Ele está de volta

03/03/2011 at 14:56 13 comentários


Dizem que o personagem mítico nasceu na floresta amazônica, mas lá para as bandas da Colômbia. Costumava usar um gorro vermelho, andar em uma perna só e guardar um cachimbo em local insalubre (agora está usando outros disfarces). Suas aparições ocorrem perto da meia-noite, em jogos de Libertadores.

Defensores mais distraídos caem feito crianças nas estripulias do moleque negro e esguio: no momento em que menos se espera, apronta um chapéu no zagueiro, um arremate em que a bola escorre cuidadosamente por toda a canela, só para enganar o goleiro.

Ontem, ele aprontou de novo, logo aos três minutos de jogo. Quem atacava era o time adversário, o San Luis, do México. Mas a bola rebatida sobrou para Dayro Moreno que lançou de primeira, com a parte de fora do pé, uma bola enforcada, que era para ficar tranquila para o zagueiro. Era.

O saci colombiano surgiu por detrás, invisível. Esperou que a pelota desse um rodopio a mais, obra de feitiçaria, e ficasse à feição para ele. Com dois toques curtos na bola, saiu da intermediária de ataque e se aproximou da pequena área. Um terceiro toque foi simulado para que o goleiro se atirasse para a bola. Aí sim, depois que o arqueiro começou a cair, deu um toque de leve, por baixo dos braços do pobre coitado.

Wason Rentería está de volta à Copa Libertadores. Está de volta ao seu habitat natural. É nos campos acanhados da América que ele sabe fazer gols e é feliz. Ele já andava meio acabrunhado quando saiu do Inter, é verdade. Mas as tundras gélidas da Europa certamente não fizeram bem para o rapaz.

Depois de abrir o placar ontem à noite, não teve cachimbo, nem ruque-raque. Rentería sequer sorriu. Ficou fazendo um banal coraçãozinho com as mãos, para alguma china. Mas a verdade é que, de volta à Colômbia, Rentería dá sinais de que voltará a ser aquele do Internacional. O debut foi no final de semana, contra o Real Cartagena. Rentería saiu do banco, do jeito que ele gosta, para marcar dois gols. Ontem, já deixou mais um, apesar de ter tido péssima atuação no restante do jogo.

A causa para a má atuação sabemos bem: o anjo dos gols espíritas tem que ficar alongando os gambitos atrás da goleira, até ver o sinal do auxiliar técnico. Aí, ele precisa fazer uma cara de bobo e perguntar “é comigo?”.  Ao ver o sinal de positivo, sair correndo faceiro para o meio do campo.

Depois, a plateia sabe que é só aguardar o gol salvador. A curiosidade é grande, no entanto: vai ser encobrindo o goleiro com um chute “jornada nas estrelas”? Vai ser aos 42 do segundo tempo, batendo na bola do jeito mais esquisito possível? E aí ele vai dançar o ruque-raque, evocando todos os deuses africanos e vai inventar uma homenagem ao clube que defende.

Mas a torcida estará também temerosa, sabe que algo pode botar tudo a perder. O magnetismo que Rentería provoca nos árbitros se mantém intacto, inclusive. Na partida de ontem, ele conseguiu levar um cartão amarelo depois de ser chutado no chão por dois jogadores do San Luis. Aí é hora de acionar as autoridades. O Ibama? A Funai? A UNESCO? Rentería é patrimônio cultural e uma espécie em extinção nas grandes áreas verdes da América. Alguém salve o saci!

O grupo

Apesar da volta triunfal de Rentería à Libertadores, o Once Caldas sofre o empate em um péssimo jogo contra o San Luis, no México. As duas equipes estão com a situação complicada no grupo. Os colombianos estão na terceira posição com dois pontos. Os mexicanos na quarta, com um ponto.

Para piorar, estão com um jogo a mais. Libertad (2º, 4 pts) e Universidad San Martin (1º, 6 pts) se enfrentam na terça-feira que vem, fechando o primeiro turno do grupo. Como se não bastasse, paraguaios e peruanos terão dois jogos em casa no segundo turno, colombianos e mexicanos, um só.

San Luis e Once Caldas têm dois bons times no papel. Seu insucesso se explica porque têm levado a sério a difusão da cultura nacional de seus países. Os dois times mostram um inequívoco talento para a falta de objetividade.

É uma profusão de meias de grandes melenas e canelas finas, que passam o jogo inteiro sassaricando para os lados com a bola: Moreno, no Once Caldas, e Cuevas, no San Luis. Quando a gorducha finalmente chega aos atacantes, a capacidade de errar gols é flagrante. Ontem, por exemplo, os atacantes do San Luis perderam dois gols de cabeça debaixo das traves.

Libertad e Universidad San Martin, por sua vez, mostram defesas mais sólidas e capacidade muito maior para matar o jogo. Devem nadar de braçadas no Grupo 1.

Numa perna só,
Felipe Prestes

Anúncios

Entry filed under: Libertadores.

Que se faça a zebra Um león por dia

13 Comentários Add your own

  • 1. Cesar Cardoso  |  03/03/2011 às 15:08

    “San Luis e Once Caldas têm dois bons times no papel. Seu insucesso se explica porque têm levado a sério a difusão da cultura nacional de seus países. Os dois times mostram um inequívoco talento para a falta de objetividade.”

    Estou há uns 5 minutos rindo sem parar deste parágrafo.

  • 2. Ismael  |  03/03/2011 às 16:25

    É uma profusão de meias de grandes melenas e canelas finas

    Qquer semelhança com o autor do texto é mera coincidência… huashuashuas

  • 3. Ismael  |  03/03/2011 às 16:28

    E que saudade de jogadores como Rentería e Perdigão… os caras transpiravam fubangagem!

  • 4. matheus  |  03/03/2011 às 16:44

    ídoloídoloídoloídoloídoloídoloídoloídoloídoloídoloídoloídoloídoloídoloídoloídoloídoloídoloídoloídoloídoloídolovouler o texto agora

  • 5. arbo  |  03/03/2011 às 16:57

    #2 AHUAHUAHUAHAUHAU
    mto certo

  • 6. Junior  |  03/03/2011 às 17:03

    No outro post, coloquei um vídeo do Dadá Maravilha pagando um mico ao se vestir de coelho por ter perdido a aposta que o Atlético venceria o América. Agora me dei conta, que pelo “folclore”, o Renteria é um “filho” do Dadá.

  • 7. J Petry  |  03/03/2011 às 17:35

    Rentería forever!

  • 8. Chico  |  03/03/2011 às 17:42

    “E que saudade de jogadores como Rentería e Perdigão… os caras transpiravam fubangagem!”

    [2]

  • 9. Álisson  |  03/03/2011 às 17:53

    Ídolo, Mestre… escolham o adjetivo, o Saci é mesmo demais.

  • 10. Vinicius  |  03/03/2011 às 17:55

    e um post sobre o CASTILLO no COLO COLO? 🙂

  • 11. Cunegundes Gullar  |  03/03/2011 às 19:04

    renteria é o currador que chega tarde na suruba, mas já entra de pau duro, quack

  • 12. Tiago Medina  |  04/03/2011 às 02:30

    Mata-mata da Libertadores MERECE Rentería!

  • 13. juanca py  |  04/03/2011 às 14:18

    fracaso en europa…parar en 11 caldas es lo peor que te puede pasar..

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Subscribe to the comments via RSS Feed


Especial – Libertadores 2011

A bola da ImpedCopa

Toco e me voy

  • Considerando o que o Paulinho jogava no Corinthians e o que ele joga agora, está claro que "evoluir na Europa" é uma farsa. Pior fase foi lá 10 hours ago
  • Lembram quando o Brasil nunca ia se recuperar do 7x1 e aquele era só o primeiro de muitos fiascos pois nem para a Rússia iria? 10 hours ago
  • Se der Hexa, vocês não podem esquecer do verdadeiro responsável pelo RENASCIMENTO da Seleção: o discurso do Galvão após o 0x0 com o Iraque. 10 hours ago
  • O Brasil ainda precisa levar algum outro susto antes da Copa do Mundo porque esse ENTUSIASMO TODO nunca dá certo. 10 hours ago
  • @impedimento Gols de Neymar contra sul-americanos: ARG: 3 BOL: 3 CHI: 1 COL: 3 EQU: 3 PAR: 1 PER: 1 URU: 1 VEN: 0 10 hours ago

Feeds

web tracker

%d blogueiros gostam disto: