Vindicta ainda que à tardinha

16/09/2009 at 14:53 11 comentários

No me recuerdo se já ministrei aqui aulas sobre tão filosófico tema (se já, relevem), mas a verdade que salva e liberta é a seguinte: Convicção é uma bicha traiçoeira. Basta um descuido e…vupt, ela desembesta e nos deixa órfãos de nossos mais arraigados axiomas – se é que os axiomas podem ser arraigados. Mas, não importa. O fato é que nem mesmo as infalíveis certezas sobrevivem a esta lei universal.

Antes de prosseguir, aviso à praça: não pensem que este parágrafo acima é apenas mais uma embromação acaciana metida a erudita. Não é só isso. Tal tese foi comprovada empiríca e cabalmente no último domingo. Até então, acreditava piamente naquela tradicional classificação para os goleiros: Ou é maluco, ou é viado ou acumula as duas funções. Porém, depois de presenciar a atuação de Marcos, esta minha convicção esmoreceu. Percebi que há um outro tipo que habita a pequena área: os vingativos. E esta raça de gente não tem limites.

Vejam, por exemplo, o caso do referido guarda-metas.

No ano da graça de 1993, o Palmeiras formou o maior time de sua história. Foda-se a Academia. O escrete da década de noventa tinha muito mais craques do que o de 20 anos antes. E, mais importante: possuia no elenco um zagueiro com nome de zagueiro: Tonhão. Só este fato já bastava para comprovar a superioridade daquela equipe em relação à de Ademir da Guia.

Mas, derivo.

O fato é que Marcos, que já estava no Parque Antática desde 1992, foi alijado daquele grupo espetacular. Não participou sequer de uma partida do Brasileirão/93, que terminou com o Palmeiras ganhando o título em cima do BRIOSO Vitória. Por conta disso, ele nunca perdoou o Verdão. E tramou sua vingança. Decidiu que, toda a vez que o time paulista fosse enfrentar o Rubro-Negro, ele entregaria a rapadura. Era uma forma de devolver a humilhação de que ele havia sido vítima.

Como vingança é um prato que se come frio, Marcos esperou exatamente uma década para colocar seu sórdido plano em prática. E, nas oitavas de finais da Copa do Brasil de 2003, ele realizou estripulias que fariam corar até o frangueiro Mazaropi, do Grêmio. Confiram aqui.

Pois muito bem. Quando todos pensavam que o traíra já tinha dado sua missão por encerrada, ele voltou a atacar. E novamente enojou o baba do Palmeiras neste último domingo. Para tentar despistar, Marcos largou a seguinte culhuda: “Mesmo se fosse o Manchester jogando no Barradão ia tomar sufoco”.

O golpe não funcionou. A entregada foi tão vergonhosa que chamou a atenção da diretoria do Palestra. Não foi à toa que Belluzzo disse que vai proibir Marcos de defender (defender é modo de falar) a meta palmeirense em jogos contra o Vitória.

P.S Agora, vejam vocês se sobrenome não é destino. O referido goleiro foi agraciado na pia batismal com um Silveira Reis. É um traidor nato.

Franciel Cruz

Anúncios

Entry filed under: Brasileiro, Clubes.

El Pitufo sabe mais por velho Pequeno tratado sobre a ruindade

11 Comentários Add your own

  • 1. Anônimo  |  16/09/2009 às 15:10

    “E, nas oitavas de finais da Copa do Brasil de 2003, ele realizou estripulias que fariam corar até o frangueiro Mazaropi, do Grêmio. Confiram aqui.”

    jfashjkfs, sai dae.

    Acho que deveria trocar Mazaropi por, sei lá… VIÁFARA. (isso lá é nome?

    Voltando ao texto:
    Agora entendo… nem eu errava aquele soco jsajk

  • 2. arbo  |  16/09/2009 às 15:30

    aquele jogo de 93 é o primeiro, de q me lembro BEM, em q torci fervorosamente para um time d’outras cores. sequei afu o palmeiras mas não deu (ainda devo ter achado injusto). aquilo, como AO marcos, tbm me MARCOU. sequei novamente no fim de semana. desta vez com suuuuuucessso.

  • 3. Yuri  |  16/09/2009 às 18:14

    Que vídeo, Franciel, que vídeo!!!!
    Que partidaça do Nádson aquele dia…

    E a narração do repórter: “No segundo tempo, o Palmeiras volta AINDA MAIS MORIBUNDO, nenhum SER VIVO consegue marcar a arrancada de Dudu Cearense, sem marcação, ele marca. 5 a 1 Vitória.”

    “nenhum SER VIVO”

    SER

    VI

    VO

    Morri.

  • 4. Prestes  |  16/09/2009 às 18:28

    ROBERTO CAVALO VIVE

  • 5. Neves  |  16/09/2009 às 21:11

    PQP, quase tive um enfarto de tanto rir ao ver aquele bonequinho dizendo PIU-PIU no vídeo.

  • 6. FERN  |  16/09/2009 às 21:56

    mira!

    http://www.la-redo.net/?p=27785

  • 7. Tonhão  |  16/09/2009 às 22:34

    “um zagueiro com nome de zagueiro”

    vai pro meu epitáfio.

  • 8. Luís Felipe  |  17/09/2009 às 04:56

    Meus irmãos e eu torcemos para o Vitória em 1993.

    Meu pai não tolerava isso. “Como pode um time do FITO NEVES e do ROBERTO CAVALO ser campeão? Depois de sair da REPESCAGEM!”

    melhor ano. Saudades dos cabeludos no futebol – sem chapinha

  • 9. arbo  |  17/09/2009 às 09:04

    hauhauha
    mto bom o vídeo
    MALUCO

  • 10. Logan  |  18/09/2009 às 14:08

    Marcos 12º Jogador do Vitória.

  • 11. para babası  |  22/09/2009 às 16:35

    mucas grasias

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Subscribe to the comments via RSS Feed


Especial – Libertadores 2011

A bola da ImpedCopa

Toco e me voy

Feeds

web tracker

%d blogueiros gostam disto: