Basta um estádio violeta

01/10/2010 at 13:00 33 comentários

O estádio do Defensor, o Luis Franzini, fica dentro de um parque, o Rodó, que por sua vez se localiza nas cercanias do Rio da Prata. É um caminho do meio entre o Centro e o Estádio Centenário, monumento nem tão distante do local. As arquibancadas são todas tingidas de violeta, assim como as cabines de TV e as vestimentas dos seres que ali habitam. As árvores do parque se fazem aparecer acima de cada tribuna, de modo que a arena do Defensor é arborizada e, sinceramente, bastante amistosa. Mas é organizada e conta, no seu lugar mais nobre, com o melhor campo de jogo do país.

Inteiramente verde, da bandeirinha de escanteio ao ponto que indica a penalidade, o gramado do Franzini viu um título por década desde 1970. O primeiro torneio uruguaio – e também o pioneiro entre os grandes – chegou em 1976. O par se completou em 1987, com a segunda conquista nacional. Quatro anos mais tarde, em 1991, o Defensor venceu pela terceira vez, para apenas em 2008 voltar a erguer uma taça. Sobre a última conquista, no entanto, cabe um asterisco – se as outras décadas foram de quebrar a rotina dos grandes apenas casualmente, hoje o Defensor ostenta também bem sucedidas andanças continentais.

Desde a Sul-Americana de 2005, o Defensor participou, sempre, de alguma competição internacional. Naquela primeira ocasião, foi eliminado precocemente pelo Cerro Porteño – houve, entretanto, algum elemento naquela noite paraguaia que fez o Defensor nunca mais desgrudar das copas. É claro que tudo passa pela organização do clube, das soluções que chegam desde os canteiros da base e do prestígio cresce regularmente em Montevideo. Em 2006, surge a oportunidade – malograda – de disputar a Copa Libertadores.

Para seguir no torneio, a missão era expulsar o Independiente Santa Fé da Colômbia na repescagem. Os dois empates somados à velha trampa do gol fora de casa resultaram na eliminação do quadro uruguaio. A temporada serviu para fixar atletas que marcariam época no plantel do time – casos do goleiro Martín Silva, terceiro goleiro da seleção uruguaia na campanha do último Mundial, e do lateral Maxi Pereira, titular da Celeste, que inclusive anotou um gol contra a Holanda, nas semi-finais. No ano seguinte, o violeta viveu grandes instantes da sua história, incluindo uma das dez maiores retrancas presenciadas pelo Maracanã.

Para a Libertadores 2007, se juntaram aos nomes citados anteriormente os zagueiros Martín Cáceres e Gonzalo Sorondo, além do meia Diego de Souza e do atacante Sebastián Fernández – todos jogadores que já representaram o Uruguai, sendo o primeiro e o último atletas também presentes na última Copa. Na fase de grupos, o Defensor avançou ao lado do Santos – que, na época, era dono de um ataque mais honroso do que o atual. Mas foi nas oitavas que a agremiação violeta brilhou no Centenário – com dois gols de Álvaro Navarro e um de Álvaro González, o Defensor sacudiu o Flamengo por 3-0. “¡Centenariazo!”, bradavam os narradores sedentos por glórias esportivas há temporadas que se perderam nas contas. No Maracanã, segurou uma derrota por 0-2 com os onze jogadores dentro da grande área.

A queda só veio contra um Grêmio que habitava sonhos mais altos – carregado pelo gás interminável dos seus canhotos, o time gaúcho reverteu o 2-0 que o Defensor havia logrado no Uruguai e garantiu a passagem nos pênaltis. Não fosse Ramón o craque de uma era, o escrete violeta poderia se gabar para meia Montevideo que já estivera em uma semi-final de Libertadores. Na Sul-Americana do mesmo ano, houve progresso até a mesma fase, sendo o River Plate o responsável pela eliminação em um empate sem gols no Monumental de Nuñez.

Se os anos anteriores foram de desbravar fronteiras mais ao norte de Rivera, em 2008 os do Parque Rodó resolveram provar para toda a Banda Oriental que havia, de fato, uma terceira força naquele país. Tida como irrepreensível pela imprensa, a conquista do Campeonato Uruguaio foi garantida depois de dois encontros contra o Peñarol no grande palco – no primeiro jogo, vitória do Defensor por 2-1 (Lamas e Gaglianone) e, no confronto definitivo, uma sóbria e impenetrável igualdade. Mas isso foi em junho, e quatro meses depois ainda havia fôlego para brigar outra vez com o River Plate, agora nas oitavas da Sul-Americana – estágio de onde não pôde avançar.

No ano passado, talvez tenha faltado ao Defensor uma sequência regular de atuações na Libertadores, como foi possível apresentar em 2007. Mas dois episódios demonstraram que a empreitada talvez tenha sido a mais façanhuda da memória da instituição. O causo inicial foi necessário para avançar da primeira fase: atuando no Centenário, o Defensor precisava derrotar o Independiente de Medellín para ultrapassar o charco inicial. Por três vezes, a equipe uruguaia esteve a frente do placar e cedeu o empate – sendo a última na beira do assopro final. Eis que, coordenados por Diego de Souza em um dia mágico, os defensores da causa oriental alcançaram a vitória faltando exatos três segundos para o fim. Novamente, o limite esteve nas quartas, desta vez no Estádio Ciudad de La Plata do Estudiantes.

Para 2010, as irregularidades do último certame nacional afastaram o Defensor da maior competição do continente. Sobrou a Sul-Americana, participação que ficou em segundo plano na mídia local em função da presença do Peñarol. Uma vez mais, houve placares dignos de menção – depois de passar pelo Olimpia, na segunda fase os montevideanos encontraram o Sport Huancayo, do Peru, pelo caminho. No Centenário, a crença ofensiva do Defensor desestabilizou os peruanos a ponto de nove gols (!) surgirem dos pés dos atacantes. De Souza, o meia-cancha de sempre, reencontrou a matemática dos passes e o futebol constante. E, nas oitavas, outro grande adversário o esperava – o Independiente, de Avellaneda.

Sem disputar uma partida internacional há seis anos, o Rey de Copas de outrora colocou nas tribunas do Centenário mais público do que o quadro local. Eram mais de 2500 portenhos contrastando com pouco mais de 1000 uruguaios – para os torcedores de Peñarol e Nacional, foi uma vergonha protagonizada por um cuadro chico. Mas ao Defensor pouco importava, até porque venceu o jogo por 1-0. Os aficionados presentes são os de sempre, os que rumam ao Parque Rodó a cada domingo e se orgulharam com a média de furar os grandes uma vez por década. Para eles, basta um estádio violeta e o recente convívio entre o grandes. Afinal, ano após ano, Montevideo vem recebendo clubes como Grêmio, São Paulo, Flamengo, River, Boca e Independiente por competições internacionais – e o motivo, atualmente, é uma camiseta violeta.

Saludos desde o Parque Rodó,
Iuri Müller
Anúncios

Entry filed under: Colunas, Pela América, Sul-Americana.

ImpedShow de imagens A pirataria se alastra

33 Comentários Add your own

  • 1. guihoch  |  01/10/2010 às 13:29

    hehehehe muito bom

  • 2. Paulo Gonzalves  |  01/10/2010 às 13:39

    Diego de Souza, já é sinônimo de Defensor, Estádio Luis Franzini, simpático e acolhedor.

  • 3. beretta  |  01/10/2010 às 13:53

    Esse Iuri Müller é aquele GURI que consegue ser mais novo que eu, com meus 12 anos?

    Textos muito bons, tal qual este.

    Ah como é bom voltar ao blog.

    E que bela tesoura do malandro heinhô!!

    :~~~~~~

  • 4. rafael botafoguense  |  01/10/2010 às 14:07

    ó o palacio tomando uma carcada huhahahahahah

    revelaram loco e CASTILLO. aliás revela todo mundo essa merda.

  • 5. matheus  |  01/10/2010 às 14:17

    tá merecendo uma semifinal, mas me ponham gente no estádio, né

  • 6. Francisco Luz  |  01/10/2010 às 14:19

    Eu sempre repito meus comentários nos textos do Iuri. Mas é que os posts são geniais, mesmo.

    Fui no Franzini no final do ano passado, uma semana de férias em Montevideo. Não tinha jogo algum, mas consegui convencer o guardinha que cuidava a me deixar conhecer a cancha. É um belo estádio, mesmo, e não entendo porque não jogam lá a Libertadores. Se na Vila Belmiro pode…

    Sem contar que conhecer o Parque Rodó no processo já vale para que todas as partidas sejam lá.

  • 7. Sanchotene  |  01/10/2010 às 14:21

    Defensor, grande clube… de BASQUETE!

  • 8. Sanchotene  |  01/10/2010 às 14:23

    http://www.defensorsporting.com.uy/

  • 9. Róger  |  01/10/2010 às 14:26

    QUASE, beretta.
    Iuri Müller ostenta seus 18 anos, mas tem carinha de 16.

    Por sinal, bom texto.

  • 10. Cunegundes Rei da Picanha  |  01/10/2010 às 14:34

    a encoxada na última foto fala por si só

    quack booom

  • 11. Geraldo  |  01/10/2010 às 16:58

    Douglas,

    Hoje no mesmo horário? Te espero com aquele espartilho pink que você adora!

  • 12. Anônimo  |  01/10/2010 às 17:16

    quanto vai demorar até que um candidato a cargo majoritário no rio grande do sul vença a eleição de surpresa e diga que fez uma campanha copeira?

  • 13. Andrei  |  01/10/2010 às 17:24

    Estive lá no estádio do Defensor no dia 14 de setembro … na real fui lá por acaso, prá falar a verdade nem sabia onde era o estádio do defensor … Estava visitando Montevideo e dando uma banda conhecendo os pontos turisticos e tals .. Fui conhecer o parque Rodô e depois iria caminhar até o Centenário para assistir Penharol X Barcelona-Equador pela Sulamiranda .. quando dou de cara com uma fachada: “Estadio Luiz Franzini – Defensor Sporting Club” … mas o estádio é bem acanhado … passei na frente e quase nem percebi …
    Segue uma foto que tirei lá: http://picasaweb.google.com.br/fotosandreijohann/Uruguay#5519437582194244402

  • 14. Vinicius  |  01/10/2010 às 17:35

    na minha coleção de camisetas de times da américa do sul, a manga longa da Uhlsport do Defensor, sem patrocínio, oficial, é de longe a MELHOR!!

  • 15. Cunegundes Rei da Picanha  |  01/10/2010 às 18:56

    celso roth para prefeito de porto alegre 2012.

  • 16. Abutre  |  02/10/2010 às 05:17

    “….poderia se gabar para meia Montevideo que já estivera em uma semi-final de Libertadores.”
    Para METADE de Montevideo… meia, só no pé amigo!

  • 17. Matias Pinto  |  02/10/2010 às 10:48

    Che violeta, vigilante
    Nunca tuviste aguante
    Sos amigo de la yuta
    Vos sos un hijo de puta

    Lolololololo sos la puta del Parque Rodó

  • 18. arbo  |  02/10/2010 às 18:53

    16, abutre, meia como adjetivo é o mesmo q metade….

    iuri, muito bom, chico luz falou por mim

  • 19. Anônimo  |  02/10/2010 às 20:00

    rodrigo hefner é nome de currador

  • 20. Luís Felipe  |  02/10/2010 às 22:51

    sensacional, Iuri. Deu vontade de comprar uma camiseta violeta agora.

  • 21. Ernesto  |  03/10/2010 às 00:34

    Alguem viu expresso da bola, no Sportv ?

    Chiquinho, ex grande que nunca se firmou completamente lateral do inter, agora MILITA no River Plate do Uruguay.

    Na entrevista, assume que pecou ao puxar bolo e reclamar do banco em 2006, bem como ter forçado sua ida ao Palmeiras.
    Agora ajoelha e chora, malandro. Pra deixar de ser mané.

  • 22. Marcos SL  |  03/10/2010 às 12:29

    Chiquinho no River do Uruguai…Que fase!…do River, é claro!! Belo texto, Iuri!!!

  • 23. matheus  |  03/10/2010 às 15:47

    que cara que podia ter dado certo. mas fazer o quê, é uma maldição no beira rio agora. temos que depender desses ronins mercenários daquele lado… jorge wagner, kleber…

  • 24. Felipe (o catarina)  |  03/10/2010 às 16:28

    tá rolando San Lorenzo x Estudiantes. 1×0 Pincha, gol de Gata Fernández. Aqui: http://www.futbolarg.com/rd/8118.html

  • 25. Ernesto  |  03/10/2010 às 21:19

    Eu ´já suspeitava na época dos banheiros queimados.

    Agora tenho certeza: GREMISTADA, CAMBADA DA CHINELAGEM.

    Aqui ó, se juntem, e façam entre vocês a república federativa do Humaitá. MAs aqui leque, eleger um goleiro covarde, corno, que dava voadoras e socos pelas costas, para ser um legislador, é muita doença.

    Bah, vão chupar um salame. Palhaços

  • 26. pablo gonzalves  |  03/10/2010 às 22:12

    Gremio elegeu Danrlei, Cassia e Odone. Inter perdeu Zachia. Algum mais…

  • 27. Ernesto  |  04/10/2010 às 00:21

    É, pelo menos em uma esfera o tricolor “saiu campeón”

  • 28. Nilton Costa  |  04/10/2010 às 01:12

    Inter perdeu Zachia.

    Já vai tarde!

  • 29. Serramalte Extra  |  04/10/2010 às 04:28

    que trauma do danrlei hein… calma, os anos 90 já passaram!

  • 30. Ernesto  |  04/10/2010 às 12:09

    Trauma talvez de trabalhar pra pagar impostos que vão custear um filho da puta incapaz para legislar.

    Mas, me esqueci que tu é um gremistinha fundamentalista, talvez deva ter votado nele e no traficante Brasinha, seu pau no cu

  • 31. Serramalte Extra  |  04/10/2010 às 13:08

    santa amargura…

  • 32. matheus  |  04/10/2010 às 14:20

    ta certo ele, meu

    elegeram uns imbecis pra ficar bonito pra merda da torcidinha

  • 33. Serramalte Extra  |  04/10/2010 às 17:06

    e os outros imbecis, elegeram para que?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Subscribe to the comments via RSS Feed


Especial – Libertadores 2011

A bola da ImpedCopa

Toco e me voy

Feeds

web tracker

%d blogueiros gostam disto: