Algo guardado como um tesouro

12/02/2009 at 06:00 78 comentários

Embora nascido na CAPITAL, durante quase toda a minha vida morei em Cachoeirinha, sabidamente o CORAÇÃO da Grande Porto Alegre. Nos mudamos para lá quando eu tinha uns três anos, no exato dia em que o Brasil esmurrugou o chorizo da Argentina pela Copa do Mundo de 1982.

Durante a primeira metade da década, eu vivia feliz, jogando pedra em cachorros e desbravando o pátio mal capinado. Mas os anos foram passando, os anos 80 caducando e MILLY VANILLY chamando na ternura. Era, no entanto, uma época ÁRIDA para ser colorado e, mais do que isso, para presenciar o futebol como ele deve ser sorvido, no campo.  Meu pai era garçom, o que o fazia trabalhar nos horários tradicionalmente dedicados aos jogos. Como minha mãe achava um absurdo que um adulto de menos de DEZ anos desbravasse a cidade grande e enfrentasse os VISIGODOS em um estádio, me contentava com um rádio que parecia um caixote de madeira. Para ir ao meu primeiro jogo no campo, lancei mão de uma estratégia PUSILÂNIME: pedi como presente de aniversário. O placar foi 3 a 0 para o Inter, contagem que meses depois se revelaria demasiado IRÔNICA.

Aquele 1988 foi um ano LÚDICO. O futebol começava a se entranhar no meu CORPO pela boca, descendo pelo pescoço e se roçando no SOVACO. Cheio de esplendor, em suma. Lembro, por exemplo, de ter acompanhado na TV um retumbante empate em ZERO entre Atlético-PR e Inter – naquele tempo, jogos do Inter na televisão eram tão raros quanto divórcio entre AVÓS. Mas essa SAFRA, para os vermelhos, era de uma miséria de fazer inveja aos mais dedicados FRANCISCANOS: o Grêmio enfileirava títulos regionais, creio que todos conquistados em CLÁSSICOS. O pobre rádio de madeira GRASNAVA um canto horripilante que envolvia nomes de entidades malignas do porte de Paulo Egídio e Jorge Veras. Eu me defendia jogando mais pedra nos cachorros.

Entretanto, aquele ano, o mesmo da inesquecível Olímpiada de Seul (abraço, Aurélio Miguel!), prometia. O Colorado montou num porco e largou-se campeonato a fora, fazendo uma campanha digna de HOLLYWOOD. Nilson vai, Edu vem, Maurício pra cá, AGUIRREGARAY pra lá, e CRÉU: chegamos na semifinal. Quem nem era mais apenas semifinal. Não era nem o Campeonato Brasileiro. Não era mais nada. O que estava na pauta ESPIRITUAL era o Gre-Nal do Século. Que, devido a estripulias da cartolagem, seria disputado apenas em fevereiro de 1989.

Aquela foi a primeira vez que lembro de ter me colocado em frente à televisão antes de o jogo começar. Junto, estava um primo gremista. Aliás, pensando agora, sempre havia um gremista espreitando pelos cantos nos piores momentos que presenciei do Inter. Safados. Pois. O tempo incial do maior de todos os embates desportivos desde SÓCRATES X CICUTA foi desesperador para os vermelhos. O Grêmio mostrou uma superioridade ESPARTANA, marcou um gol e ainda viu Casemiro ser expulso por tentar arrancar a omoplata de um adversário. Na minha condição de PIBE, não conseguia discernir alguns aspectos do jogo. Quando um gremista cobrou uma falta no pé da trave, por exemplo, eu pensei que Taffarel a tinha rebatido com o PÉ. Nenhum sentido.

Mas o que aconteceu no segundo tempo nem DEZESSETE Dostoievskis jamais conseguiriam narrar. Na casamata vermelha encontrava-se ninguém menos que Abel “Mestre do Universo” Braga, que mandou EDU atacar e fazer as vezes de lateral-esquerdo ao mesmo tempo, no maior desempenho de um indivíduo desde que BIZÂNCIO caiu de joelhos. E foi numa cobrança de falta de Edu, sofrida por ele mesmo, que Nilson cabeceou como se disso dependesse a existência de uma ESPÉCIE. Após o gol, o Grêmio desesperou-se, enquanto o Inter desempenhava uma de suas mais comoventes atuações. Faltas violentíssimas, carrinhos, balões e caneladas proliferavam-se e nos davam nítidos indícios de que Abel Braga havia injetado um DEMÔNHO no BAIXO VENTRE de cada jogador. Nilson, o nosso SASSÁ MUTEMA, aproveitou jogada de Maurício e ACARCOU a Professorinha, carimbando de forma indelével o maior resultado já obtido pelo Internacional e causando no Beira-Rio um CATACLISMA emocional só comparado a duzentos quilos de Desembarque na NORMANDIA.

grenal-do-seculo

Essa partida incomparável foi o primeiro jogo que guardei inteiro na memória – talvez eu nem tenha assistido de forma integral, mas sim montado os pedaços ao longo dos tempos. Porque me lembro de estar ARDENDO em um calor infernal e, após o segundo golo colorado, vivenciar a inédita experiência de ver pessoas aletatórias abraçando-se e gritando na rua, correndo sem rumo de um lado a outro da calçada. Eu morava em Cachoeirinha, mas daria um rim e DUAS pernas para estar em Porto Alegre. Não precisava nem ser no Beira-Rio. Queria apenas estar mais perto de tudo aquilo.

Se um cachorro guampudo me atacasse na rua e me dissesse que eu seria enclausurado em uma estrutura de concreto e que teria de escolher imagens de apenas um dia para relembrar até que Deus virasse CINZA DE CIGARRO, certamente seriam as de Nilson pulando na área, das pessoas se abraçando na rua e de tudo mais que envolveu aquele jogo que exatamente hoje completa 20 anos, simplesmente o maior que já presenciei. Uma imagens seriam reais; outras, inventadas. Mas isso é o que menos importa.

Saudações,
Douglas Ceconello.

Entry filed under: Clubes, Colunas.

Malharias Puma Top 10 humilhações do Goiás

78 Comentários Add your own

  • 1. Guilherme  |  12/02/2009 às 06:36

    Pra mim, o Inter ter ganho do Grêmio como ganhou e ter perdido do Bahia como perdeu é um dos retratos mais fiéis da história da dupla Grenal.

  • 2. marlon  |  12/02/2009 às 06:52

    tri massa o relato.

    só aquele “esmurrugou o chorizo da Argentina”, sei não. ficou estranho.

  • 3. col  |  12/02/2009 às 07:08

    Belissima lembranca.

  • 4. marlon  |  12/02/2009 às 07:16

    eu lembro do GERALDÃO marcando 5 nos dois grenais em 82, eu berrava sozinho na sala, radinho na mão (minha mãe cortou tv até meus 10 anos – por isso que sou assim bcfhidwciw), imaginando como havia sido o gol, o estádio, gritando palavrões que ainda nem conhecia pros vizinhos gremistas.

    *suspiro*

  • 5. dante  |  12/02/2009 às 07:33

    essa parte de APRENDER PALAVRÕES é a melhor.

    que relato a fudê.

    ceconello > garcia marquez

  • 6. Sanchotene  |  12/02/2009 às 07:46

    Hum-Hmm!

    Trocando de asssunto…

    …, começou o Hexagonal norte-americano por 3 vagas às Finais da Copa do Mundo e uma para a Repescagem contra o 5º da América do Sul. Eis os resultados:

    EE.UU. 2-0 México
    Costa Rica 2-0 Honduras
    El Salvador 2-2 Trindade-e-Tobago

    Tabela:
    1. EE.UU.
    Costa Rica 3; 1,0,0; 2,0; 2
    3. El Salvador
    Trindade-e-Tobago 1; 0,1,0; 2,2; 0
    5. México
    Honduras 0; 0,0,1; 0,2; -2

  • 7. Milton Ribeiro  |  12/02/2009 às 07:48

    Espetacular relato, Douglas.

    Eu estava te representando no estádio, como sempre fiz, mesmo sem saber. Fui um dos que mais berraram GREMISTA! para aquele Casemiro ridículo que resolveu agredir Trasante.

    Fiquei com a bunda grudada no cimento durante todo o intervalo. Nem queria olhar para o campo, tamanho o banho de bola. Aposto que Minelli pensa neste jogo de vez em quando, perguntando-se o que teria ocorrido naquele segundo tempo.

  • 8. Milton Ribeiro  |  12/02/2009 às 08:06

    Detalhe importante. A expulsão de Casemiro foi comemorada pela torcida do Grêmio e pela maioria da torcida do Inter, naquele desespero de “não ganha na bola, mas ganha no pau”. Uma minoria colorada, os que acreditavam no impossível, eu dentre eles, ofendiam Casemiro.

    O que mais irritou minha minoria foi que Casemiro saiu de campo e meio que comemorando a agressão — na minha opinião, sua autodemissão da partida. Batia no peito e levantava a torcida. Uma coisa muito louca, muito louca e argentina.

  • 9. gilson  |  12/02/2009 às 08:11

    Sudamerica 2 x 0. Duas vezes.
    Sancho: não sou de acompanhar, mas parece que os americanos são uma baita bucha pros mexicanos, não?

  • 10. Eduardo  |  12/02/2009 às 08:46

    EU FUI!
    Essa galera q compra ingressos pela internet nem sonha q os dirigentes resolveram ter a brilhante idéia de colocar os ingressos a venda para o grenal do século apenas no dia do jogo e nas bilheterias do estádio, bem…não precisam fazer força para imaginar o que era a fila de 80.000 pessoas para comprar o seu boleto. Gas lacrimogênio foi pouco para conter a baderna.

    Depois do jogo, muita euforia naquele mar vermelho saindo do beira rio, nunca mais vou esquecer essa cena, ainda mais q as radios anunciavam q a final iria ser contra o Bahia, q acabara de vencer o Fluminense na outra meia final.

  • 11. Flávio  |  12/02/2009 às 09:00

    Eu também estava lá. Para mim, é o maior momento do Inter depois dos anos 70. Abelão, mesmo com um homem a menos, botou um 3-2-4 (entrou o Diego Aguirre, hoje técnico do Uruguai sub-20) para cima do Grêmio no 2º tempo. Reinaldo Xavier era arma secreta do Minelli para buscar a reação…

  • 12. Álisson  |  12/02/2009 às 09:00

    Cara, eu sou de 86.
    Nem essa glória minha póbre infância teve.

    Perdi. Ganhamos.

  • 13. beretta  |  12/02/2009 às 09:30

    Que beleza, eu tinha uns 6 meses de vida… Me lembro tri bem do jogo…

    \o.

  • 14. Atilio  |  12/02/2009 às 09:32

    Como sempre, grande texto. Tem que ir por livro.

  • 15. Leo Ponso  |  12/02/2009 às 09:33

    “O tempo incial do maior de todos os embates desportivos desde SÓCRATES X CICUTA foi desesperador para os vermelhos.”

    De onde esse carcamano sem-vergonha tira essas é algo que me intriga demás.

  • 16. izabel  |  12/02/2009 às 09:34

    sensacional, douglas. mais uma vez.
    tava sentindo falta de suas crônicas por aqui.
    tá guardando tudo pra lançar teu best-seller e, finalmente, ganhar uma fortuna?

  • 17. Daniel Cassol  |  12/02/2009 às 09:41

    Eu tinha uns sete anos nessa época, então me lembro só de FLASHES da partida. Também tinha essa impressão do lance do Taffarel com o pé.

    E o no meu imaginário infantil, via o Maurício correndo pela PISTA ATLÉTICA para cruzar aquela bola pro Nilson.

    Texto sensacional.

  • 18. EGS  |  12/02/2009 às 09:51

    DOUGLAS > PLATÃO + BUDDHA + BALALO (ns)

    Eu estava em CAPÃO, no edifício TUPIRAMA, onde passei toda a minhas férias na infância. Quando acabou o jogo, eu e um amigo saímos correndo pelos corredores do prédio EM CHAMAS PROFUNDAS, gritando afu.

    Só devemos ter parado na frente do DOG’S, pra olhar as atendentes gostosas. Nenhum jogo povoará mais a minha memória do que esse.

    NILSON VIVE.

  • 19. mardruck  |  12/02/2009 às 09:52

    Pior que esse fiadasputa do Douglas me faz ter um mínimo de simpatia pelo Inter. Ainda mais ganhando o GREnal do século.

    Pelo menos depois passa.

    Desgraçado.

  • 20. almilano  |  12/02/2009 às 09:59

    Melhor ainda foi o Maurício saindo de campo e fazendo “aviãozinho”… magina se um vivente faz isso nos dias de hoje…

    O mairo grenal de todos foi esse pra mim

  • 21. EGS  |  12/02/2009 às 10:02

    Estou vendo a série e CHORANDO UM ALAMBRADO.

    ABEL = DEUS

  • 22. douglasceconello  |  12/02/2009 às 10:06

    Bom que vocês gostaram, AMIGOS. E sei que os gremistas também me COMPREENDEM.

    Muito massa que tem uma imagem do Nilson correndo para o alambrado e um torcedor solta um FOGUETE. Isso que era bem-estar social (ns).

  • 23. André K.  |  12/02/2009 às 10:11

    Tenho nojo do Mauricio e do Nilson

    Pior custo/beneficio da historia do Grêmio. Talvez do Inter também

  • 24. beretta  |  12/02/2009 às 10:30

    Eu queria ter nascido antes.

    Minhas recordações de adolescência ficam mais pro lado de Hristo Stoichkov e sua turma de Elifoot 98.

    Perdi.

  • 25. Monllor  |  12/02/2009 às 10:36

    Milton Ribeiro = Eu nasci há dez mil anos atrás way of life

  • 26. Brauner  |  12/02/2009 às 10:41

    Bah, eu me lembro que eu fui de bicicleta com meu irmão, tio e primos no treino do Inter no dia anterior e acabei vendo o Nilson disfarçando que tinha se lesionado, colocando aquele esparadrapo na perna.

    Só anos depois que eu fui me tocar da importância daquele dia!

  • 27. Anônimo  |  12/02/2009 às 10:54

    Pra mim, o Inter ter ganho do Grêmio como ganhou e ter perdido do Bahia como perdeu é um dos retratos mais fiéis da história da dupla Grenal.

    Cara, é por essas e outras que o futebol é apaixonante!!

    Baita texto!!

  • 28. Fernando Cesarotti  |  12/02/2009 às 10:55

    Nilson quase foi o herói do tricampeonato paulista do Palmeiras em 95, mas o MANCUSO estragou tudo com uma VOADORA ASSASSINA no Marcelinho. Foi tudo o que ele fez no Palestra, aliás.

  • 29. Daniel Cassol  |  12/02/2009 às 10:57

    Nas brincadeiras de piá, quando íamos jogar futebol, sempre havia uma disputa pra ver quem “seria” o Nilson. Ah, a ingenuidade da infância.

  • 30. André K.  |  12/02/2009 às 10:57

    Nilson quase foi o herói do tricampeonato paulista do Palmeiras em 95

    É isso aí, ele foi quase herói em todos os clubes que passou.

  • 31. EGS  |  12/02/2009 às 11:00

    Bah, acabei de ver todo o programa do Sportv sobre o jogo.

    Fiquei com pena do Cuca até, coitado:

    “O MONZA JÁ TAVA ATÉ RESERVADO, NA SIMPALA”.

    F A L E C I A D I N F I N I T U M

  • 32. Flávio  |  12/02/2009 às 11:08

    Muito bala a narração do Rogério Amaral.

  • 33. Sanchotene  |  12/02/2009 às 11:09

    Re 9:

    Sim, baita touca mexicana!

    Os gols e a expulsão – justa – do Rafa Marquez estão aqui: http://www.youtube.com/watch?v=3zlGHLq8dag&feature=related

    Notem no 2.º gol que um mesmo jogador do México agide dois americanos. Não levou nem amarelo…

  • 34. Carlos  |  12/02/2009 às 11:09

    Adiei uma ida para o Rio para ver esse jogo desgraçado. Jogo mais cheio e mais quente q já fui em toda minha vida…lembro no intervalo, todos os canos do banheiro do chiqueiro quebrados, e todo mundo tomando banho…devia estar uns 80 graus…lembro q no intervalo todos eufóricos…tb, tinha sido um banho de bola e ainda com 1 a menos…eu vi aquilo, e não acreditei…e ainda tive q caminhar daquela merda até o centro ouvindo a coloradagem gozando por causa do desgraqçado do Cuca (Tcheco pré-histórico).
    No outro dia, pegando o buzão, ainda entro e dou de cara com um amigo colorado até a medula…quase desisti da viagem…

    Ainda bem q depois o Bahia fez aquele crime…pena q não estava em porto alegre…

  • 35. izabel  |  12/02/2009 às 11:10

    “Isso que era bem-estar social (ns).”
    ahahhahah

    além de destruir na crônica, aidna quer acabar com os comentários. vai, esgoísta!

  • 36. Flávio  |  12/02/2009 às 11:15

    Os times ainda jogavam com pontas e somente um volante. Bons tempos…

  • 37. Fernando Cesarotti  |  12/02/2009 às 11:22

    Nos despachos das agências, Eriksson está na corda bamba.

    Em tempo, o texto do Douglas é muito, muito bom.

  • 38. André K.  |  12/02/2009 às 11:28

    Cuca (Tcheco pré-histórico).

    A partir dos 40 segundos
    http://video.globo.com/Videos/Player/Esportes/0,,GIM950925-7824-EM+GREMIO+E+HEXACAMPEAO+GAUCHO+COM+GOLEADA+SOBRE+O+INTERNACIONAL,00.html

  • 39. Daniel Cassol  |  12/02/2009 às 11:35

    Os links mais rápidos da Internet.

  • 40. Carlos  |  12/02/2009 às 11:41

    #38
    Coloquei de propósito…só pra patrulha aparecer com força total…

    Calma, amiguinho…rlx….

  • 41. Francisco Luz  |  12/02/2009 às 11:42

    Ainda não li os comentários, mas só digo que eu fui neste jogo no auge dos meus três anos. Meu pai voltou da praia (Garopaba) e mandou minha mãe ir pra casa com a minha irmã no carro. Me pegou no COLO e levou pro Gigante, sem ter como voltar – esse era o tamanho da loucura.

    Obviamente não lembro de nada, mas é uma ótima história para um primeiro jogo. E tenho todo o segundo tempo em vídeo, aqui. É uma coisa sensacional e por demais forte.

  • 42. Lucas Cavalheiro  |  12/02/2009 às 11:45

    Baita texto tche!

    Eu era um piazito cagado de 4 anos, não me lembro de nada, mas devo ter assistido a esse jogo do lado do meu velho, também colorado. Talvez ali a semente de Abel estava sendo plantada.

    O lado bom de ter vivido a sofrida década de 90 eu só fui entender agora, 3 anos atrás.

  • 43. Tim Maia da Coréia  |  12/02/2009 às 11:48

    Só sei de uma coisa:
    ABEL BRAGA DEVERIA SER TREINADOR VITALÍCIO DO COLORADO.

    Mas aí tenho que ver a Tite tirar nosso centro-avante em um 0x0 com o Ypiranga…

  • 44. Felipe catarina  |  12/02/2009 às 11:54

    “ceconello > garcia marquez”

    muito massa a crônica. Como sempre Douglas dando um banho (não q os outros textos não sejam bons). Mas, opa!, mais respeito com o Gabo. Falando nisso, alguém já leu um texto do García Márquez sobre futebol?

  • 45. Paul  |  12/02/2009 às 12:04

    Baita jogo. Baita texto. Melhor blog.

  • 46. beretta  |  12/02/2009 às 12:16

    Bom, depois do Tite dizer que o jogo contra o Ypiranga foi o MELHOR do ano, creio que em 2010 ganharemos a série B.

    PS: O tal de Marcelo Cordeiro quer dar entrevista reclamando de posição… Mas vem cá, quem esse indivíduo pensa que é? Primeiro jogo mandou a torcida fazer festa, e agora já ta reclamando publicamente? Mas vai te embora…

  • 47. dante  |  12/02/2009 às 12:17

    o que eu lembro BEM desse grenal é o paulo sant’anna prometendo que nunca mais falaria sobre futebol se o grêmio perdesse esse jogo.

    […]

  • 48. dante  |  12/02/2009 às 12:18

    e esses links do AK são muito antigos, da época em que o cuca não chorava.

    : ]

  • 49. J Petry  |  12/02/2009 às 12:18

    Tentem falar “Dezessete Dostoievskis” três vezes bem rápido.

  • 50. André K.  |  12/02/2009 às 12:27

    Falar ele não falou, mas se vestiu de Baiana depois

  • 51. Eduardo  |  12/02/2009 às 12:30

    26. Brauner

    Eu também fui nesse treino e via essa cena dos caras botando uma atadura no pé do Nilson. Não no machucado, no outro, só pra dar migué.

    E vou dizer mais, tinha mesmo uns caras de bicicleta lá dentro do Beira, ali por perto de onde fica a Camisa 12, um deles inclusive chamou o Taffarel e ficou batendo um papo, lembro muito desse treino pq teve uma cena bizarra, o Tafa entrou pra treinar de chuteiras, meião e sunga, pqp…só na hora do coletivo é que se vestiu.

  • 52. Luís Felipe  |  12/02/2009 às 12:45

    lendo os comentários eu vi que, ao mesmo tempo que torcedores entravam com FOGUETES no campo, gremistas e colorados caminhavam pela Borges sem se matarem a porrada.

    conclusão: quanto mais barbárie dentro do estádio, menos lá fora.

  • 53. fino  |  12/02/2009 às 13:08

    não vou falar nada sobre esse texto mixuruca do douglas, depois ele fica se achando demais…

    asdji´sdfjaikasdfklsda

  • 54. Juliana B.  |  12/02/2009 às 13:15

    É por causa de relatos como este que eu, como gremista, acredito que este realmente pode ser intitulado de Grenal do Século.

  • 55. Frank  |  12/02/2009 às 13:37

    #34
    No alto dos meus 7 anos, não lembro de humilhação maior na minha infância como gremista do que a desse jogo…
    Que me desculpe o Franciel, mas meu segundo time passou a ser o BAHIA depois daquele ano…

  • 56. Prestes  |  12/02/2009 às 13:45

    “O tempo incial do maior de todos os embates desportivos desde SÓCRATES X CICUTA”

    uhshuduhsadhusaduhsaduhsaduhssd

  • 57. Prestes  |  12/02/2009 às 14:00

    GENIAL o texto!!!

    Nessa época nem sabia o que tava acontecendo. Tenho raríssimas lembranças futebolísticas. O primeiro jogo que fui foi Inter e Bahia na Liber 89. Só me lembro de chegar em casa e minha mãe e duas primas baianas estarem com uma bandeira do Bahia se arriando na gente, porque tinha sido 2 a 1 pro Bahia – mas depois eliminamos deles.

    O afudê de conhecer o lado baiano é que tu vê que tu pode estar enganado. Por aqui todo mundo pensa que foi uma grande ratiada coloada. Na Bahia todo mundo diz que ninguém iria tirar aquele título deles. A Fonte Nova vinha com cem mil pessoas há tempos. Os caras tinha Bobô, Paulo Rodrigues e Charles que eram pelo menos parelhos com os nossos.

    O momento insano vivido pelo Bahia era tão grande que após uma convocação para um amistoso do Brasil lá na Fonte Nova, houve um boicote pela não-convocação de jogadores do Bahia. Só umas dez mil pessoas foram ao estádio e algumas foram pra vaiar.

  • 58. Prestes  |  12/02/2009 às 14:09

    No mais, bom lembrar essa época em que sempre que o Inter ganhava tu descia a rampa da superior completamente lotada, ficava espremido na grade e achava muuuuuuuuito alto, ficava todo cagado.

    Aí todo mundo descia cantando “Ai, ai, ai tá chegando a hora”

    E sempre tinha uns mendigos com garrafa de canha e os carros não queriam ganhar sempre, a multidão andava tranquilamente no meio da Padre Cacique, os caras só buzinavam.

    E no Grenal da Copa do Brasil em 92, passei horas fingindo ser flanelinha, orientando: “Primeira pra cá, segunda pra lá”.

    E os gremistas retrucavam, sorriam e ninguém se batia.

  • 59. dante  |  12/02/2009 às 14:10

    “50. André K. | 12/02/2009 at 12:27
    Falar ele não falou, mas se vestiu de Baiana depois”

    esse episódio foi depois do jogo contra o bahia, não depois de perder o grenal do século.

    obrigado.

  • 60. André K.  |  12/02/2009 às 14:12

    Sim e….

  • 61. Prestes  |  12/02/2009 às 14:15

    O Dante voltou POLÊMICO…

  • 62. izabel  |  12/02/2009 às 14:43

    O Dante voltou POLÊMICO…
    ahhahahah

    mas nem tanto, Prestes. no post do Goiás ele tá CHEIO DE AMORES, transbordando soliedariedade e compaixão.

  • 63. Daniel Cassol  |  12/02/2009 às 15:07

    Permitam uma provocação, mas achei sensacional isso aqui ter sido publicado nos classificados da ZH:

  • 64. Prestes  |  12/02/2009 às 15:08

    Bah, muito afudê!

  • 65. Junior  |  12/02/2009 às 15:25

    Eu tinha 7 anos e fui no Gre-Nal do Século com meu pai e meu tio. Lembro que após o jogo, estávamos caminhando perto do Beira-Rio e o meu pai estava ouvindo a Gaúcha, até que ele não se agüentou ao ouvir um comentário do Lauro Quadros e disse: “esse cara é um gremista!”
    Nunca vi o Beira-Rio tão cheio, mas certamente isso é uma ilusão da infância, em que tudo é maior. Nós estávamos na social e guardo claramente as imagens do pessoal da Coréia pulando o arame farpado para assistir o jogo na Social. É lógico que não entendia nada de tática, o que importava era ver o Inter fazer os gols. Infelizmente, hoje um pai dificilmente leva seu filho de 7 anos a um Gre-Nal. Eu lamento demais isso, porque o Gre-Nal do Século é o jogo da minha vida, aquele jogo que marcou a tua infância e tu jamais esquecerás.

  • 66. Luís Felipe  |  12/02/2009 às 15:56

    a violência começou quando o primeiro torcedor começou a pedir desculpas pela gozação ao torcedor rival.

    aí o segundo torcedor justificou uma agressão pela provocação.

    quando ninguém pedia desculpas, a flauta e a provocação corriam soltas na segunda-feira. Ninguém precisava ficar se censurando nem ficar fingindo joguinho de comadres.

  • 67. Frank  |  12/02/2009 às 17:19

    #63
    Não tem reforma ortográfica que salve quem escreveu isso daí…
    hhauahauahu

  • 68. Sanchotene  |  12/02/2009 às 17:39

    Nós, aqui, querendo aumentar o público visitante no Gre-Nal (para 25%) do estádio e o São Paulo me limita a 10% os ingressos do Corinthians; e ainda não os entrega:

    http://globoesporte.globo.com/Esportes/Noticias/Futebol/Campeonato_Paulista/0,,MUL999279-9839,00-SAO+PAULO+NAO+CUMPRE+PRAZO+E+CORINTIANOS+FICAM+SEM+INGRESSO.html

    Volto a repetir, essa de pacote antecipado, ou sócio com ingresso adquirido, é balela! Basta checar a média de público nos estádios ou número de sócios.

  • 69. izabel  |  12/02/2009 às 18:51

    Sancho, o são paulo é o time mais paunocu que existe. Essa história já tá rendendo por aqui. O pior é que só gera mais tensão e violência fora do campo.

    Os caras não conseguem encher o próprio estádio (na lista dos top 10 de vergonha deles eu certamente colocaria: o recorde de público no próprio estádio é do time rival) … aí vem agora com essa. O ingresso para a arquibancada do Corinthians tá a 90 reais.
    E eles, em mais uma tentativa de colocar o próprio torcedor no estádio, lançaram a promoção: comprando o pacote pros 3 jogos da 1° fase na liber, você GANHA o ingresso pro jogo do Corinthians… agora me diga o que é isso, um clube que dá de graça o ingresso pra um clássico. Que tipo de torcedor é esse, pelamordedeus.

    (e até por aqui tem os adeptos da ‘melhor diretoria’, ‘melhor planejamento’ … cambada de mau caráter arrogante, isso sim).

  • 70. fabio  |  12/02/2009 às 20:27

    para a torcida do SP, todos os campeonatos têm no máximo oito rodadas, e aí eles começam a comparecer…

    no mais, lembro desse GreNal do século, estava em SP e faltou luz no apê no intervalo..eu tinha preferência pelo Grêmio, só porque minha mãe era colorada (e simpatizante do SP)…achava o Maurício o melhor jogador do Brasil…tempos obtusos

  • 71. gerson  |  13/02/2009 às 00:09

    tchê, a fuzel o texto. Aquele jogo foi uma loucura mesmo, mas depois foi só decepção. O Nilson, q se não me falha a memória começou no inter em um jogo contra o coritiba no gigante, entrando no segundo tempo e metendo dois gols ali na trave do lado da popular, nos afundou na libertadores. antes disso não conseguimos fazer um golzinho só no bahia.
    o gre-nal do século realmente foi o maior de todos os clássicos. mas foi uma exceção entre tantas agruras passadas nos anos 80 e 90. aliás, 87,88 e 89 foram os anos do “quase”.
    tb escrevi uns troços lá no blog sobre o gre-nal do século.
    Abraço!

  • 72. douglasceconello  |  13/02/2009 às 08:27

    No meu LIVRINHO DE REFERÊNCIAS MORAIS E ESTÉTICAS PARA A VIDA, aquela linha avançada do Maurício, Nilson e Edu teve mais importância do que Garrincha, Pelé e VAVÁ para o ARMANDO NOGUEIRA. sdiafsdhufsaddu

  • 73. Álisson  |  13/02/2009 às 08:45

    No meu LIVRINHO DE REFERÊNCIAS MORAIS E ESTÉTICAS PARA A VIDA, Uhh Fabiano foi MAIOR do que TODOS os citados.

  • 74. douglasceconello  |  13/02/2009 às 10:27

    Fabiano está em outro documento, o FABULÁRIO MODERNO DAS SANTIDADES INCOMPREENDIDAS.

    ausdhuaisd

  • 75. Prestes  |  13/02/2009 às 13:25

    Não há dúvidas:

    Uh! Fabiano >>>>>>>>>>>>>>>> Garrincha

  • 76. gerson  |  13/02/2009 às 18:29

    depois q vi o uh fabiano tomando todas no dado bier e gordito deixei de acreditar na recuperação dele,e fiquei apenas com a memória das buchas no fla e do 5 a 2.

  • 77. Camilo  |  13/02/2009 às 20:43

    está COMPROVADO porque o gremio perdeu aquele jogo: CUCA estava em campo

  • 78. Camilo  |  13/02/2009 às 20:44

    O Abel é foda. Pior técnico do mundo. Tá mais pra Coração Valente

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Subscribe to the comments via RSS Feed


Especial – Libertadores 2011

A bola da ImpedCopa

Toco e me voy

Feeds

web tracker

%d blogueiros gostam disto: