  16/05/2011 às 17:50

    #4

    Grêmio, Palmeiras e Vasco que empilharam títulos e boas campanhas na década de 90, hoje assistem seus rivais levantarem taças e não ganham nada além de série B…

    Tá na hora de mudar isso ae hein tchê… Maldita gangorra que tá durando quase 10 anos…

  • 26. Gustavo Santista  |  16/05/2011 às 17:55

    Neymar apagado? O moleque chamou a responsa lindamente DE NOVO, comandou o time, distribuiu jogo, deu passes, criou chance, perdeu gol…. E o lançamento do primeiro gol foi do Léo…

    Ademais, identifiquei uma quantidade imensa de chororô… Bem humorado, mas ainda sim chororô… melhor seria um “Santos Campeão Paulista, com todos os méritos, com todas as justiças…”.

    E pqp , Durval MONSTRO, Arouca MONSTRO, Léo MONSTRO, Adriano MONSTRO… o time tem sustentação…

    Foi um lindo título, e só pra tirar uma chinfra, “NO SEU CENTENÁRIO, QUEM FAZ A FESTA SOU EU!”.

    Abraços

  • 27. Mandioca  |  16/05/2011 às 18:00

    #25

    O que você chama de chororô? Eu reclamei de arbitragem, de favorecimento ou qualquer coisa? Não, eu fiz críticas ao time a alguns jogadores, críticas bem senso comum, aliás.

    Neymar jogou menos do que pode e do que já jogou contra nós. Talvez apagado tenha sido exagerado, mas tava longe de ser o que já foi em outras oportunidades.

    Achei que o lançamento do primeiro gol tivesse sido do Elano, erro meu.

    De resto, cuidado com esses “monstro” a torto e a direito, hein? Megalomania nunca dá muito certo.

  • 28. Gustavo Santista  |  16/05/2011 às 18:21

    Opa Mandioca… utilizei o “chororô” de maneira errada… devia ter escrito choro mesmo, no sentido de lamentar incisivamente que o time é ruim e não tem técnico durante vários parágrafos… E vamos e convenhamos, quem está reclamando agora sou eu que queria ler um ODE ao título santista aqui…

    E eu achei que o Neymar jogou demais, fez a dele e a do Ganso…

    De resto, a megalomania é sensacional! Ainda mais quando embrulhada em um final de semana de cachaça e baderna… COISA LINDA!

  • 29. historiador da bola  |  16/05/2011 às 18:56

    nos anos 90 o botafogo foi campeão brasileiro.

    tese infundada.

  • 30. Fernando Cesarotti  |  16/05/2011 às 19:00

    Grande texto, Mandioca. O Corinthians foi tão medíocre ontem que nem deu prazer de secar. Cheguei a tuitar que parecia uma final de campeonato interno da ACM, de tão ENFASTIADO que o time parecia em campo, querendo que aquele negócio acabasse logo.

  • 31. Cícero  |  16/05/2011 às 20:23

    #28

    naquele remendo todo roubado? Até o Criciúma ganharia aquela final.

  • 32. historiador da bola  |  16/05/2011 às 20:43

    discordo do senhor.

  • 33. Sancho  |  16/05/2011 às 21:07

    Re 30, 31

    Houve mão no gol do Santos.

  • 34. Flávio  |  16/05/2011 às 21:20

    R32
    Sancho, os dois gols que valeram foram marcados em situação ilegal. O gol do Camanducaia, que foi anulado, deveria ter sido validado.

  • 35. henrique( pincha )  |  16/05/2011 às 23:11

    pq não teve texto do jogo entre Nacional x Peñarol? e não vai texto do superclassico (Boca x River) ???

  • 36. Sancho  |  16/05/2011 às 23:23

    re 33

    Deve ter sido a pior arbitragem em final de campeonato nacional da história, mas isso não faz ser roubo.

  • 37. Gustavo Santista  |  17/05/2011 às 00:06

    Sancho, foi roubo, está decretado. E eu estou me refestelando vendo Neymar de blazer quadriculado na festa do paulistão….

  • 38. cristo  |  17/05/2011 às 01:42

    Pro elenco que o Corinthians tem hoje, Tite é um técnico adequado.
    Tite é uma merda de técnico.

  • 39. Prestes  |  17/05/2011 às 02:17

    Santos vai todo faceirinho contra os seguidores de SAN RENTERIA… Lapada certa.

  • 40. Gabriel R.  |  17/05/2011 às 03:12

    essa é pro carlos…

    http://www.adilsonwarken.com.br/

  • 41. Carlos  |  17/05/2011 às 08:33

    #39
    SOCORRO.

  • 42. Carlos  |  17/05/2011 às 08:40

    Quem é treinado por TITE, maior enganador mundial de todos os tempos, não merece ganhar nem par ou impar.

  • 43. Alexandre N.  |  17/05/2011 às 08:54

    #30, #31, #32, #33 e #36

    Aham, o Santos foi roubado na final de 95. Mas algum dos santistas aí lembra dos DOIS PÊNALTIS IGNORADOS PELO JUIZ NO JOGO CONTRA O FLUMINENSE NO MARACANÃ?

    Ah, vão se foder. Depois quem fica de chororô são os botafoguenses. Curtam o túlio de vocês e esqueçam a porra do mimimi…

  • 44. Alexandre N.  |  17/05/2011 às 08:56

    #42

    Putz! A dislexia mandou forte agora….

    Curtam o TÍTULO de vocês, santistas e esqueçam a porra do mimimi.

    P.S.: Quer saber? Túlio ficou melhor mesmo. rs…

  • 45. Guto  |  17/05/2011 às 09:09

    Bah, parei de ler nesse trecho:
    “Corinthians copero y peleador.”

    COPERO?

    Tsc.

    Curintia tem mais é que se foder mesmo. Clube sujo que devia permanecer forever and ever na segundona.

  • 46. Mandioca  |  17/05/2011 às 10:40

    #44

    Ih, recalque não leva a nada, hein?

    Mas tu tá certo, Corinthians não é copeiro. Deve ser por isso que tem 3 Copas do Brasil, 3 Brasileiros no estilo mata-mata, 4 Rio-SP idem e mais uma pá de Paulista.

    Ah é, não tem Libertadores. E todos sabemos que é só isso que importa, como nos ensinaram os são-paulinos.

    Aiai…

  • 47. Fera  |  17/05/2011 às 11:43

    #45

    Flawless victory.
    Mandioca wins!

  • 48. Cícero  |  17/05/2011 às 12:01

    #45

    Corinthians da décade de 90 faz Cunegundes ter delírios.
    Aquele time só podia ser treinado-gerenciado por ele. Mais maloqueiro impossível.

  • 49. Mandioca  |  17/05/2011 às 12:10

    #47

    Corinthians da década de 90 me faz lembrar de como era bom aquele esporte chamado futebol, assassinado pelo dinheiro e transformado nisso aí que vemos hoje.

    Leandro Castán: zagueiro de moicaninho e chuteira laranja.

    Sem mais.

  • 50. Gustavo Santista  |  17/05/2011 às 13:51

    Aliás, acho que 70% do título do Santos é do Durval, esse cangaceiro da zaga.

  • 51. Jabba  |  17/05/2011 às 14:32

    #39, 40
    PQP, quase vomitei o meu almoço pela orelha (ns), devia ter algum aviso antes no link para preparar o vivente.

    Depois não sabem porque estamos a 10 anos sem ganhar porra nenhuma.

  • 52. Prestes  |  17/05/2011 às 16:21

    O copeirismo corintiano se manifestou, de fato, naquele título de 1990, com VULTOS como TUPÃZINHO, GUINEI, JACENIR, etc.

  • 53. Zé Carlos  |  17/05/2011 às 20:53

    E é isso, o Inter oferece mais ao Santa e tira Gilberto, ÉTICA QUE SE FODA

  • 55. Mandioca  |  18/05/2011 às 09:57

    #53

    “Dualib diz que”…

    Parei de ler aí.

  • 56. Erico  |  19/05/2011 às 21:44

    Curiosidade minha: existe explicação para não dar cartão a jogador que tira camisa (ainda mais se for franguinho)?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Subscribe to the comments via RSS Feed


Especial – Libertadores 2011

A bola da ImpedCopa

Toco e me voy

Feeds

web tracker

%d blogueiros gostam disto: