Soweto

10/07/2009 at 13:10 40 comentários

Eu quis ser o Belo.

Poderia utilizar-me do velho subterfúgio “tenho um primo que queria ser o Belo”. Mas não dessa vez. Colocarei a verdade acima da dignidade.

Sim, meu nome é Thalles e eu quis ser o Belo.

E é esse mesmo que vocês estão pensando.

Em minha defesa, digo que os anos eram outros. Uma época em que a grande sensação do futebol mundial era o La Coruña de Mauro Silva e Bebeto e o computador mais possante era um 486.

Revendo as fotos daqueles anos oxigenados, com meu bigode ralo e a puberdade pululando em crateras faciais, entendo o porquê do meu fiasco com o sexo oposto.

Mas àquela época meu senso de ridículo era inversamente proporcional à quantidade de hormônios, e junto com alguns amigos também portadores de aparência especial, tivemos a grande idéia de formar uma banda de pagode.

Sim, senhores, pêapá gêójó dêédê. Pagode.

Apesar de roqueiros, adotamos o pragmatismo daquele russo precursor do moonwalk, “um passo atrás para dois à frente”. Era o auge do pagode, com bandas do naipe de Katinguelê, Karametade, Molejo e Só no Sapatinho. Nas festinhas de 15 anos, só se ouvia o hit “varre pra esquerda, varre pra direita, levanta poeira que essa dança é porreta.” Ter uma banda de pagode era como ouvir o Silvio Santos dizer “que se abram as portas da esperança” e de lá saírem todas as dançarinas de palco do Domingo Legal para acabar de vez com nossa virgindade.

No cavaquinho, Felipe “Puff” e sua mecha pré-chimbiana. No pandeiro, Paulo “Enxamoso” Batata. Nos teclados, Pablo “Lambida-de-Vaca”. No violão, Renato “O Galeguinho”. E no tan-tan e vocais, esse que voz escreve.

A banda fez jus ao nome – “Curto-Circuito” – e durou apenas dois ensaios. Tempo suficiente para o sucesso subir às nossas cabeças.

Uma das poucas músicas que conseguíamos tocar – miseravelmente, diga-se de passagem – fazia um sucesso danado na voz do oxigenado Belo. E para vocês verem como a investida no mundo da música marcou fundo meu ser, ainda me lembro do refrão da música. Algo do tipo “Eu sei! te desejo, te quero, te amo. E assumo que é pra valer. Quero a paz em meu interior. Tenho amor para oferecer (e agora o êxtase) Derê! Derererê! Dererererê! Derê! Derererê! Dererererê! Derê! Derererê! Dererererê!”.

Essas recordações me matam, diria o Rei nesse momento. A verdade é que elas me vieram junto com as imagens dos trabalhadores sul-africanos marchando em greve, com seus sorrisos abertos, pulos e danças em frente ao estádio Soccer City, na cidade de Soweto – que por sinal era o nome da banda do Belo cachinhos oxigenados.

Imbuído de nostalgia juvenil, resolvi fuçar um pouco mais essa história da greve nos jornais de lá.

Pra começar, o intercâmbio entre Brasil e África do Sul não se resume a Parreira e Joel Santana. Ricardo Teixeira e o pessoal do Comitê Olímpico Brasileiro devem ter passado uma boa temporada por lá, percorrendo o país de Mandela com suas palestras sobre probidadade administrativa na gestão de orçamentos.

Senão, vejamos. Quando a África do Sul foi escolhida em 2004 como primeiro país africano a sediar uma Copa do Mundo, os custos estimados eram de 2,3 bilhões de rands – a moeda local. Em 2006, o pessoal da organização chegou pro Tesouro Nacional e falou: Então, tá faltando um dinheirinho aí pra comprar umas gramas de primeira, sabe?, pintar as cadeiras, trocar os travessões, coisa pouca. Quanto? Ah, qualquer 10 bilhões de rands serve. E não parou por aí. Nessa brincadeirinha, o orçamento já chegou à casa dos 27 bilhões de rands, algo em torno de 3,3 bilhões de dólares. Nada mal para um país com mais da metade da população abaixo do nível da pobreza.

Agora, o outro lado da moeda. A média de salário entre os trabalhadores nos estádios é 310 dólares (o salário mínimo da África do Sul é algo próximo dos 200 dólares). Mas os sindicatos denunciam que tem trabalhador ganhando a bagatela de cinco dólares por semana. “O dinheiro que eu ganho não é suficiente para minhas necessidades” disse numa entrevista o operador de guindaste Coolman Nkosi, 24 anos. “O custo de vida é alto, e com o passar do tempo as coisas vão ficando mais caras. A gente também tem que ter algum benefício com os projetos para a Copa de 2010.”

A greve começou porque o pedido de 13% de reajuste salarial por parte do sindicato da categoria foi negado pelas construtoras privadas – que só querem dar 10.4%. E os trabalhadores não estão dispostos a voltar tão cedo. “Se for preciso, nossa greve vai até 2011” disse o porta-voz do National Union of Mineworkers, Lesiba Seshoka.

Já tem gente por lá acusando os trabalhadores de oportunismo e sabotagem. Em resposta, o pedreiro Paul Matije, 28 anos, diz no canteiro de obras do Soccer City: “As pessoas que estão lucrando com isso são os ricos. Nós nos perguntamos onde está o dinheiro. Olhe para o maravilhoso trabalho que estamos fazendo, nós precisamos ser pagos por isso. Até porque, no final das contas, nós não vamos poder assistir a nenhum jogo mesmo.”

Faço minhas tuas palavras, Matije.

Thalles Gomes

Anúncios

Entry filed under: Colunas, Contribuições, Copa do Brasil.

Liga acarca Pastor e festeja Recopa Pela Recopa em janeiro

40 Comentários Add your own

  • 1. Yuri  |  10/07/2009 às 13:18

    Da descontração do auge pagodeiro dos 90’s até essa dura realidade. Grande texto.

    Copa 2014 = 30 bilhões. Eu acredito.

  • 2. fino  |  10/07/2009 às 13:22

    traz a caSSamba, traz a caSSamba…

    :~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

  • 3. J Petry  |  10/07/2009 às 13:26

    Thalles mestre!

  • 4. dante  |  10/07/2009 às 13:27

    puta que pariu, que texto sensacional!

    SABOTAGEM JÁ!

    aliás, seria lindo ver isso, hein? a copa NÃO SENDO realizada, ou tendo que mudar a sede…

  • 5. Yuri  |  10/07/2009 às 13:38

    Só para CONSTAR, o estádio Sapporo Dome, que foi sede japonesa na Copa-2002, custou menos que 400 milhões de dólares. E foi o mais caro de todos. Mas vejam o que ele oferece, é impressionante:

    http://www.sapporo-dome.co.jp/foreign/index-en.html

  • 6. Daniel Barden  |  10/07/2009 às 13:40

    Isso é um gostinho do que sera a copa de 2014…

  • 7. Rudi  |  10/07/2009 às 13:41

    dante, QUASE aconteceu uma vez… em 1960 um terremoto foderoso praticamente destruiu o chile, a fifa sugeriu mudar a sede e voltar pro chile, sei lá… umas 40 copas depois, mas eles disseram “se nada temos, do nada nos ergueremos” (ou algo assim)

    tá, na época era mt simples fazer uma copa…

  • 8. Lucas Cavalheiro  |  10/07/2009 às 13:44

    Namorada passando aqui, olhou a tela branca e verde e comentou:

    – Mas o que que tu tanto ri nesse site?

    Sensacional o texto. Como sempre, muito visuais e cheios de pérolas da nossa memória.

  • 9. m  |  10/07/2009 às 13:57

    COOLMAN nkosi.

  • 10. Arbo  |  10/07/2009 às 14:02

    “E para vocês verem como a investida no mundo da música marcou fundo meu ser”
    TOMOU CONTA DO MEU
    SE-EEEERRRRR

    o povo ri pra não chorar

  • 11. alemao  |  10/07/2009 às 14:02

    alguém lembra do programa q dava no discovery, ou assemelhado, o Conections 3? Eram sempre 3 assuntos aparentemente muito diferentes q se AJUNTAVAM em dado momento…Pô Thalles, fizeste inveja nos produtores…

  • 12. fino  |  10/07/2009 às 14:15

    quem chorou agora fui eu, arbo… vendo os videos no ducker.com.br do jogo contra o cruzeiro…

    cambada de fia das puta, perderam a liber mais facil de todos os tempos… ta caindo soh agora a ficha…

    aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa

  • 13. Eduardo  |  10/07/2009 às 14:37

    Bah, IMPAGÁVEL essa parte de montar a banda de pagode!! E muito bem escrito o texto.
    Parabéns, Thalles!
    Como é bom ser assinante do Impedimento.

  • 14. Prestes  |  10/07/2009 às 14:50

    Bravo!

  • 15. Gabriel Teixeira  |  10/07/2009 às 15:02

    “Derê! Derererê! Dererererê! Derê! Derererê! Dererererê! Derê!
    Derererê! Dererererê!”

    Não consegui ler nada mais depois disso aqui.

  • 16. Francisco Luz  |  10/07/2009 às 15:05

    Que texto genial. E eu achei que era impossível ficar melhor depois da parte da banda de pagode.

    Onde vocês acham estes caras?

  • 17. Rudi  |  10/07/2009 às 15:22

    pior q eu fiquei com a música na cabeça agora… Thalles maldito

  • 18. Daniel Cassol  |  10/07/2009 às 15:31

    Bah, eu meio que fico DESMORALIZADO com estes textos aí do Thalles. Contratarei um ghost writter a partir de agora.

  • 19. dante  |  10/07/2009 às 15:37

    boa ideia, cassol!

    contrata o thalles mesmo! çlaskdçlaskdlç

  • 20. gilson  |  10/07/2009 às 15:40

    Thalles TRAIDOR do movimento!!
    de Stooges o cara muda pra Belo? kasjdlkfasdjfkldsjaklf

    sobre o mesmo assunto: por uma TAG Thalles Gomes dja!!

  • 21. Daniel Cassol  |  10/07/2009 às 15:40

    Não, penso em contratar o autor do Comentário Dezessete.

    Pago R$ 5 mil por LAUDA. Mas ele precisa se acusar.

  • 22. Felipe catarina  |  10/07/2009 às 15:51

    Beber uma cerveja bem gelada
    Dar aquela paquerada junto com a rapaziada
    Na loira, na pretinha, na morena,
    Na gracinha, no design da bundinha da mulata
    Pode até chover e relampejar
    Hoje eu vou pagodear

    ah, os anos 90!

  • 23. Prestes  |  10/07/2009 às 15:52

    Fui eu, Cassol, passa a grana, dhuasdhasdhsadhdhua

  • 24. dante  |  10/07/2009 às 15:56

    o cassol prometer pagar 5.000 de QUALQUER MOEDA é CALOTE CERTO.

    não me acusarei. lksjdksaj

  • 25. col  |  10/07/2009 às 16:01

    O texto me ganhou já no Big Bang Theory que é sensacional.

    Se lembram que o filho do Zico tocava o “Só no Sapatinho”?

    Os maiores escândalos políticos/roubalheiras no Brasil acontecerão entre 2013 e 2015.

  • 26. izabel  |  10/07/2009 às 16:23

    SENSACIONAL

  • 27. claudiacb  |  10/07/2009 às 16:26

    se superou! to rachando o bico

  • 28. zobaran  |  10/07/2009 às 16:53

    Thales,

    Desejo pra você paz e saúde…

  • 29. Junior  |  10/07/2009 às 17:12

    Anos 90, a época em que eu era infeliz e sabia.

  • 30. Prestes  |  10/07/2009 às 17:19

    hudhuhduahuduhduhuhhuhuuhhuha

  • 31. JC  |  10/07/2009 às 17:26

    Queria ser o Belo só pra comer a Viviane Araújo.

    No mais, excelente texto.

  • 32. Luís Felipe  |  10/07/2009 às 17:40

    muito bom. que vergonha isso q está ocorrendo na sudáfrica…

  • 33. Marimon  |  10/07/2009 às 17:41

    Muito bom.

    E tô com o Col nessa,

    “Os maiores escândalos políticos/roubalheiras no Brasil acontecerão entre 2013 e 2015”.

  • 34. vincent  |  10/07/2009 às 18:32

    heheehhh o belo só usa TÊNIS A.R., de preferência em quantidade.

  • 35. Fiscal do ECAD  |  10/07/2009 às 22:36

    Pode juntar as moedinhas, gurizada.

  • 36. Frank  |  11/07/2009 às 00:26

    “Apesar de roqueiros, adotamos o pragmatismo daquele russo precursor do moonwalk, “um passo atrás para dois à frente'”.
    MELHOR FRASE… haaohaoahodaohoh

    Agora falando sério, muita sacanagem o que acontece na África do Sul…
    Realmente, depois nenhum operário consegue entrar lá mesmo, com os preços extorsivos que vão cobrar pelos ingressos (vide a Copa das Confederações)…
    Me lembrei na hora daquela música do Zé Geraldo (Cidadão é o nome)… FODA!
    PROLETÁRIOS DE TODO O MUNDO, UNI-VOS! (ns)

  • 37. liga de quito  |  11/07/2009 às 01:04

    EXORCISMO “ANTI PAGODE”http://www.youtube.com/watch?v=sO_QntXc-c4

  • 38. liga de quito  |  11/07/2009 às 01:06

  • 39. Logan  |  12/07/2009 às 12:10

    “Mas àquela época meu senso de ridículo era inversamente proporcional à quantidade de hormônios, e junto com alguns amigos também portadores de aparência especial, tivemos a grande idéia de formar uma banda de pagode.

    Sim, senhores, pêapá gêójó dêédê. Pagode.

    Apesar de roqueiros, adotamos o pragmatismo daquele russo precursor do moonwalk, “um passo atrás para dois à frente”. Era o auge do pagode, com bandas do naipe de Katinguelê, Karametade, Molejo e Só no Sapatinho. Nas festinhas de 15 anos, só se ouvia o hit “varre pra esquerda, varre pra direita, levanta poeira que essa dança é porreta.” Ter uma banda de pagode era como ouvir o Silvio Santos dizer “que se abram as portas da esperança” e de lá saírem todas as dançarinas de palco do Domingo Legal para acabar de vez com nossa virgindade.”

    SEN-SA-CIO-NAL

    Viva o proletariado!!

  • 40. EGS  |  12/07/2009 às 22:32

    Thalles MATADOR.

    PAGODE 4EVA

    BANDABRASILGRUPORACAOSMORENOSRACANEGRASOPRACONTRARIARKATINGUELESOWETOMOLEJOSOPRETOSEMPRECONCEITO

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Subscribe to the comments via RSS Feed


Especial – Libertadores 2011

A bola da ImpedCopa

Toco e me voy

Feeds

web tracker

%d blogueiros gostam disto: