Por que Libertadores ou O triste fim de um apêndice são-paulino

25/02/2009 at 14:01 51 comentários

Sob o risco de colocar toda a minha credibilidade no lixo, revelo que descobri o futebol aos 13 anos, idade em que inglesinho já anda por aí fazendo filho. Se um dia isso for usado contra mim, nego e tenho provas do contrário: fotos de piá com a camisa do Grêmio costurada pela avó e tudo, mas isso se dava menos por interesse e mais por insistência de um tio gremista que, determinado a se vingar dos oito irmãos colorados, decidiu cooptar toda uma geração de sobrinhos com bugigangas tricolores.

A indiferença com o esporte bretão era graças a uma síndrome. Até hoje ela faz com que bolas de futebol se transformem em bolas de rugby toda vez que tocam meus pés. Creio, portanto, que todas aquelas vezes em que fui deixado por último na escolha dos times da Educação Física fizeram com que a mente vinculasse futebol a frustração. A importância que dava para a fidelidade ao meu time era tamanha que lembro de ter comprado um boné do São Paulo só por achar bonito, para ser diferente do Chicago Bulls de oito listras que adornava a cabeça da gurizada. Isso tudo começaria a mudar em uma tarde de claudicantes dores abdominais em março de 1995.

Dali a uns três dias, já sem apêndice e aguardando hospitalizado para que meus intestinos esquecessem a anestesia geral, descobri pelo comentário do Paulo Sant’Ana, no Jornal do Almoço, que a Sessão da Tarde seria substituída por um jogo do Grêmio. Marinheiro de primeira viagem nas previsões fatalistas do (já) velho Sant’Ana, me preparei para a goleada.

Segundo o tremelique, o Grêmio era um fiasco. Mostrara algum brio, mas nenhuma qualidade na derrota para o Palmeiras, em São Paulo, e tivera sorte no empate contra o Emelec. Agora não teria jeito: além da altitude, o Grêmio enfrentaria o temido El Nacional, time formado por jovens atletas do exército equatoriano (nunca descobri se isso é verdade) e que vinha de vitória contra o poderoso Palmeiras. O Grêmio seria massacrado, caminhava para a lanterna no grupo e para a desclassificação na primeira fase da Libertadores, um vexame inominável (A/C Fernandão).

Tirando o oba-oba em Copas do Mundo, era a primeira vez que eu assistiria na íntegra a um jogo de futebol com interesse. E a cena de fato não parecia nada boa para os azuizinhos. O sol rachava e deixava o gramado naquele tom amarelado, da mesma cor da camisa de 11 negões cheios de saúde, que aplicavam uma correria desgraçada pra cima dos mirrados gremistas.

Apesar da superioridade física, os equatorianos só chutavam de fora da área, consagrando Danrlei de Deus. Alguns minutos depois, o Grêmio começou a arriscar uns contra-ataques. Um deles resultou em falta na quina da grande área, e Arce partiu para a cobrança. Foi a primeira das tantas vezes em que me assombrei com a precisão do paraguaio: Arce parecia tentar sempre um misto de cruzamento e chute a gol. Alto e em curva, a cobrança buscava a cabeça dos atacantes, mas, se ninguém afastasse, seguia perigosa em direção ao gol. E a cobrança foi exatamente assim: cruzou a jato a grande área para morrer rente à trave oposta: 1 a 0.

Nesse ponto, o temor dos comentaristas era de que o Grêmio cansasse com a inevitável pressão do El Nacional na segunda etapa, nas alturas do Equador. E cansou mesmo. Depois de tanto tentar de longe, um equatoriano adentrou a área, ganhou da zaga na corrida e chutou alto e forte, com raiva, para empatar o jogo. 1 a 1. Danrlei fazia aquela frescura de não devolver a bola. Agora era rezar para segurar o empate.

Nos descontos do segundo tempo, o El Nacional chutava tudo o que via pela frente, até que em meio à pressão desgovernada Paulo Nunes recebeu um passe perto do meio-campo. Com medo de ouvir o apito final se largasse a bola, resolveu apostar corrida com o marcador em direção à área. Livre, o loiro foi recepcionado pelo goleiro com uma VOADORA NA CARA. Ali soltei o primeiro berro como gremista, arrebentando três pontos do abdome. Pênalti. Briga. Arce. Gol. 2 a 1. Fim.

O futuro mostraria que o resultado não era nada demais: o Grêmio tinha um dos melhores times de sua história (embora não soubesse ainda), enquanto o todo poderoso El Nacional terminaria a competição na lanterna do grupo, com direito a um 7 a 0 do Palmeiras no jogo de volta. Mas o que os meus olhos de piá viram naquele dia foi a primeira demonstração da tal mística tricolor, tão clichê e exagerada quanto a própria palavra “mística”: a do time guerreiro que nunca vende barato a derrota. E naquela década eu assistiria a outras tantas.

Ao sair do hospital, a primeira providência foi me aproveitar da sensibilidade dos pais e pedir uma camisa nova do Grêmio. Depois do berro que me arrebentou os pontos, viriam outros tantos: em frente a Aílton, no primeiro título testemunhado no Olímpico. Ajoelhado na sala, enquanto o Ajax convertia seus pênaltis. Abraçado a um alemão sem dentes quando Luís Mário empatou e adiou a decisão da Copa do Brasil. Na janela do apartamento, às lágrimas, esconjurando todos os colorados que já existiram e perdendo o gol de Anderson, ainda sob o efeito da defesa de Galatto.

Hoje, os gritos voltam a prestar serviço ao time de Roth na Libertadores. Ainda que reconheça a importância futebolística da Copa e o seu fascínio sobre todos os sul-americanos, eu a cobiço por um motivo a mais: se trata da competição dos adversários esdrúxulos e estádios inóspitos que me apresentou ao futebol e me talhou gremista.

Rumo ao tri,
Caue Fonseca.

Entry filed under: Clubes, Colunas, Libertadores.

Após a falência do caráter, o futebol Um moço afoito, uma senhorinha melindrosa

51 Comentários Add your own

  • 1. Anderson Fraga  |  25/02/2009 às 14:35

    Perfeito relato!

    Coparemos!

  • 2. Francisco Luz  |  25/02/2009 às 14:39

    Belo relato, e normal de gremistas: pra escolher essa chaga, não podem gostar de futebol, mesmo.

    [fire]

  • 3. ARBO  |  25/02/2009 às 14:39

    bá.
    tri.

  • 4. JC  |  25/02/2009 às 14:43

    Belo relato…

    Aprendi a gostar de futebol somente na PUBERDADE. Durante toda a minha infância ASMÁTICA, era impedido de correr atrás da pelota, desdenhando daqueles que o podiam.

  • 5. JC  |  25/02/2009 às 14:43

    E dá-lhe TRICOLOR!!!!

  • 6. Guilherme  |  25/02/2009 às 14:46

    Bah, o 3×1 contra o Nacional é até hoje meu momento predileto no futebol.

    Mas faltam uns guris no time atual do Grêmio pro meu gosto. Só tem véio e o Adilson…

  • 7. fino  |  25/02/2009 às 14:49

    Espero não PERDER O CARRO esse ano…

  • 8. Diogo  |  25/02/2009 às 14:53

    Muito bom.

    O Jonas será o Paulo Nunes 2009.

  • 9. Patrick  |  25/02/2009 às 15:01

    Massa.

    Liber é diferente, tem aquela AURA e tal.

    AGUANTE

  • 10. mardruck  |  25/02/2009 às 15:09

    Ahhhh chega logo 21h50!

  • 11. ARBO  |  25/02/2009 às 15:32

    o caue escreve muito bem. os textos sempre são muito bons, com ótimas sacadas. e agora q presto atenção ao título então…

    eu e minha senhora vamos de arquibancada

  • 12. fino  |  25/02/2009 às 15:35

    Além dessa coisa de aura e não sei o que mais… o bom da Libertadores também é vir aqui no dia seguinte e ver o Douglas em combustão…

    Trechos que cavoquei no El Viejo Impedimento

    “Quando os azuis obtiveram a vaga para a Copa, minha intuição não me agradou nem um pouco. Me parecia meio óbvio que o Grêmio não desperdiçaria a chance de apreciar bem o filé depois da moela refogada da Segunda Divisão. Acrescente aí o título obtido pelo rival em 2006 e o conhecimento dos caminhos da América pelos azuis e temos o quadro pronto para o crime.

    ————

    Ai, Dorinho. O Grêmio passou por cima do Santos, fez 2 a 0, poderia ter feito 3 ou 4, e tem tudo para chegar na final da Copa Libertadores. Só me resta dizer uma coisa agora: S O C O R R O !

    ————

    Todos os meus temores estão se confirmando. Não foi nada bom o que se passou pela minha cabeça quando o Grêmio obteve a vaga para a Libertadores. O difícil, meus caros amigos gremistas, é ser colorado. E ficar nessa angústia, temendo que o rival se sagre campeão no ano seguinte ao título colorado, uma das coisas mais odiosas possíveis no mundo. “

  • 13. fino  |  25/02/2009 às 15:36

    Estranhamente não encontrei nada sobre A FINAL daquele ano…

    ]sdafh89989psdjhio´sdaji´jsdgiaopjsdafiojmsdf

  • 14. ARBO  |  25/02/2009 às 15:42

    ahuahauhauha, boas recordações, fino.

  • 15. Mosqueteiro  |  25/02/2009 às 15:49

    Sensacional a narrativa. Já este Mosqueteiro foi forjado a ferro e fogo nas dificuldades dos anos 70. Vou citar a célebre frase do meu amigo Fernando Bueno, irmão do Peninha. A Terra é azul, pena que MENSTRUA de 97 em 97 anos.

  • 16. Deluca  |  25/02/2009 às 15:58

    Eu também sempre era o último a ser escolhido para os times, durante a infância. Hoje, evoluí.

    Sou o antepenúltimo, às vezes.

  • 17. Ismael  |  25/02/2009 às 16:02

    A solução pra isso é jogar no gol, sempre tem vaga…

  • 18. col  |  25/02/2009 às 16:05

    Uma pergunta: vai rolar viagra na concentracao ou essa pratica medica restringe-se apenas ao locais de elevada altitude?

  • 19. fino  |  25/02/2009 às 16:07

    Vai col…

    Bota a cerveja pra gelar e te prepara pra ver o primeiro gol de bengala da tua vida, às 22h17…

  • 20. col  |  25/02/2009 às 16:10

    Valeu pela info Fino.

    Vou colocar as minhas Newcastles na geladeira e vou dar uma secadinha ouvindo a narracao argentina ou mexicana da Fox…

  • 21. fino  |  25/02/2009 às 16:12

    Trabalho na quarta-feira de cinzas devia ser proibido, ainda mais com estreia na Liber pela frente..

    Estou DIBLANDO (Andershow, 2005) o trabalho aqui.

  • 22. Ismael  |  25/02/2009 às 16:15

    bah, fino ON FIRE! uahushuhasuhsa

  • 23. André  |  25/02/2009 às 16:17

    A Kiss-Flower já levou o carnaval?

    E quanto a Libertadores, só vou começar a me estressar à partir das quartas, ficar torcendo pra Boitatá Chicó não eras. Mas uma coisa ruim dessa edição da liber é que o Sao Paulo não é o bicho, o River tá mal e o Boca parece que não tem a mesma força.

    No fim, acho que o Sport vai eliminar o Gremio.

  • 24. ARBO  |  25/02/2009 às 16:18

    col tem umas fantasias estranhas

  • 25. col  |  25/02/2009 às 16:23

    Arbo, a diversao eh mais a cerveja muito boa (com preco barato) e a narraco em espanhol, com os caras torcendo para os chilenos.

    O gol de bengala eu duvido…

  • 26. Gabriel R.  |  25/02/2009 às 16:48

    bah, q inveja…. dia de jogo de libertadores tem um valor especial!

    Que merda que o inter nao teve competencia pra estar na copa esse ano… e depois os caras querem atingir marca de 100 mil socios…. Dai nem com toda a cachorrada da rua consegue!

  • 27. fino  |  25/02/2009 às 17:06

    Que loucurahoch…

    parece que ainda é carnaval.

    “Aham, vou umas 20h ali pro baixinho…”

    “Tá blz, só vou passar em casa e vou pra lá”

    “Acho que umas coleguxas aqui do tribunal vão também”

    “Issaaaa!!! Bamooooooooooooo!”

  • 28. Prestes  |  25/02/2009 às 17:10

    Jogo do Grêmio = Padre Chagas.

    Jogo do Inter = copa do brasil = várzea.

    perdi.

  • 29. fino  |  25/02/2009 às 17:24

    http://video.globo.com/Videos/Player/Noticias/0,,GIM972216-7823-SP+PRESOS+SKINHEADS+ACUSADOS+DE+ESPANCAR+ADOLESCENTES,00.html

    skinhead colorado? nããããoooooooooooo

  • 30. Tim Maia da Coréia  |  25/02/2009 às 18:02

    Skinhead desinformado esse…

    Mas com esse naipe de gordinho fanfarrão, parece uns parceiros coreianos da cachaça dos bons tempos!

  • 31. Renato K.  |  25/02/2009 às 18:04

    Skinhead CABELUDO ????

    Arbo: Bá. TETRA. 🙂

    O Muricy prometeu ganhar este ano. Eu acredito no Muricy. 😀

  • 32. Tim Maia da Coréia  |  25/02/2009 às 18:06

    Facção ANTI-EMO.

    Hahahahahahaha!

    Aí até tá valendo…

  • 33. fino  |  25/02/2009 às 18:12

    Achei meio bizarro também… mas fica o registro hehehe

  • 34. fino  |  25/02/2009 às 18:12

    alguém sabe o que aconteceu com o novacorja.org?

    parece que tá fora do ar…

  • 35. Francisco Luz  |  25/02/2009 às 19:08

    Políbio agindo.

  • 36. Atilio  |  25/02/2009 às 19:09

    Que coisa linda, Caue!

  • 37. Camilo  |  25/02/2009 às 19:16

    perfeito!
    me assusta saber que gremista também tem sentimentos…

  • 38. Andreas  |  25/02/2009 às 19:31

    Cara, que bom seria se todos os gremistas tivessem a PAZ DE ESPÍRITO para escrever como tu escreve.

    Perfeito o texto, dá gosto de ler, embora eu seja apenas um SECADOR AZARADO, daqueles que ligam a TV só pra ver quanto tá o jogo do Grêmio — no exato momento em que o Grêmio marca o gol da vitória.

    Por sinal, vou o cinema hoje à noite.

    Abraços.

  • 39. Titi  |  25/02/2009 às 19:45

    Vao colocar um pandeiro sobre simbolo na camisa?

  • 40. augusto genz  |  25/02/2009 às 19:47

    falando em texto, alguém viu o suposto texto que o paulão teria escrito (ou mandado escrever, sei lá)? sério, chega a ser mais vexatório que esse racha na geral.

    http://gremioimortal.blogspot.com/2009/02/banda-louca-do-paulao.html

  • 41. Prestes  |  25/02/2009 às 20:27

    39. Titi | 25/02/2009 at 19:45
    Vao colocar um pandeiro sobre simbolo na camisa?

    uhsdhudhudsdushahusauhsahud

    Melhor flauta.

  • 42. augusto genz  |  25/02/2009 às 20:28

    é muita cara de pau:

    http://globoesporte.globo.com/Esportes/Noticias/Futebol/0,,MUL1017885-9825,00.html

    Pico chega ao Figueira fora de forma, mas com motivação de sobra

    – Ele está muito abaixo fisicamente, mas já sabíamos disso, não é surpresa para ninguém. Ele é um jogador mais forte e vai iniciar do zero a preparação para que, na hora em que estiver bem, poder brigar pelo seu espaço. Sem dúvida a minha intenção é utilizá-lo ainda no Estadual – admitiu Pintado.

  • 43. izabel  |  25/02/2009 às 20:30

    muito lindo o texto, caue.
    aliás, em geral, seus textos são muito bons.

  • 44. sugestão  |  25/02/2009 às 21:23

    durante a libertadores, botem gremistas para fazer os textos respectivos, porque o blog já está com (justa) fama de colorado (também sou, por sinal).

  • 45. Braga Jr.  |  25/02/2009 às 21:37

    como sempre faço, mesmo quando os times que enfrentam o Inter vem jogar aqui, cheguei na frente do hotel onde estavam os da barra chilena e tentei trocar camisetas. Eles recusaram a do Inter dizendo que aqui torcem para o Grêmio e tinha inclusive um cara vestindo a tricolor.

    jogo de uma torcida só. A Libertadores não é mais a mesma.

  • 46. Prestes  |  25/02/2009 às 23:56

    Tchê, que jogo insano! Não me lembro de ter visto antes algum bombardeio semelhante, desde HIROSHIMA E NAGASAKI.

    Miguel Pinto >>>>>>>>>>>>>>>>>> Yashin

    Douglas Costa = Bruno Soneca

    Tenho ditohoch

  • 47. Francisco Luz  |  26/02/2009 às 00:12

    Esse Douglas é pra ser a promessa? Muito ruim.

    Nunca vi bombardeio igual, Miguel Pinto é feito de kriptonita.

  • 48. Marimon  |  26/02/2009 às 00:33

    Mas joga bola esse Universidad.

    Tá loco, que timaço!

  • 49. joão carlos  |  26/02/2009 às 00:33

    dksjfgskjladasdf…

    jogo planejado pra dar esperança a secador (mentira)

    não há de ser nada, ainda dá pra fazer mais 9 pontos e classificar em primeiro…

  • 50. joão carlos  |  26/02/2009 às 00:34

    bah, também achei…

    só não joga mais que o UNIÃO-MT

  • 51. Marimon  |  26/02/2009 às 00:46

    Olha João, pelo que vi hoje, tens toda a razão.

    Não joga mesmo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Subscribe to the comments via RSS Feed


Especial – Libertadores 2011

A bola da ImpedCopa

Toco e me voy

Feeds

web tracker

%d blogueiros gostam disto: