Amor com amor se paga

30/04/2010 at 13:11 23 comentários

Chovia deveras na cidade do Rio de janeiro, em particular no bairro tijucano do Maracanã. O centroavante, no entanto, concentrava-se na bola à sua frente, parada sobre a marca do pênalti. Ao meu lado, um homem feito e de cabelos brancos se virava de costas para a cena, cheio de pavor. O centroavante começou a caminhar, a correr e deslocou o arqueiro rival para o lado que gostaria, a canhota direcionando a bola para o lado oposto e era gol. Gol do Flamengo.

Nesse momento, o homem feito e de cabelos brancos saiu do temor e tornou à infância. Junto com ele, toda a arquibancada do Maracanã despertou em fúria e música – exceção feita, obviamente, ao bloco de corintianos presentes. O centroavante, no entanto, conforme pude conferir no repeteco na televisão, não saiu aos gritos, não coreografou uma dança, não pediu música: sequer sorriu.

Adriano carrega há algum tempo um pote de mágoas no cerne do peito. A vaia sofrida em seu último jogo no estádio diante do Caracas – onde o time venceu, mas não venceu como deveria – ficou gravada em seus ouvidos de artilheiro. Ele voltou ao Flamengo por amor à camisa (claro que não apenas por isso) e fez dessa camisa campeã nacional após 17 anos. Decerto jamais esperava ver seus súditos lhe pedirem a cabeça aos gritos.

Não tem sido fácil ser Adriano em campo ultimamente, mas ser Ronaldo pode ser pior. O atacante alvi-negro se apresentou sob forma física medonha. Parecia um cover de si mesmo, um desses artistas de imitação que não convence a plateia. Não fosse eu um torcedor do Flamengo teria pena da situação. Ronaldo, ex-fenômeno, artilheiro das Copas do Mundo, sendo desarmado seguidamente no mano-a-mano por coleções de zagueiros urubus.

Ronaldo, entretanto, mesmo sendo a grande decepção do jogo nunca foi um traste desprovido de razão para existir feito o tal de Michael. Não sei de onde o Flamengo colheu o cidadão, mas faria excelente negócio se para lá o devolvesse. Durante os trinta e seis minutinhos em que esteve a trotar e enganar a gente, o rapaz se notabilizou por perder bolas para as poças do gramado. Diante de sua expulsão o Flamengo começou simplesmente a jogar melhor, ser mais conciso, aparentar mais gana.

E o grande trunfo do Flamengo na primeira partidas dessas oitavas-de-final da Libertadores foi a vontade de vencer do time. Reduzidos a um homem a menos, os demais se entenderam rapidamente em campo e trataram de resolver o jogo da melhor maneira possível, sólidos na defesa e incisivos no ataque (contra-ataque, geralmente).

Nós, torcedores, compreendemos o time em campo e desafiamos o aguaceiro que caiu a noite toda com o orgulho de ser rubro-negro. Então veio o segundo tempo, veio a bola lançada em Juan que sofreu o pênalti, veio o escore de Adriano, veio o coletivo de 72 mil lunáticos chamando o Mengo no gogó, veio a festa que tanto gostamos de fazer para ver o Flamengo em campo.

Mas que o flamengo não se iluda: sua torcida sabe perfeitamente bem que Libertadores nenhuma se ganha de véspera.

Leandro Godinho

Anúncios

Entry filed under: Clubes, Libertadores.

Coruja tosada Notas fúnebres no jornal

23 Comentários Add your own

  • 1. Lucas Cavalheiro  |  30/04/2010 às 13:27

    MENGOOO

    Sou mengo desde criancinha HAHAHA

  • 2. Lucas Cavalheiro  |  30/04/2010 às 13:32

    Em tempo:

    Leandro Godinho, ENVIADO ESPECIAL do Impedimento, que cobriu o certame direto das arquibancadas.

    Melhor título.

  • 3. Diogo  |  30/04/2010 às 13:33

    Mas como sofre o gramado do Maracanã, não bastasse a chuva, dois jogos seguidos com os pesos-pesados como Ronaldo e Rochemback em campo.

    Mas 1 x 0 é pouco.

  • 4. Cabañas  |  30/04/2010 às 13:35

    “Mas que o flamengo não se iluda: sua torcida sabe perfeitamente bem que Libertadores nenhuma se ganha de véspera.”

    LA GARANTIA SOY YO

  • 5. Fernando Cesarotti  |  30/04/2010 às 13:36

    Michael (isso lá é nome de jogador de futebol?) começou no Palmeiras, mas eu não quero que volte não, Godo. Já tem pereba demais de verde nos últimos tempos.

  • 6. Godo  |  30/04/2010 às 13:40

    #5

    Michael de confiança só conheço 3: Schumacher, Jordan e Jackson.

    E, claro, o GEORGE Michael.

  • 7. Anonimo  |  30/04/2010 às 13:44

    george michael é marcha ré hein

    muito cuidado com essa confiança aí hein

  • 8. Prestes  |  30/04/2010 às 14:06

    Essa história do Ronaldo ser um cover de si mesmo me lembrou uma história muito boa.

    Diz que o Raul Seixas, quando já tava todo fiadaputa, foi contratado para um show numa cidade do Interior e depois de cantar umas duas músicas os caras correram ele a pau achando que era um impostor, husadhusdhudshdsdhsusduhsdahu

  • 9. rafael botafoguense  |  30/04/2010 às 14:29

    VAI CURINTIA FÉDAPUTA!

  • 10. Phoenix  |  30/04/2010 às 14:31

    #6
    Serve genérico, tipo MAICON?

  • 11. Kleiton  |  30/04/2010 às 14:41

    #3
    Willian Magrão é melhor que o GRAMADO DO MARACANÃ (ns)

  • 12. rafael botafoguense  |  30/04/2010 às 14:41

    http://globoesporte.globo.com/Esportes/Noticias/Times/Botafogo/0,,MUL1583280-9861,00-LOCO+ABREU+REVIVE+TEMPOS+DE+JORNALISTA+E+ESCREVE+ARTIGO+SOBRE+A+VIDA+DE+JOG.html

    MELHOR CRONISTA VIVO!

  • 13. Godo  |  30/04/2010 às 14:43

    #10

    Lembrei de outro MICHAEL ilustre.

    Michael Knight. Muito mestre.

  • 14. Junior  |  30/04/2010 às 14:59

    O MESTRE Erasmo Carlos compôs uma música para o seu último disco, chamada “Cover”, que fala justamente sobre isso, ser cover de si mesmo.

    Jamais suspeitaria que o Loco Abreu havia sido jornalista. Concordo integralmente com o item 4 do texto dele, de uns tempos para cá, parece que alguns torcedores não vão ao estádio para se divertir, mas para descarregar as frustrações de sua vida.

  • 15. Godo  |  30/04/2010 às 15:07

    #12

    O Abreu é ótimo. Grande figura.

  • 16. Cunegundes, o mulato frajola  |  30/04/2010 às 15:30

    fui ao jogo, e vi que o gramado do Maracanã estava mais molhado que meus sonhos com Monique Evans, coroa macia e suculenta que eu comeria com uma perna só e ainda “encheria o potinho”, mas o importante é que o Framengo meteu caixa, Adriano é imperador, estuprador e fodedor, fico com os pelos pubianos arrepiados só em pensar aquele cara me fungando no cangote na grande área. quack.

  • 17. Carlos  |  30/04/2010 às 16:14

    Essa michael aqui é melhor.

    http://www.ambermichaels.com/

  • 18. Jader Anderson  |  30/04/2010 às 16:31

    Genial o ouvido da historia:
    “Mas se, ainda assim, tu quiseres destruir alguma coisa, espere o final do jogo. Então saia pra rua e ataque um outdoor, essas coisas nojentas que a publicidade faz para tornar Porto Alegre mais feia.”

    haehehhaehehae

  • 19. Gustavo  |  30/04/2010 às 16:37

    #12: me EMOCIONEI com o item 4 do texto do Loco.

  • 20. Matheus Martins  |  30/04/2010 às 17:34

    Já vi esse filme, que as bandas policiais se preparem semana que vem no pacaembu o bicho pega.

  • 21. rafael botafoguense  |  30/04/2010 às 18:10

    loco é irado demais,

    como é bom ter um ídolo no time!

  • 22. FERN  |  30/04/2010 às 22:51

    grande loco…

  • 23. Camilo  |  01/05/2010 às 15:06

    Loco Abreu matou a pau aqui

    vamos pedir pro Walter escrever seu diário também
    “o que fiz naquela semana que não saí de casa”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Subscribe to the comments via RSS Feed


Especial – Libertadores 2011

A bola da ImpedCopa

Toco e me voy

Feeds

web tracker

%d blogueiros gostam disto: