Sessão de domingo

30/03/2008 at 12:24 22 comentários

Estes vídeos das finais da Libertadores entre Santos e Peñarol ou Boca, que fizeram partidas inesquecíveis nas copas de 1962 e 1963, são alguns dos meus favoritos de sempre para assistir.

Duas coisas me chamam especialmente a atenção. Primeiro como o pau, de fato, comia solto, ao menos nestas duas ocasiões contrariando nossa percepção de que no passado não havia jogo de contato.

Trilha sonora sem qualquer sentido

Depois, como Pelé, que apanhava mais que cachorro sarnento, não se deixava afetar pelos constrangimentos físicos e ainda tripudiava dos adversários, como podemos perceber especialmente na partida contra o Boca. De santo ele não tinha nada, como bem veio a saber depois a Rainha dos Baixinhos e eterna estrela de Amor Estranho Amor.

Poucas vezes alguém deve ter apanhado e jogado tanto

Aliás, recomendo fortemente aquele Pelé Eterno. Tape os ouvidos na hora dos depoimentos constrangedores, mas abra bem os olhos para captar a quantidade fabulosa de imagens inesquecíveis, que me fizeram ter certeza de que o mérito do camisa 10 foi insquestionável.

Saudações,
Douglas Ceconello.

Entry filed under: Colunas.

Galo e Cruzeiro Única indefinição está em Santa Maria

22 Comentários Add your own

  • 1. Luís Felipe  |  30/03/2008 às 13:19

    no segundo vídeo, aquela imagem do Pelé todo embarrado vibrando e olhando para a arquibancada, bem no final, merecia uma pintura. Aquilo é a imagem perfeita da supremacia do futebol brasileiro.

  • 2. bruno  |  30/03/2008 às 15:30

    1) trilha sonora de veras sem nenhum sentido
    2) santos x peñarol foi jogado num baita areião
    3) pelé apanhou pra cacildis
    4)concordo com o luís felipe
    5) tenho que ver pelé eterno

    6) fui-me

  • 3. Flávio  |  30/03/2008 às 15:59

    O Rei xingou até a mãe do Badanha na comemoração!

  • 4. Diogo  |  30/03/2008 às 16:15

    os cara entrava pra quebrar, sem dó.
    muito bom o pelé xingando os bostero.

  • 5. fino  |  30/03/2008 às 17:27

    é que o édson era foda, entendhi?

  • 6. Anônimo  |  30/03/2008 às 21:45

    os textos do impedimento já foram melhores…..

  • 7. Flávio  |  30/03/2008 às 22:16

    Falando em Santos, viram que morreu o Calvet, grande quarto-zagueiro do Peixe e do Grêmio?

  • 8. douglasceconello  |  31/03/2008 às 01:18

    Sim Flávio. Morreu o Calvet. De 1956 a 1960 no Grêmio, que tinha uma máquina, e de 1960 a 1965 no Santos, time que dispensa apresentações. Uma lenda. Aliás, foi ele que foi contratado por indicação do Pelé? Não lembro, na real.

    E, com toda atenção que o senhor me merece, Anônino. Tenho duas coisas para colocar:

    1) Fale mais sobre o que o senhor entende por decadência dos textos do Impedimento. A crítica tem que ser embasada. Não vale apenas cornetear.

    2) Não seria mais lógico dizer isto em um texto DE VERDADE e não apenas em um post que server de suporte para vídeos?

  • 9. John McClane  |  31/03/2008 às 02:57

    Quem sao aqueles torcedores que comemoram o gol do Santos contra o Penarol? Ta brincando que era a torcida do Santos? Se era, o que aconteceu de la pra cá…hoje nem mesmo jogando libertadores conseguem botar 10mil na vila.

  • 10. John McClane  |  31/03/2008 às 02:59

    e pq o jogo foi em Buenos Aires?

  • 11. Milton Ribeiro  |  31/03/2008 às 10:01

    Devia ter acreditado em ti e baixado o som. Aqui no escritório – onde as pesoas têm a fantasia de que sou um colega erudito e de bom gosto – todos se olharam.

    Grande coisa.

    Pelé foi grande, com a bola. E apanhou muito. Dos portugueses em 66, então…

  • 12. Otávio Niewinski  |  31/03/2008 às 10:38

    “Primeiro como o pau, de fato, comia solto, ao menos nestas duas ocasiões contrariando nossa percepção de que no passado não havia jogo de contato.”

    Tinha bastante contato, mas dá pra ver claramente que a diferença é que era sempre 1 contra 1, enquanto hoje em dia a marcação é sempre de 2 ou 3 contra 1.

  • 13. mateus  |  31/03/2008 às 11:01

    péle eterno = melhor cotovelada do mundo, desferida pelo rei, na maçã facial de um uruguaio, na copa de 70.

  • 14. GrEMO  |  31/03/2008 às 11:05

    Maradona es mejor que Pelé.

  • 15. Luís Felipe  |  31/03/2008 às 11:06

    Quem sao aqueles torcedores que comemoram o gol do Santos contra o Penarol? Ta brincando que era a torcida do Santos?

    argentinos torcendo pelo Santos. Além de encantar multidões por onde passava, os argentinos não gostavam muito de apoiar os uruguaios.

    e pq o jogo foi em Buenos Aires?

    na época, se dois times empatavam em pontos acontecia um jogo desempate. O Santos ganhou a primeira no Centenário; o Peñarol ganhou a segunda na Vila Belmiro, e o pau comeu; 28 dias depois, com juiz holandês, decisão no campo neutro do Monumental de Nuñez.

  • 16. Ramon  |  31/03/2008 às 12:56

    Bah, nem me venham com Maradona. Agora me convenceram de vez que Pele’ eh o melhor da historia. Cara bom mesmo joga bola e’ na final da Libertadores. O resto bichice.

  • 17. Ramon  |  31/03/2008 às 12:57

    BichiSSe?

  • 18. John McClane  |  31/03/2008 às 15:08

    que bala!! valeu Felipe!

  • 19. FERN  |  31/03/2008 às 16:25

    sem dúvida grandes tempos, estes em que não tinha TV-AO-VIVO no futebol.

  • 20. André K  |  31/03/2008 às 16:28

    sobre o segundo jogo na Vila belmiro (santos 2 x 3 penarol)
    :
    Jogo encerrado oficialmente após o terceiro gol do Peñarol, aos 28 minutos do segundo tempo. O árbitro temendo um conflito com a torcida deixou a partida prosseguir até aos 45 minutos. O Santos chegou a empatar com um gol de Pepe,mas o resultado oficial foi 3×2 para o Peñarol.

  • 21. Flávio  |  31/03/2008 às 21:58

    Bah, Ceconello… Vários jogadores nascidos ou revelados aqui jogaram no Santos do Pelé: Dorval, Mengálvio, Calvet, Aírton Ferreira da Silva, Alcindo. Não sei qual deles teria sido indicado pelo Negão. Minha aposta é que foi o Aírton, cujo livro foi prefaciado pelo Rei. Inclusive, há a lenda urbana de que o Pavilhão só não participou do grupo que venceu a Copa de 62 porque num treino na fase preparatória chapeleou o próprio Pelé, entre outros medalhões. Naquela época, beque habilidoso era sinônimo de falta de seriedade.

  • 22. FERN  |  03/04/2008 às 13:06

    e ainda não é????

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Subscribe to the comments via RSS Feed


Especial – Libertadores 2011

A bola da ImpedCopa

Toco e me voy

Feeds

web tracker

%d blogueiros gostam disto: