A jogada fatal

27/11/2009 at 06:00 22 comentários

Caso ocorrido nos primórdios do futebol inspirou escritores como Horacio Quiroga e Eduardo Galeano

Na década de 1990, entabulei uma certa amizade com jogadores de futebol que liam. Com Pardeza e Pep Guardiola [ambos foram jogadores da seleção espanhola], muito especialmente.

Eles queriam que eu lhes falasse de literatura, e eu, em troca, queria que me contassem segredos do futebol. Martirizei os dois em diferentes noites, perguntando se existiam jogadores de sucesso que, no próprio terreno do jogo, tivessem algum dia tido a consciência de que acabavam de fazer a melhor e última grande jogada de suas vidas. Evidentemente, era uma pergunta que, feita em termos literários, poucos escritores aceitariam responder.

Eu, pelo menos, não conheci ninguém que se dispusesse a reconhecer que já tinha escrito seu melhor livro.

Pardeza e Guardiola reagiram com tato e acabaram sempre evitando responder a minha pergunta noturna e obsessiva.

Encontrei a resposta por acaso, anos mais tarde, na trágica história de Abdón Porte, meio-campista do Nacional de Montevidéu. Rosto afilado, cabeleira lisa, muito alto, dotado de tenacidade combativa. Corria o mês de março de 1918, e no Uruguai, naquela época, jogava-se o melhor futebol do mundo.
Abdón Porte tinha 27 anos e era o ídolo dos torcedores do Nacional, embora estes não soubessem que Abdón sabia perfeitamente que já tinha feito a última grande jogada de sua vida. Ele entrara num ligeiro declínio, do qual tinha consciência; já se via sendo reserva de outro meio-campista na temporada seguinte.

Toda a torcida tricolor (branco, azul e vermelho são as cores do Nacional) amava Abdón Porte, e naquele dia de março o time derrotou o Charley por 3 a 1 em seu estádio próprio, o Parque Central. Depois da partida, Abdón foi festejar a vitória com seus companheiros. À uma da madrugada, despediu-se de todos e disse que tomaria o trem na Estação Central.

Mas alguma coisa aconteceu quando ele ficou sozinho, e mudou de idéia, retornando ao estádio.

No meio da noite, foi até o círculo central do campo, onde tinha o hábito de reinar.

Ninguém mais o iria substituir. Ali mesmo, no próprio centro do estádio, se matou com um tiro no coração.

Na manhã seguinte o porteiro da equipe, que foi o primeiro a entrar no estádio, encontrou o corpo do meio-campista. Junto ao revólver, um chapéu de palha contendo duas cartas.

Em uma, ele se despedia de seus entes queridos.

E na outra – para que não digam que literatura e futebol são incompatíveis-, alguns versos copiados a mão: “Nacional, mesmo que em pó convertido/ e em pó sempre amante/ não esquecerei por um instante/ o muito que tenho querido/ Adeus para sempre”.

Influências

Coração tão tricolor. Ainda hoje, em todas as partidas disputadas no Parque Central, é possível ver na tribuna uma bandeira com os dizeres “Pelo sangue de Abdón”. “Besteira de alegoria”, escreveu alguém. “Ali onde estava, sendo o rei do meio-campo, ele queria que o tempo se fizesse eterno.”

Besteira ou não, duas semanas depois daquele suicídio, Horacio Quiroga [1878-1937], contista magistral e uma das vidas mais trágicas da literatura, baseou-se na história de Abdón para escrever “Juan Polti, Half-back”, relato que publicou na revista “Atlántida” em maio de 1918.

“Quando um jovem chega, por A ou B, e sem treino prévio, a saborear esse álcool forte de machos que é a glória, perde a cabeça irremediavelmente.” Desse álcool de machos e do mítico suicídio falaria também, anos mais tarde, o relato “Morte no Campo”, de Eduardo Galeano [em “Futebol ao Sol e à Sombra”, ed. L&PM].

No dia 13 de julho de 1930, sem relação alguma entre o suicídio do meio-campista e o torneio universal que se inaugurava, foi disputada no estádio do Parque Central a primeira partida de toda a história dos Mundiais. EUA e Bélgica se enfrentaram.

Assim, pode-se dizer que a primeira bola da primeira Copa do Mundo começou a rolar a partir do lugar exato em que Abdón caíra morto, a partir daquele círculo central em que o meio-campista decidiu jogar sua derradeira partida, eternizando-se no centro do mundo, de seu mundo.

ENRIQUE VILA-MATAS é escritor espanhol, autor de “A Viagem Vertical” (Cosac Naify). Este texto foi publicado no “El País”. Tradução de Clara Allain .

Este texto magistral, publicado no caderno Mais, da Folha de São Paulo, em 22 de junho de 2008, foi sugerido pelo leitor Flávio Nunes.


Anúncios

Entry filed under: Colunas, Contribuições, Literatura.

Lágrimas portenhas Jogar para perder

22 Comentários Add your own

  • 1. Renato K.  |  27/11/2009 às 06:33

    PQP, que texto SENSACIONAL !!!!
    Eu queria saber escrever 10% disso …

    OT: Felipe Catarina: péssima notícia, hein (a saída do Silas)? Bom pro Grêmio, que tem tudo pra levar um dos melhores técnicos do ano – e por tabela, se livrar – antes mesmo de contrair a doença – do Dorival Júnior.

  • 2. Frank  |  27/11/2009 às 07:17

    Realmente, um bom texto…
    Já tinha visto alguma coisa a respeito, mas julguei ser mais uma de tantas lendas do futebol…

    Sobre o Silas, não sei não… Igrejinha (literalmente) no vestiário nunca dá muito certo…

  • 3. Frank  |  27/11/2009 às 07:24

    Se o Grêmio me contrata o Silas, e vier junto aquele tal de guru dele, o Johny Monteiro (uma coisa assim…), pode demitir SUMARIAMENTE…

    Não tenho nada contra as escolhas religiosas dos outros, mas ficar fazendo “treino espiritual” com os jogadores, pelo menos na minha opinião, não combina em nada com o futebol… se o cara quiser, vai no domingo na Igreja e pode ficar rezando lá, mas não no teu local de trabalho… Essa mistura, para mim, é deveras PREOCUPANTE…

  • 4. Jader Anderson  |  27/11/2009 às 08:21

    Bah, ótimo texto…

    Este relato é real mesmo? Bah…

    Sobre o técnico… já instrui a gremistada no que fazer hehehehe

  • 5. Manoel  |  27/11/2009 às 08:35

    Pessoal… na condição de torcedor do Nacional de Montevidéu, sempre me emociono quando leio coisas assim. Ainda mais em português. Me arrepiou o último parágrafo, eu já conhecia a história da morte de Abdón e sabia da história do primeiro jogo de Copa do Mundo, mas nunca tinha relacionado essas duas coisas…

    Quando o Nacional bateu o Flamengo por 3 a 0, pela Libertadores de 2008, caiu uma garoa no fim do jogo… os tricolores mais apaixonados diziam que aquela garoa “eram lágrimas de Abdón”. Isso porque a morte do meio-campista fazia mais um aniversário.

    Um detalhe a mais: no próprio estádio Parque Central, foi inaugurada neste ano (para a disputa da Libertadores) a “tribuna” (arquibancada) Abdón Porte… e, para que ela ficasse pronta a tempo, os próprios torcedores foram lá no estádio trabalhar na pintura. Uma linda homenagem a alguém que, literalmente, deu a vida pelo clube que amava.

    Obrigado, amigos do Impedimento, por postar este texto.

  • 6. Egido  |  27/11/2009 às 08:46

    Hola. Soy fanático de Nacional. La historia es cierta. Abdón es uno de nuestros máximos ídolos. Incluso la tribuna cabecera de nuestro Gran Parque Central (Primer estadio dónde se jugó un partido por el campeonato del mundo de 1930), lleva su nombre. Gracias por este maravilloso reconocimiento. POR LA SANGRA DE ABDÓN!!! Saludos desde Uruguay Egido

  • 7. Cunegundes, o mulato frajola  |  27/11/2009 às 08:58

    escrevo para PROTESTAR, estamos sem luz, Belford Roxo, capital olímpica, não com problemas de transmissão de energia há 2 dias, não aguento mais, vou mudar para Las Vegas, lá sim tem muitas luzes e mulheres macias pra gente namorar, aqui só tem vela e baranga, minha tia até acendeu uma vela preta ontem no desespero do apagão, estou há 2 dias tomando banho de canequinha e lavando minha bingolinha com álcool gel que sobrou da epidemia da gripe porca, eu exigo meu direito de lavar minha jirombola com água quente do chuveiro elétrico, está na Constituição! Quack

  • 8. Jader Anderson  |  27/11/2009 às 09:12

    roth eh um fanfarrao… todo ano falta qualidade

    http://esportes.terra.com.br/futebol/brasileiro/2009/interna/0,,OI4124538-EI13759,00-Roth+lamenta+falta+de+qualidade+do+AtleticoMG.html

    FALTA NELE!!!!

  • 9. Guilherme  |  27/11/2009 às 09:33

    “entabular amizades” eu nunca tinha escutado.

  • 10. Guilherme  |  27/11/2009 às 09:35

    .8

    Eterna desculpa do Roth. E o pior, esse ano ele não tem desculpa, porque depois da arrancada, ainda no topo, ele recebeu reforços, como o Ricardinho por exemplo.

  • 11. Diego del Parque  |  27/11/2009 às 10:30

    Desde “Montevidéu” les escribo para agradecer por este reconocimiento. Agregar que la historia es real, sucedió en el Gran Parque Central, el primer estadio mundialista del mundo, allí se jugó el partido número 1 de la historia de los mundiales (E.E.U.U. vs Bélgica). Además el primer “jogo” de Brasil en un mundial se jugó en el Parque Central. La bandera “Por La Sangre de Abdón” siempre está cuando juega nuestro querido Nacional.

  • 12. Francisco Luz  |  27/11/2009 às 10:41

    Essa história é realmente genial. Já conhecia do livro do Galeano, mas bah, é de chorar no cantinho.

    E aguante Peñarol.

  • 13. Lourenço  |  27/11/2009 às 11:03

    Dagoberto e Borges tiveram a punição de 3 jogos, relativa ao jogo contra o Grêmio. E o Cabral tá reclamando que o Jean teve a punição diminuída. Brincadeira.

    Que conste: punição desproporcional, São Paulo foi prejudicado.

  • 14. Lourenço  |  27/11/2009 às 11:05

    tiveram a punição de 3 jogos MANTIDA…

  • 15. rafael botafoguense  |  27/11/2009 às 11:21

    história digna de botafogo fr,muito irado.

  • 16. Franciel Cruz  |  27/11/2009 às 11:23

    Eo tomei conhecimento deste texto num livro iirregular chamado A Cabeça do Futebol e passei a gostar dele desde os 40 anos antes do nada (copiraite Rodrigues, Nelson), inclusive reproduzi o referido num antigo blog meu (aos incréus, a prova http://ingresia.opsblog.org/2009/07/16/sangue-suor-e-lagrimalegria-futebol/)

    P.S Conselho Editorial, seguinte é este> A promessa que fiz é dolorosa, mas será cumprida. Aguardem.

  • 17. Prestes  |  27/11/2009 às 12:48

    Seo Françuel,

    Eu quero saber é se vcs vão botar o dedo pra azedar a feijoada do Fluminense??

  • 18. Francisco Luz  |  27/11/2009 às 13:42

    Lourenço, a do Dagoberto foi QUASE exagerada – aquele carrinho dele merecia dois jogos de boa.

    Mas quanto a do Borges, nada a reclamar.

  • 19. vigilänte  |  27/11/2009 às 14:43

    Genial!!

  • 20. ELPELADODELPUENTE  |  28/11/2009 às 00:44

    Brasileños la historia de ABDON PORTE es real asi somos los bolso de apixonados y muchos les queda grande, ah y el PARQUE CENTRAL estadio TRICOLOR es donde se jugo el primer estadio mundialista GRACIAS POR LA NOTA.

  • 21. Roger  |  28/11/2009 às 09:46

    Bah, esse sim é um texto digno do Impedimento!
    E de partir o coração essa história hein?!

  • 22. Júnior Martins  |  03/12/2009 às 12:23

    Genial, belo texto!

    No Impedimento ainda se publicam textos decentes.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Subscribe to the comments via RSS Feed


Especial – Libertadores 2011

A bola da ImpedCopa

Toco e me voy

  • Tradição será interrompida abruptamente ano que vem porque na Série C os grupos são regionalizados e, se o Santa ca… twitter.com/i/web/status/9… 7 hours ago
  • Santa Cruz criando uma tradição anual de golear um time gaúcho depois de ser rebaixado. Ano passado, 5x1 no Grêmio. Agora, 5x1 no Juventude. 7 hours ago
  • @Kiromba No caso, o Ipatinga era o lanterna e foi o primeiro rebaixado. 1 day ago
  • @Kiromba 2008. Naquele ano, o Ipatinga só confirmou matematicamente a queda na 37ª rodada. 1 day ago
  • Vence o Avaí e a disputa mais quente contra o Z4 agora tem quatro times COLADOS na luta por um lugar fora do buraco… twitter.com/i/web/status/9… 1 day ago

Feeds

web tracker

%d blogueiros gostam disto: