As entrevistas dos boleiros

11/10/2008 at 13:00 13 comentários

Não existe coisa mais chata em rádio e televisão do que entrevistas com jogadores de futebol. Nos jornais impressos ainda dá para agüentar porque, quando tem talento, o repórter sabe organizar o texto e vez por outra transformar a entrevista em uma leitura até agradável. Mas quando é com o microfone fica uma coisa lamentável. São sempre as mesmas obviedades, as mesmices, as monótonas repetições de termos e expressões, a tal ponto que os mais diversos jogadores parecem um só. É, sim, uma indigência cultural de doer. O mais mauricinho dos nossos craques, o Kaká, do Milan, não escapa disso. E, na maioria das vezes, os entrevistados são jovens ricos, todos eles muito acima do nível de vida do povo dos quais eles são originários.

Mas não se pode culpá-los. Os meios de comunicação também se renderam à mesmice e às obviedades. Fazem sempre as mesmas perguntas e, é claro, ouvem invariavelmente as mesmas respostas. É preciso levar em conta que esses jovens jogadores de futebol têm uma baixa escolaridade e os estudos não fazem parte de seus projetos de vida. Por isso acredito que os meios de comunicação devem repensar o tipo de entrevistas que fazem com os jogadores: apelar para a criatividade, buscar a autenticidade e a singularidade de cada um dos boleiros, enfim, mudar o tipo de entrevista, procurar fazê-los falar de uma forma irrepetível, se é que as entrevistas com os jogadores são imprescindíveis. Para mim, elas só servem para “encher lingüiça” antes das partidas começarem – o que, para quem adora futebol como é o meu caso, é o que interessa.

Também penso que as direções dos clubes deveriam ter mais preocupações nesse sentido. Não simplesmente paparicar esses jovens deslumbrados com a riqueza que chegou de um dia para o outro, mas realizar programas com eles, levando-os a pensar sobre a vida, sobre a importância de um mínimo de nível cultural e que suas trajetórias não podem se limitar à bola (ainda que esta seja o principal objetivo de suas profissões) e mostrar, com exemplos concretos e individuais, que um jogador de futebol pode, também, ser um cidadão articulado, como Falcão, Sócrates e Tostão.

Quero deixar bem claro que nunca me ocorreu a bobagem de pretender transformar um boleiro num Sartre. O grande intelectual fica bem na arquibancada. Que eu saiba o único que tentou jogar foi Albert Camus. E nem sei se ele era bom de bola.

Crônica do jornalista e escritor Luiz Pilla Vares, publicada no jornal Zero Hora (costumamos informar o endereço) da última quinta, bem no dia em que ele morreu, aos 68 anos. Militante da resistência à ditadura militar no Brasil, Pilla Vares foi secretário de Cultura em Porto Alegre e no Governo do RS.

Anúncios

Entry filed under: Literatura.

Ninguém chora, não há tristeza Tropeços, surpresas e te vejo em 2009

13 Comentários Add your own

  • 1. Ismael  |  11/10/2008 às 14:51

    Ainda bem que a cada década surge um Jardel ou um Vicente Mateus pra “alegrar” essas entrevistas. Teve uma inesquecível do Marcinho, de quando jogava no gremio… o lateral estava “debilitado”!

  • 2. fino  |  11/10/2008 às 19:55

    meu iáiá, meu iôiô…

  • 3. Almir  |  11/10/2008 às 23:03

    O Alex se expressa bem. Só falta engrossar a voz.

  • 4. Luís Felipe  |  11/10/2008 às 23:12

    Pilla acreditou até o final nas idéias da juventude. Homem de rara estirpe.

    Lila não dirá, mas estava 0x0 quando não deram um pênalti pro Flamengo…

  • 5. Luís Felipe  |  11/10/2008 às 23:13

    sobre o jogo do Inter:

    Um time que paga a segunda maior folha salarial do país não pode ter Ricardo Lopes na lateral-direita.

  • 6. Milton Ribeiro  |  11/10/2008 às 23:23

    Luís, o que me irritou MESMO foi quando o Tite substituiu o Índio por outro zagueiro (Danny). Isso aos 42 minutos. É um CAGALHÃO.

    Sobre o Ricky Lopes: tens razão, claro. É ridículo.

  • 7. Milton Ribeiro  |  11/10/2008 às 23:24

    Sobre o Pilla Vares: grande ser humano. Deve ter morrido ao ver o que Mônica Leal faz numa cadeira que já foi sua. RIP.

  • 8. douglasceconello  |  12/10/2008 às 02:38

    Grande texto, grande PERSONA.

    E é tão bonito quando um veículo linka o outro.

  • 9. Prestes  |  13/10/2008 às 10:39

    Pilla Vares fechou com chave de ouro.

  • 10. Prestes  |  13/10/2008 às 10:41

    E mostrou que dá pra criticar a imprensa usando a própria.

  • 11. Nicolau Ávila Junior  |  13/10/2008 às 12:43

    Palmas para este texto. Estou me formando em Jornalismo e penso nisso toda vez que ligo o rádio ou a TV para ouvir ou assistir um jogo de futebol. É realmente enfadonho e cansativo ouvir essas entrevistas, mas a culpa não é somente dos jogadores que tornam essas entervistas chatas. São, em grande parte, culpa de jornalistas que fazem perguntas merecedoras de respostas desse tipo. É preciso renovar o repertório desses profissionais de imprensa. O primeiro passo é ler mais, pois tenho a teoria de que jornalistas esportivos lêem pouco e o segundo passo é trabalhar com a criatividade.

    Abraço ao pessoal do impredimento

  • 12. Rudi  |  13/10/2008 às 18:36

    Uma vez vi comentário da Dad Squarisi, editora do Correio Braziliense e uma das maiores especialistas em Língua Portuguesa deste país, comentando que há muito mérito nas entrevistas dos jogadores sim… eles possuem uma capacidade diplomática enorme, pois existem perguntas capiciosas onde eles conseguem – apesar do vocabulário pobre – sair-se bem, de maneira a não gerar polêmica (exceção feita a alguns jogadores mais conhecidos_) e, apesar da mesmice, atender as perguntas.
    É bem isso… as perguntas pedem respostas assim

  • 13. CAMILE  |  15/10/2008 às 16:35

    Olá, vocês são de Porto Alegre?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Subscribe to the comments via RSS Feed


Especial – Libertadores 2011

A bola da ImpedCopa

Toco e me voy

  • Alguns dias após o Barcelona 5x0 Chapecoense, hoje veio a consagração: Real Madrid 0x2 Chapecoense. 2 hours ago
  • Semifinais da Série D, jogos de ida: Juazeirense-BA 3x1 Globo-RN (volta 27/8) Atlético-AC 0x0 Operário-PR (volta 28/8) 2 hours ago
  • Corinthians finalmente perde e o que o resto do G4 faz? O resto do G4 não ganha nem três pontos contando os três times juntos. 2 hours ago
  • O Palmeiras não ficou só na promessa de ajudar. twitter.com/IPEonline/stat… 2 hours ago
  • O consolo palmeirense é que o São Paulo entrou no Z4 após essa apresentação pífia. 2 hours ago

Feeds

web tracker

%d blogueiros gostam disto: