Ba-Gua volta ao melhor cenário

19/11/2008 at 06:00 18 comentários

paulorobertorocha_bage

Também havia violência no futebol no tempo em que os estádios não eram monitorados por câmeras de vídeo, nem contavam com delegacia de polícia e ainda recebiam mais torcedores que seguranças privados. Mas era um tipo de violência que hoje reencontramos nos anedotários e não nas páginas policiais.

No distante novembro de 1951, eu bem me lembro, o árbitro Heitor Calvete, que apitava um renhido Guarany e Bagé, decidiu se retirar da partida no intervalo do jogo. Agredido? Apenas verbalmente. Calvete não aceitou as provocações de um torcedor e decidiu pegar suas coisas.

Mas em 1964 aconteceu uma peleja que não me sai das retinas. O juiz, chamado Mário Severo, decidiu expulsar Storniollo, do Guarany. Pra quê. No final da partida, que terminou em um a um, a torcida alvirrubra invadiu o campo do Estrela D’Alva e a Brigada Militar, achando que iria amedrontar a turba, começou a atirar para cima. Não funcionou, tanto que aquele ficou conhecido como o Ba-Gua dos cem tiros.

Violência sadia, se vocês me entendem.

Jovens, não devem saber. Mas o Ba-Gua é um dos clássicos mais tradicionais do Rio Grande do Sul. Sua primeira realização remonta ao distante 31 de julho de 1921, aquele ano inesquecível em que todos nós vibramos com a independência da Mongólia.

De um lado, o Grêmio Esportivo Bagé, nas suas cores amarelo e ouro, dono da mítica Pedra Moura, cujo nome remete à laje subterrânea que tanto nos fez passar calor naquele verão de 1942. O Guarany, vermelho e branco, imbatível no Estrela D’Alva.

A memória hoje em dia me trai, mas lá se vão quase 400 clássicos disputados desde 1921.

Pois o Ba-Gua está voltando ao seu cenário mais adequado. Parado desde 1971, ano em que me casei pela segunda vez, o Campeonato Municipal de Futebol Profissional voltará com uma fórmula inusitada, mas inteligente. Haverá dois clássicos em fevereiro (dias 8 e 15) e outros dois que valerão pelo Campeonato Gaúcho da segunda divisão. Ou seja, os times garantem dois bons jogos preparatórios para a disputa da Segundona Gaúcha, e os clubes reacendem a rivalidade municipal.

Os clubes e a prefeitura municipal lançam oficialmente o campeonato nesta quinta-feira, no Salão de Atos da Prefeitura, palco de grandes embates políticos que presenciei na década de 1960.

Na foto acima, o ídolo do Bagé, Paulo Roberto Rocha, que carreguei no colo.

Se não fosse a minha experiência de vida, diriam até que eu copiei tudo do Puro Futebol.

Um abraço,
Daniel Cassol

Entry filed under: Pelo Interior, Segundona Gaúcha.

Tigre em êxtase profundo Adiantando o serviço

18 Comentários Add your own

  • 1. Maurício  |  19/11/2008 às 08:39

    vovô cassol, hshshshshss.

  • 2. Eduardo  |  19/11/2008 às 09:12

    Um dos cinco maiores clássicos do mercosul, com certeza!

  • 3. Ismael  |  19/11/2008 às 10:09

    “Violência sadia, se vocês me entendem”

    Sinto muita falta disso! Eram raros os grenais que não tinham nenhum tipo de empurra-empurra. Hoje em dia, qualquer BOLINADA dá meia duzia de jogos de suspensão…

    Queria ter vivido o que tu viveu, Cassol!

  • 4. Bruno Ramires  |  19/11/2008 às 10:13

    Muitos clássicos pude assitir, Bageense que sou..
    Meu pai sempre me levava à Pedra Moura, na mesma arquibancada atrás da goleira (a direita das cabines de inprensa, até porque do outro lado só existem EUCALITOS), onde aprendi a gostar de futebol na essência. Tufos de grama voando fazem parte das minhas memórias mais remotas.

    Nos idos de 1988 ainda se comia bergamota na Pedra Moura, que eram ADQUIRIDAS de um vendedor que ficava do lado de fora, rente ao muro, entregava as redinhas com uma taquara criada a Toddy..

    Certa feita presenciei a cena de um bandeirinha guardar uma bergamota no bolso, para saborear no intervalo. É claro que o jaldenegro irritado com o impedimento anotado não tinha uma mira decente, dando aí a chance do auxiliar repor a vitamina C. heuheuheu

  • 5. Daniel Cassol  |  19/11/2008 às 12:13

    Bah, comer bergamota no estádio é um hábito que a juventude não pode mais ter nos dias de hoje

    E pra quem foi da Fabico na virada do século: este Paulo Roberto deve ser alguma coisa do Jucá.

  • 6. Bruno Ramires  |  19/11/2008 às 13:22

    Cassol, coisa boa que era LAGARTEAR na arquibancada nos dias frios, comendo uma bergamota e esperando o jogo começar..

  • 7. Prestes  |  19/11/2008 às 13:54

    “alguma coisa do Jucá”

    alguma coisa é tipo, ahn, parente??

  • 8. Prestes  |  19/11/2008 às 13:57

    Um parcerão meu é neto de um dos maiores jogadores do Grêmio Bagé: o lateral-direito Sérgio Cabral, falecido este ano.

    Famoso por marcar o Pelé em um amistoso, ele foi convidado pra jogar – se não me engano – no Grêmio e no Fluminense.

    Acho que chegou a jogar do lado do Calvet, ou contra. Não sei se o Calvet era do Grêmio ou do Guarany.

  • 9. Cassol  |  19/11/2008 às 14:01

    o cara é meio igual ao jucá

  • 10. Prestes  |  19/11/2008 às 14:06

    bah pior, é igual, uiashdsjdhasjkldhaslkjdhas

  • 11. Junior  |  19/11/2008 às 14:42

    Deve ser muito legal assistir a um Ba-Gua na arquibancada, observando o nervosismo das torcidas e a disputa “fraterna” em campo.

  • 12. douglasceconello  |  19/11/2008 às 15:16

    Bah, certo que é FILHO do Jucá.

    Aliás, Jucá > Rupert Murdoch

  • 13. Prestes  |  19/11/2008 às 15:27

    “Bah, certo que é FILHO do Jucá.”

    Sim, cara, o Jucá foi professor do CARVALHO na Fabico.

  • 14. Luís Felipe  |  19/11/2008 às 16:08

    lembrei do Jucá agora, quando fui entregar a monografia.

    eu estava lá quando Jucá entregou a dele. Na ocasião, ele estourou uma bateria de foguetes na Jacinto Gomes.

    ou eu posso ter delirado.

  • 15. Prestes  |  19/11/2008 às 16:16

    Cara, me lembro desses fogos, mas não sei mesmo quem foi.

  • 16. Daniel  |  20/11/2008 às 09:58

    Sou de Bagé e já vi muito clássico Ba-Gua.

    Pela Ordem na América Latina:
    1° Ba-Gual (assim mesmo, bagual)
    2° Tubarão x Palmas (no Tocantins)
    3° Inter-SM e Riograndense de SM
    4° Bra-Pel
    5° Cerro X Cerrito

    e, bem mais abaixo, na 40° posição, estão, empatados,
    Gre-Nal, River e Boca, Nacional e Peñarol

  • 17. FERN  |  20/11/2008 às 22:20

    OPS, Cerro vs Rampla…

  • 18. CEZAR SANTANA  |  22/11/2008 às 16:58

    ESTAVA PASSANDO POR ESTE SITE QUANDO ME DEPAREI COM ESTA CRONICA,POIS FALANDO EM VIOLENCIA NO FUTEBOL EU TENHO 45 ANOS E VI MUITA IOLENCIA EM ESTÁDIO E FALANDO EM BAGÉ,CIDADE QUAL CONHECI DE PASSADA NA DÉCADA DE 70, MAS ME LEMBRO DE UM DOS MILHARES DE JOGOS QUE ASSISTI POR ESSE MUNDO A FORA, CORRIA O ANO DE 1.975 MAIS PRECISAMENTE NO DIA 25 DE OUTUBRO JOGAVAM ASSOCIAÇÃO SÃO GABRIEL E GRÊMIO ESPORTIVO BAGÉ ( JOGO TERMINOU EMPATADO EM 0 X 0) QUANDO HOUVE UMA BRIGA QUE COMEÇOU NO GRAMADO E SE ALASTROU PELO ESTÁDIO TODO ERAM JOGADORES,TORCEDORES,E TUDO MAIS EU ME LEMBRO QUE MEU IRMÃO (JÁ FALECIDO ) TINHA 15 ANOS E EU 12 ANOS,ME JOGOU PARA DEBAIXO DAS ARQUIBANCADAS QUE ERAM DE MADEIRAS PARA ME PROTEGER DAS PEDRADAS, E TINHA ROJÕES QUE NAQUELA ÉPOCA PODIA ENTRAR NOS ESTÁDIOS . ALGUÉM AÍ LEMBRA DESTE JOGO. PODERIAM ME ENVIAR VIA e-mail. OU POSTAR A SÚMULA DAQUELE JOGO. ABRAÇOS CEZAR SANTANA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Subscribe to the comments via RSS Feed


Especial – Libertadores 2011

A bola da ImpedCopa

Toco e me voy

Feeds

web tracker

%d blogueiros gostam disto: